Arquivo: Carreira

O segredo da Nasa que vai te deixar mais produtivo


Para pesquisador, existe uma grande diferença entre realizar tarefas rapidamente e corretamente

Listas de tarefas, timers e até recompensas. Existem vários métodos para conseguir ser mais produtivo e concluir todas as tarefas do dia. Mas será que existe um jeito imbatível para melhorar a produtividade? O pesquisador Jeffery LePine começou analisando a rotina dos astronautas no espaço para conseguir a resposta.

Em artigo no Quartz, LePine conta que, no espaço, realizar vários projetos ao mesmo tempo é essencial para se manter vivo e a produtividade afeta diretamente o resultado.

Ele analisou as emoções, o nível de estresse e o engajamento dos astronautas no momento de transição entre uma tarefa e outra. Depois, cruzou os dados, avaliando quão produtivos os astronautas eram em cada tarefa.

A pesquisa concluiu que este momento de “transição” entre tarefas influencia quão rápido você é capaz de partir para outras ações. Este ruído entre as atividades afeta diretamente a produtividade, fazendo com que a maioria das pessoas se distraia com mais facilidade. Isso é ainda pior quando a primeira tarefa é mais complexa ou importante do que a segunda ou ainda não foi finalizada.

Para resolver esta questão, o primeiro passo é ficar mais consciente da transição entre as tarefas. Ao terminar, reflita sobre o que fez e qual será sua próxima meta. A dica é prestar atenção na ordem das tarefas e, sempre que possível, ter um planejamento. Comece realizando as mais simples, para minimizar este efeito de transição para as outras atividades do dia.

Outro segredo para ser mais produtivo é saber como você fica depois de atividades recorrentes. Por exemplo, se você sempre se sente irritado depois de uma reunião de tarde, tente realizar todas as tarefas mais importantes antes deste compromisso.

Artigo extraído e adaptado de Revista PEGN.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Quer ser promovido? Então fale

Expressar sua ambição pode fazer toda a diferença

Parece óbvio que todos querem uma promoção no trabalho, não é mesmo? Não. Em artigo publicado no Harvard Business Review, Sabina Nawaz, que trabalha com treinamento de CEOs, é categórica ao afirmar: quer ser promovido? Faça com que seus superiores saibam disso.

Ela conta que, em uma empresa listada na Fortune 100, haviam dois gerentes que trabalhavam duro e entregavam bons resultados. Ambos desejavam uma promoção para o cargo de vice-presidente da empresa. A diferença, contudo, foi que um deles, quando participou de um encontro com os altos executivos da empresa, dois anos antes, havia perguntado ao CEO e ao CMO da companhia: “o que devo fazer para me preparar para me tornar vice-presidente um dia?”.

“Mais tarde, o CEO, os demais executivos e eu sentamos para discutir o desempenho dos participantes. Quando falamos sobre ele, o CEO riu e disse ‘foi engraçado, ele me perguntou o que deveria fazer para se tornar vice-presidente – ele acabou de se tornar gerente e está pensando em ser vice-presidente’”, contou Sabina. Os comentários dos executivos indicavam que todos gostavam daquele gerente, ele tinha obtido bons resultados e sua equipe gostava dele – mas todos concordavam que era cedo para ele perguntar o que fazer para se tornar vice-presidente. Dois anos depois, no entanto, ele foi escolhido como vice-presidente da companhia.

Ao perguntar o que deveria fazer para ser promovido, ele indicou aos líderes – aqueles que estariam discutindo o futuro de sua carreira – quais eram seus interesses. “Os dois gerentes tinham trabalhado, provaram suas capacidades e entregaram resultados bons. A diferença entre os dois é que um deles nunca perguntou aos chefes o que ele precisaria para ser promovido”, explica Sabina.

Nem todos os trabalhadores querem necessariamente uma promoção. “Algumas pessoas estão felizes com o cargo que ocupam e fazem um bom trabalho porque não querem a pressão adicional de ter um cargo superior. Outros, ainda, podem querer um crescimento mais lento”, diz ela.

Os chefes não saberão qual é o seu caso se você não falar a eles. Ao pensar em planos de sucessão, o melhor cenário para eles é ter uma “lista de espera” de executivos que querem uma promoção. Para Sabina, um executivo “saber que você produz ótimos resultados e tem a ambição de avançar é a combinação poderosa que eles estão procurando, e isso os deixa mais inclinados a investir em você”.

“CEOs, conselhos e líderes em geral querem assegurar que têm um banco para cobrir possíveis saídas de executivos”, diz Blake Irving, CEO do grupo GoDaddy. “Mesmo que eu acredite que os executivos devam estar focados em fazer um ótimo trabalho no cargo que ocupam, acho que eles também devem fazer com que os líderes da empresa saibam que eles estão dispostos a assumir mais responsabilidades. Não acredito em autopromoção, mas acho que você deveria fazer seu chefe saber que você está pronto para algo maior”, afirma.

O que te impede de pedir uma promoção?, analisa Sabina. “Talvez você ache que os outros vão pensar que você é muito ambicioso, agressivo. Mas a verdade é que se corre esse risco quando você trabalha muito para se vender aos líderes da empresa e diz porque acha que deveria ser promovido. Mas simplesmente perguntar e reiterar seu interesse de forma consistente mostra o seu foco na empresa”, diz ela.

Então, o que fazer para começar a tornar conhecida a sua ambição de uma promoção? Em primeiro lugar, diz Sabina, quando você pedir feedbacks, pergunte se você está adequado para o cargo cobiçado. Comunique seu plano claramente, para que seu gestor saiba sua estratégia. Depois, explique a experiência que você está tentando construir para que aqueles que tomam as decisões considerem você para uma gama mais ampla de posições.

“Os executivos das empresas querem pessoas que queiram liderar. Subir na carreira não é apenas um privilégio, é também uma responsabilidade. Indique que você está disposto a arcar com todos os desafios que vêm com a promoção”, diz Sabina.

Artigo extraído e adaptado de Época Negócios.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

10 coisas que te impede de ser feliz

A vida seria muito mais fácil se existisse uma fórmula mágica para alcançar a felicidade, mas infelizmente não existe. Só que uma coisa é certa: ela está disponível para todos.

Com bastante frequência os desafios aparecem pelo caminho e se não soubermos lidar com eles, sentiremos dor e sofrimento desnecessários.
É certo que para cada pessoa a felicidade tem um tipo de significado, e isso está relacionado aos valores e experiências de vida de cada um, mas independentemente do que traz felicidade para você existem algumas coisas que te impedem de ser feliz, saiba quais são a seguir:

1 – Alimentar crenças limitantes
Crença limitante é tudo aquilo que te impede de viver uma vida melhor e mais feliz. Muitos de nós se alimentam de frases e pensamentos que são como ordens nos dizendo o que é possível e o que é impossível, o que podemos fazer e o que não podemos fazer. Pare de alimentar suas crenças limitantes. Jamais deixe para amanhã o que você pode fazer, sentir e viver hoje.

2 – Ficar preso ao passado
É muito comum que nos sintamos culpados por experiências negativas do passado. Mas precisamos olhar para todas as nossas experiências como processos de aprendizagem para nos conhecermos melhor. Viver inteiramente o momento presente é a atitude mais libertadora que existe.

3 – Sofrer por antecipação pelo futuro
Fique atento aos excessos de preocupação. Na vida é preciso ter os dois pés no chão. Pensar e sonhar demais com o futuro pode bloquear o desenvolvimento de um projeto que já esteja claro em nossa mente. Evite pensamentos desnecessários.

4 – Manter coisas ou pessoas negativas por perto
“Diga-me com quem tu andas que te direi quem és”, falava minha mãe. Acredito que esta frase tenha mais a ver com quem você vai se tornar, pois somos diretamente influenciados pelo meio onde vivemos. Jim Rohn já dizia: “Você é a média das cinco pessoas com as quais passa mais tempo.” As cinco pessoas com quem você mais anda irão determinar a forma como você pensa, a forma como você age e a forma como você se prepara para suas metas de vida.

5 – Querer sempre impressionar os outros
Eu preciso lhe dizer que às vezes você vai estragar tudo, independentemente do que você faça. Você precisa afirmar o seu valor, porém sem exigir reconhecimento. Aceite-se a si mesmo, assim como é, incondicionalmente.

6 – Estar sempre certo
O que é mais importante para você? Ser feliz ou estar sempre certo? Hoje eu quero lhe afirmar algo: em algum momento da sua vida você vai errar. Então, não importam quais sejam suas decisões, esteja determinado a ser mais flexível e desista de querer sempre ter razão.

7 – Resistir a mudanças
O que mudou tudo no mundo nos últimos anos? As pessoas. Pessoas como você e eu que decidiram MUDAR. Pessoas que tomaram novas decisões. Agora é o momento ideal para fazer alguma outra coisa ou uma coisa nova.

8 – Não assumir a auto-responsabilidade e culpar os outros
Assuma 100% de responsabilidade pela sua vida e entenda que só VOCÊ pode decidir qual o melhor caminho a seguir. Quando assumimos a nossa responsabilidade, podemos exercer nosso poder de escolha livremente, sem culparmos às pessoas pelas nossas decisões, pois percebemos que uma atitude responsável é extremamente necessária para mudarmos o mundo, começando a mudar nós mesmos.

9 – Necessidade de aprovação das pessoas
Quando nos libertamos da necessidade de obter aprovação das pessoas, passamos a aceitar e olhar com determinação para os pontos da nossa personalidade. Você não é responsável por expectativa alheia nenhuma.

10 – Esquecer-se de ser grato e ficar apenas reclamando
Agradeça, agradeça, agradeça. Infelizmente nossa percepção é limitada, mas se elevarmos a nossa atenção para o “quadro completo da vida” ficaremos imediatamente conscientes do quanto temos a agradecer. Lembre-se de, pelo menos uma vez por dia, agradecer a todas as dádivas que você recebe.

Artigo extraído e adaptado de Administradores.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Antídoto contra o pessimismo

Quando a chave da abundância ligou na minha cabeça

Eu tinha colocado uma meta para mim: “não emitir uma reclamação sequer por uma semana.”

Duvidei muito se conseguiria, mas como sou determinada, segui em frente…

Isso incluía não reclamar do tempo frio (já que estava fazendo 10 graus negativos na cidade onde moro, na Polônia), do pão que acabara de queimar no forno, da internet que tinha caído, do cliente que tinha cancelado em cima da hora, da fila no supermercado…

Foi um esforço tremendo, mas comecei a perceber que essa atitude tão simples estava me abrindo um novo pensamento:

A positividade gera criatividade.

A criatividade cria oportunidades.

As oportunidades aumentam a motivação e a força de vontade.

Consequentemente, a motivação e a força de vontade trazem melhores resultados e mais abundância.

Se você pensar bem, todos nós desejamos a abundância na vida: queremos mais tempo, muitos amigos, inúmeras oportunidades, mais informações; desejamos muita saúde, bastante grana e recursos infinitos.

Mas a todo momento, nos conectamos a pensamentos de escassez.

E fazemos isso quando:

  • reclamamos;
  • criticamos;
  • não acreditamos no nosso potencial;
  • encontramos defeitos em nós e nos outros;
  • duvidamos da nossa capacidade;
  • enxergamos somente os erros;
  • nos colocamos como vítima;
  • damos crédito à crise;

… e também quando nunca estamos satisfeitos com nada, há sempre alguma coisa faltando.

Isso acarreta:

  • frustração;
  • medo;
  • ansiedade;
  • desmotivação;
  • isolamento;
  • baixa autoestima… e tantas outras consequências negativas.

Se desejamos tanto a abundância e a fartura, é imprescindível mudarmos o discurso.

Por saber que essa é uma tarefa árdua, pois envolve mudança de Mindset, gravei este vídeo para te ajudar nesse jogo:

Pode ser difícil no começo e, claro, vai exigir mais disciplina de você. Mas depois, isso se tornará um hábito e você verá ganhos incríveis, além de se tornar uma companhia mais agradável.

Você possuirá um magnetismo tão incrível, que todos vão querer estar mais perto de você.

Espero que aprecie o vídeo e que possa compartilhar com todos os quais “a ficha da abundância ainda não tenha caído”.

E.T.: Me esqueci de dizer que a minha meta naquela semana não foi cumprida totalmente, porque me peguei reclamando por ter esperado 5 horas para ser atendida no escritório de imigração… :/

Mas posso dizer que cada dia mais estou me superando e que hoje naturalmente procuro ver o lado bom de tudo, mesmo quando me sinto magoada. Um treino diário, mas hoje com muito mais leveza do que naquela semana.

Wayne Valim

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

3 dicas para perder o medo de falar em público

Você tem medo de falar em público? Liz Adelman, fundadora da PitchPolish, morria de vergonha em ser o centro das atenções. Foi fazendo improvisos no teatro que ela aprendeu o poder das apresentações. Hoje, Liz auxilia empreendedores em Los Angeles que precisam perder o medo e encarar uma plateia.
Liz deu um workshop para startups brasileiras durante o Venture in LA, missão de negócios que aconteceu em Los Angeles, nos Estados Unidos, organizada pela MidStage Ventures. Confira as principais dicas para perder de vez o medo de falar em público e técnicas para prender a atenção do público.

1. Use as mãos
Manter as mãos no bolso ou para trás são sinais de pouca confiança que podem tornar sua apresentação chata. “Quando você não usa as mãos, você parece sério e assustado e não confiante”, diz Liz. Movimentar as mãos sem medo de demonstrar emoções é uma forma de indicar quem está no controle. Se você não se sente à vontade em mexer demais as mãos, deixe-as em posição neutra na lateral do corpo, sem escondê-las.

2. Movimente-se
Mover-se no palco é uma técnica importante de apresentações, segundo Liz. “É mais interessante para o público e envia a mensagem subliminar que você é tão interessante que os olhos de todos vão te seguir”, afirma. Enquanto se movimenta – de forma sutil e sem pressa -, mantenha contato visual com as pessoas. “Olhe para todos e não só para o foco da sua apresentação, que pode ser um investidor, por exemplo. Isso ajuda a diminuir o nervosismo”, diz.

3. Aproveite o potencial da voz
Para Liz, a voz é a técnica mais poderosa para apresentações. Mesmo que você não mexa as mãos, não se mova nem mantenha contato visual, a voz pode ser responsável por manter o público interessado. “Clareza é importante. Não dê trabalho para a plateia embolando as palavras ou falando muito baixo. Varie o tom e faça pausas para respirar também”, ensina.

Artigo extraído e adaptado de Revista Pequenas Empresas Grandes Negócios.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Bancos com mais mulheres na diretoria são mais rentáveis

Estudos já confirmaram que a diversidade no ambiente de trabalho traz resultados financeiros positivos para as empresas. Se você ainda não acredita nisso, uma nova pesquisa publicada pelo Banco da Inglaterra sugere que quando há mais mulheres na diretoria, os bancos são mais rentáveis. No estudo, as economistas Ann Owen e Judit Temesvary demonstram que há uma relação entre igualdade de gênero e resultado financeiro. No entanto, isso só acontece se a instituição já tem políticas de igualdade – ou seja, pouco adiantaria se um banco até então dominado por homens colocasse mulheres na diretoria sem fazer nenhuma alteração na cultura da empresa.

“Em bancos bem gerenciados, a diversidade de gênero tem um impacto positivo no desempenho – mas apenas depois de alcançado determinado nível de igualdade”, dizem as pesquisadoras. De acordo com o estudo, a porcentagem de mulheres nos bancos norte-americanos vai caindo conforme se sobe na escada corporativa: elas representam 56,7% de todos os funcionários, 48% dos cargos de média gerência e 30,8% entre os executivos de nível sênior ou gerentes.

Mas, afinal, como a divisão entre homens e mulheres nas diretorias pode afetar o balanço de um banco? Há duas explicações. A primeira é que as mulheres têm mais chances de contribuir com experiência em determinadas áreas – ou seja, quando há mais mulheres na diretoria, é mais provável que o grupo tenha certas características, como experiência em recursos humanos ou em governança pública. Então, com um leque mais diverso de experiências, a tomada de decisão pode ser mais correta. Além disso, há uma relação entre participação feminina mais alta e menor probabilidade de reguladores tomarem ações contra o banco – o que sugere que a maior diversidade aumenta o controle e gerência nas instituições financeiras.

A segunda explicação é que a diversidade em si tem um impacto. Estudos anteriores mostraram que a diversidade está associada à maior criatividade e produtividade dentro das empresas. Isso só ocorre, contudo, se a cultura da empresa é preparada para a diversidade e se a participação de mulheres dentro da companhia é alta – as mulheres tendem a se expressar com mais frequência quando a participação feminina no grupo aumenta.

Para evitar atribuir à diversidade de gênero um efeito causado por algo relacionado à diversidade de outras características, as pesquisadoras incluíram diversas variáveis em suas estimativas, como idade, participação no conselho ou patrimônio. Uma das possibilidades é que os resultados financeiros ruins estejam relacionados à falta de diversidade – ou bancos de melhor gestão têm em comum a busca por maior diversidade. Para fazer o estudo, as autoras utilizaram dados de 87 bancos dos Estados Unidos entre 1999 e 2015.

“Nossos resultados mostram evidências de ambas hipóteses”, escrevem as economistas. “A maior equidade de gênero tem impacto positivo em várias medidas de desempenho uma vez que certo limiar de diversidade tenha sido alcançado”, dizem. “Por outro lado, a falta de diversidade tem um impacto negativo nessas mesmas medidas de desempenho.”

Artigo extraído e adaptado de Época Negócios.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

mulher

Bancos com mais mulheres na diretoria são mais rentáveis

No entanto, a maior equidade só resulta em melhores resultados financeiros quando a empresa tem política de igualdade.

 

Estudos já confirmaram que a diversidade no ambiente de trabalho traz resultados financeiros positivos para as empresas. Se você ainda não acredita nisso, uma nova pesquisa publicada pelo Banco da Inglaterra sugere que quando há mais mulheres na diretoria, os bancos são mais rentáveis. No estudo, as economistas Ann Owen e Judit Temesvary demonstram que há uma relação entre igualdade de gênero e resultado financeiro. No entanto, isso só acontece se a instituição já tem políticas de igualdade – ou seja, pouco adiantaria se um banco até então dominado por homens colocasse mulheres na diretoria sem fazer nenhuma alteração na cultura da empresa.

“Em bancos bem gerenciados, a diversidade de gênero tem um impacto positivo no desempenho – mas apenas depois de alcançado determinado nível de igualdade”, dizem as pesquisadoras.

De acordo com o estudo, a porcentagem de mulheres nos bancos norte-americanos vai caindo conforme se sobe na escada corporativa: elas representam 56,7% de todos os funcionários, 48% dos cargos de média gerência e 30,8% entre os executivos de nível sênior ou gerentes.

Mas, afinal, como a divisão entre homens e mulheres nas diretorias pode afetar o balanço de um banco? Há duas explicações. A primeira é que as mulheres têm mais chances de contribuir com experiência em determinadas áreas – ou seja, quando há mais mulheres na diretoria, é mais provável que o grupo tenha certas características, como experiência em recursos humanos ou em governança pública. Então, com um leque mais diverso de experiências, a tomada de decisão pode ser mais correta. Além disso, há uma relação entre participação feminina mais alta e menor probabilidade de reguladores tomarem ações contra o banco – o que sugere que a maior diversidade aumenta o controle e gerência nas instituições financeiras.

A segunda explicação é que a diversidade em si tem um impacto. Estudos anteriores mostraram que a diversidade está associada à maior criatividade e produtividade dentro das empresas. Isso só ocorre, contudo, se a cultura da empresa é preparada para a diversidade e se a participação de mulheres dentro da companhia é alta – as mulheres tendem a se expressar com mais frequência quando a participação feminina no grupo aumenta.

Para evitar atribuir à diversidade de gênero um efeito causado por algo relacionado à diversidade de outras características, as pesquisadoras incluíram diversas variáveis em suas estimativas, como idade, participação no conselho ou patrimônio. Uma das possibilidades é que os resultados financeiros ruins estejam relacionados à falta de diversidade – ou bancos de melhor gestão têm em comum a busca por maior diversidade. Para fazer o estudo, as autoras utilizaram dados de 87 bancos dos Estados Unidos entre 1999 e 2015.

“Nossos resultados mostram evidências de ambas hipóteses”, escrevem as economistas. “A maior equidade de gênero tem impacto positivo em várias medidas de desempenho uma vez que certo limiar de diversidade tenha sido alcançado”, dizem. “Por outro lado, a falta de diversidade tem um impacto negativo nessas mesmas medidas de desempenho.”

Artigo extraído e adaptado de Época Negócios.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

É preciso uma mudança cultural já na infância para superar desigualdade, diz primeira diretora do ICMC da USP

Filha de pai taxista e mãe costureira, Maria Cristina Ferreira de Oliveira e suas quatro irmãs são doutoras e docentes em universidades públicas brasileiras. Para ela, meninas precisam ser expostas à outras possibilidades, que não às tipicamente associadas às mulheres.

A cerimônia que anunciou, na última sexta-feira (17/08), a nova direção do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC), tinha tudo para ser mais um capítulo na história da instituição, não fosse pela escolha de sua representante. Pela primeira vez, em 46 anos, uma das principais instituições brasileiras na área de exatas terá uma mulher no comando.

Natural de São Carlos, interior de São Paulo, Maria Cristina Ferreira de Oliveira, 55, é graduada em Ciências da Computação pelo ICMC e doutora em Engenharia Eletrônica pela Universidade de Wales, no Reino Unido. Filha de pai taxista e mãe costureira, Cristina e suas quatro irmãs foram encorajadas a, desde cedo, se dedicar aos estudos e ingressar no ensino superior. O incentivo deu certo. Hoje, todas são doutoras e docentes em universidades públicas brasileiras.

CRISTINA É GRADUADA EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO PELO ICMC E DOUTORA EM ENGENHARIA ELETRÔNICA PELA UNIVERSIDADE DE WALES, NO REINO UNIDO (FOTO: ARQUIVO PESSOAL) – FONTE: ÉPOCA NEGÓCIOS

A nomeação de Maria Cristina é extremamente simbólica, já que a desigualdade de gênero também é um traço do mundo acadêmico no país. Nos últimos cinco anos, só 9% dos alunos formados pelo ICMC eram mulheres. De todas as 42 unidades de ensino e pesquisa da USP, apenas 35% são lideradas por mulheres.

Em entrevista a Época NEGÓCIOS, Maria Cristina falou dos desafios da educação no Brasil e de sua gestão no ICMC até 2021. Para ela, a desigualdade de gênero no país é uma questão cultural que precisa ser superada já na primeira infância.

Leia a entrevista:

Para você, qual o significado da sua posse no ICMC, que pela primeira vez tem uma mulher na direção?
Para mim é uma missão a mais. Me sinto muito honrada. Fui aluna do ICMC e vivi aqui ao longo da minha carreira, mas o fato de ser uma mulher, na minha opinião, é uma questão totalmente secundária. Por outro lado, posso ser inspiração para outras jovens que também sonham em seguir esse caminho.

Como o ICMC espera incentivar mais mulheres a ingressar na área das ciências exatas?
Nós temos um grupo de extensão que promove eventos e palestras para atrair um maior número de mulheres para esse universo das ciências exatas. Mas é claro que, para uma mudança radical nesse cenário, é necessária uma mudança de cultura. Desde a primeira infância, pais e professores deveriam expor as meninas a outras possibilidades além das tipicamente associadas às mulheres.

Quais as suas perspectivas para a área da pesquisa no Brasil, que nas últimas semanas foi alvo de polêmicas com o anúncio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível superior (CAPES) sobre um possível corte de bolsas de estudos?
O financiamento de pesquisas no país é uma questão complicada e cheia de incertezas. Mas aqui no Estado de São Paulo, nós temos a vantagem de contar com uma agência adicional que financia pesquisadores baseados no estado, que é a FAPESP. Por isso estamos confiantes de que as pesquisas de boa qualidade vão continuar independente dessas dificuldades. Embora a crise econômica do país possa ter impactos sobre os recursos destinados a pesquisas em maior ou menos grau, estou otimista e tenho perspectivas de continuar contribuindo com o que a precisamos, que é gerar conhecimento.

Em quais aspectos a educação no Brasil precisa melhorar para que mais mulheres e estudantes de escolas públicas, assim como você, também possam ter acesso a um ensino superior de qualidade?
O grande desfio do Brasil é garantir o acesso à educação de qualidade para um número maior de pessoas, e principalmente nos locais onde a renda é menor. Mas a melhor política de acesso à universidade é preparar o aluno para que ele consiga ingressar na universidade. Hoje, perdemos muitos talentos que poderiam estar no ensino superior porque a escola não deu a preparação necessária. Ensino Fundamental e Médio de qualidade. Esse seria o melhor jeito de garantir que todos tenham oportunidades.

O que você espera realizar ao longo da sua gestão?
Precisamos trabalhar para garantir a qualidade dos cursos que já são bem avaliados na Capes. Além disso, a evasão de alunos em alguns cursos é uma questão preocupante e que precisamos enfrentar. A questão do empreendedorismo, a interação com o setor produtivo e a necessidade de contribuir com empresas e governos também é um ponto importante. Garantir a troca de conhecimento entre universidade e sociedade é um dos maiores desafios.

Artigo extraído e adaptado de Época Negócios.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

vida profissional pessoal

Como conciliar a vida profissional com a vida pessoal

O sucesso no trabalho tem que caminhar com a satisfação na vida pessoal. Isto parece óbvio, certo?

Entretanto, na prática, nem sempre é tão simples conciliar estes dois setores que, muitas vezes, disputam nosso tempo e dedicação. Encontrar meios para caminhar entre estes universos com sabedoria não só é possível, como também é a única forma para conquistar um estilo de vida mais equilibrado.

Neste post, você encontrará dicas valiosas que você poderá incorporar à sua rotina, que lhe ajudarão nesta tarefa de conciliar vida profissional e pessoal.

Organize a sua vida e ganhe tempo
Entenda que a desorganização é a sua maior inimiga. Faça um planejamento da sua rotina na vida profissional. Veja onde está havendo “desperdício” de tempo: é na hora do cafezinho? Nas redes sociais? Você não precisa abrir mão destes momentos, mas se você reduzir o tempo dedicado a eles, poderá se livrar da hora extra.

E, consequentemente, ganhar estas horinhas com a sua família, com os amigos ou mesmo na academia. Outra dica importante é evitar levar trabalho para casa.

Saiba usar a tecnologia a seu favor
As ferramentas tecnológicas podem ser grandes aliados, auxiliando-o em seus prazos ou flexibilizando seus horários. Mas viver online, pode significar trabalho no momento em que você deveria estar se divertindo ou relaxando.

Use a tecnologia a seu favor, mas saiba desligar-se dela quando estiver com o seu marido, com a sua esposa, os seus filhos ou amigos.

Delegue tarefas
Pessoas centralizadoras tendem a não equilibrar bem os pratos da balança da vida profissional e pessoal.

Principalmente, se você é mulher e tem filhos, está inserida no mercado de trabalho e precisa contar com a ajuda de uma empregada e de uma babá.

No entanto, o conselho é válido em todos os casos: tenha critérios para contratar seus funcionários e confie neles. Eles se sentirão valorizados e você sairá ganhando ao contar com a colaboração de outras pessoas no seu dia a dia

Tire férias
Trabalhar anos a fio repetindo para si mesmo que não pode tirar férias é o caminho mais seguro para desenvolver um estresse que o levará a uma clínica média. Descansar, viajar, passar um período dedicando-se exclusivamente às pessoas importantes da sua vida, fará com que você volte com força total para o trabalho. Você estará cheio de energia e, provavelmente, com a mente cheia de novas ideias para colocar em prática.

Esteja presente
Seja no trabalho, no happy hour ou em casa, simplesmente esteja lá — de corpo e alma. Muitas vezes, nosso corpo está em um lugar, mas nossa mente viaja para outro completamente diferente. Esta é uma dica que necessita ser exercitada diariamente. Então, policie-se e viva o momento presente com toda intensidade.

Tire momentos para você
O trabalho e a sua família precisam de você. Mas você também precisa de você! Parece simples, mas às vezes, as pessoas colocam suas próprias necessidades em último lugar. Mais uma vez, as mulheres e, principalmente, as que são mães tendem a agir dessa forma. Seja dançar, meditar, fazer uma caminhada, estar junto à natureza, não importa quais sejam as suas preferências. Descubra o que energiza você e reserve um tempo para esta atividade, com o mesmo rigor com que você reserva para os outros setores da sua vida.

Sem dúvida, você terá que se esforçar para seguir seu planejamento. Muitas vezes terá que refazê-lo. Outras vezes, terá imprevistos que o colocarão por terra. Mas não desista. Uma vida mais organizada lhe renderá maior satisfação pessoal, gerando um melhor desempenho na vida profissional.

Artigo extraído e adaptado de Psicologia Viva.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

trabalho

Como ter inteligência emocional no trabalho

As qualidades associadas a capacidade de identificar e controlar as emoções distinguem os melhores líderes do universo corporativo, segundo livro.

O que faz de um indivíduo um grande líder? Conhecimento, acuidade e visão, evidentemente. A isto, Daniel Goleman, autor do livro Leadership: The Power of Emotional Intelligence (Liderança: O poder da inteligência emocional), numa tradução literal) acrescentaria a capacidade de identificar e controlar as emoções – as nossas e as dos outros – e administrar os relacionamentos. As qualidades associadas a esta “inteligência emocional” distinguem os melhores líderes do universo corporativo, segundo o autor, ex-repórter de ciência do The New York Times, psicólogo e codiretor de um consórcio, na Rutgers University, que promove a pesquisa sobre o papel desempenhado pela inteligência emocional na excelência. Esta é sua breve lista de competências:

1. Consciência de si

Uma consciência realista de si: Você conhece seus pontos fortes e suas limitações; opera com competência e sabe quando confiar em outra pessoa da sua equipe.

Percepção emocional: Você compreende os seus sentimentos. O fato de ter consciência do que o deixa irritado, por exemplo, pode ajudá-lo a administrar a irritação.

2. Capacidade de administrar-se

Capacidade de recuperação: Você permanece calmo sob pressão e se recupera com rapidez dos golpes. Não fica remoendo os problemas, nem entra em pânico. Numa crise, as pessoas olham para o líder para se tranquilizarem; se o líder estiver calmo, elas também ficarão.

Equilíbrio emocional: Você sabe controlar os sentimentos aflitivos – em vez de explodir com as pessoas, você faz com que elas tenham consciência do que está errado e de sua solução.

Automotivação: Você avança sem cessar em direção a objetivos distantes apesar dos revezes.

3. Empatia

Empatia cognitiva e emocional: Como você compreende as perspectivas dos outros, sabe colocar as questões de maneira que os colegas compreendam. E está sempre disposto a ouvir suas indagações, para eliminar dúvidas. A empatia cognitiva, juntamente com a leitura cuidadosa dos sentimentos das outras pessoas, visa uma comunicação efetiva.

Sabe ouvir: Você presta total atenção ao outro e procura compreender o que ele está dizendo, sem discutir a fundo a questão com ele ou sem se afastar da pauta.

4. Habilidade de relacionamento

Comunicação convincente: Você expõe sua mensagem de uma maneira persuasiva, clara, de modo que as pessoas se sintam motivadas e tenham expectativas claras.

Trabalho em equipe: As pessoas se sentem relaxadas trabalhando com você. Um dos sinais: Elas riem com facilidade ao seu lado.

Artigo extraído e adaptado de Estadão.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais: