Arquivo: Comportamento

11 atitudes para crescer na carreira daqui pra frente

Especialistas afirmam: conhecimento técnico é commodity. Para se diferenciar, é preciso investir em habilidades comportamentais.

Engana-se quem pensa que exímio conhecimento técnico é suficiente para conseguir este feito. Segundo especialistas, o que realmente determina a ascensão profissional mesmo em tempos de crise são os comportamentos. “A competência técnica é mais fácil de conseguir: é uma commodity. O diferencial são as habilidades inerentes a cada um”, diz David Braga, da Dasein Executives.

“O que move a habilidade é a atitude que está embaixo. Se a competência fosse um carro, a atitude é o motor, a propulsão, aquilo que leva o carro para frente”, afirma José Augusto Figueiredo, presidente da LLH|DBM.

Confira quais são essas habilidades que podem garantir seu crescimento na carreira – mesmo quando o mundo lá fora está em crise.

1- Criar alianças e costurar ideias

Se inovação é essencial para o crescimento da empresa, em tempos de crise, ela vira palavra de ordem. E como as melhores propostas são geradas em grupo, saber trabalhar em equipe é uma habilidade fundamental para profissionais que não queiram perder o ritmo de crescimento na carreira.

Aqui, a ideia não é apenas relacionar-se bem com as pessoas, mas sim assumir um papel de mediador das sugestões que aparecem. “Ele tem que concatenar as ideias, costurá-las para que todas as pessoas sejam contempladas”, afirma Thirza Sifuentes, da Homero Reis e Consultores.

Mas não é só isso. A sua capacidade de networking e de criar bons relacionamentos profissionais também conta. São as alianças estratégicas que você cria, nas palavras de Gabriela Coló, sócia da Havik, que farão muitos planos saírem do papel e outros tantos negócios serem feitos.

2- Ter uma visão ampla do negócio

Daí a necessidade, segundo Gabriela, de se ter uma visão ampla do negócio em questão. Se você não sabe o que o colega da baia, do andar ou da unidade fora do país faz, como você poderá pensar em estratégias que ajudem a empresa ou o departamento a sobreviver em tempos incertos. E, em última instância, como garantirá a sobrevivência da sua própria carreira?

“Não tem como. Se você é um gerente de marketing não pode estar fechado só na ilha do marketing. Tem que saber de logística também”, diz David Braga, da Dasein Executives. “Ao conhecer seus concorrentes, por exemplo, você consegue propor ideias”.

3- Comunicar-se bem

“A comunicação é a maneira pela qual você consegue mobilizar as pessoas para aderir às suas ideias”, afirma Figueiredo, da LLH|DBM. “Mesmo que você não esteja em uma posição de liderança, é fundamental esta capacidade de contaminar positivamente as pessoas que estão no seu entorno”.

Segundo Braga, esta competência tem sido observada pelos gestores: “Os profissionais devem promover o engajamento dos pares e equipe. Ninguém manda, mas todos precisam cooperar”, diz.

E aqui a ideia não é apenas fazer apresentações de uma maneira efetiva, mas para além disso comunicar-se com clareza nas rotinas corporativas: desde escrever um e-mail até delegar uma tarefa.

4- Ter um perfil empreendedor

O sentimento de dono do negócio (mesmo que você seja “apenas” um funcionário) é outra característica vista com bons olhos pelos gestores. E não é só pelo senso de responsabilidade que esta visão traz.

“Pessoas com um perfil empreendedor são mais abertas para novas possibilidades e ideias. Querem fazer coisas novas, sair do quadrado”, diz Figueiredo. Elas são mais abertas ao risco e, por conta disso, excelentes motivadoras de inovação. “A empresa só é inovadora quando tem gente pensando fora da caixa”, afirma o especialista.

João Marcelo Furlan, da Enora Leaders, concorda. “Essas pessoas tendem a pegar o problema e abraçar. São proativas, têm senso de propriedade”, afirma. As empresas não querem um cara teórico, elas querem um cara de ação, que consiga fazer acontecer”, diz Gabriela.

Agora, Furlan pondera que, de tão energizadas, os profissionais com um perfil mais empreendedor ao querer fazer as coisas acontecerem, tendem a atropelar todo mundo. E este deve ser um ponto sempre de atenção para não furar outras habilidades essenciais como saber trabalhar em equipe.

5- Saber negociar

As melhores negociações não acontecem apenas fora dos limites da empresa – entre clientes ou fornecedores. Internamente, também são travados acordos fundamentais para que a companhia cresça.

Em ambas situações, é essencial lembrar que não é “batendo a mão na mesa que vai conseguir algo”, afirma Gabriela.

6- Estar pronto para se adequar 

Em tempos incertos, flexibilidade e capacidade para se adequar rapidamente a novos contextos torna-se um atributo essencial. As respostas aos novos cenários tendem a ser mais rápidas do que quando tudo está mais tranquilo. E isso pode afetar claramente a vida de cada profissional da corporação.

“Se a empresa tem que descontinuar o projeto que você estava trabalhando para começar outro, você precisa compreender a estratégia”, diz Figueiredo. E, com isso, colocar a sua capacidade de adequação para funcionar.

Não responder às novas demandas em tempo hábil pode ser prejudicial não só para a sua carreira, mas para a sobrevivência da organização como um todo, explica os especialistas.

7- Cumprir prazos

Produtividade é outra palavra de ordem em tempos incertos para a economia. “As empresas devem ter seu foco atrelado ao cliente”, diz Braga. E, neste ponto, trabalho bom é trabalho feito. Evidentemente, a ideia não é pecar com a qualidade. Mas entregar produtos ou serviços excelentes, sem estourar os prazos.

“Planejamento é 30% do resultado, a execução é 70%. Os profissionais que fazem o que planejam com foco no resultado são muito diferenciados”, diz Furlan. “Quem não entrega resultados, está fora em momentos de crise”.

8- Fazer mais com menos 

“Todo mundo tem falado sobre austeridade extrema em relação a custo”, afirma Figueiredo. Nos minutos que compõem o expediente de cada profissional este conceito se traduz com a necessidade de “fazer mais com menos”.

Em outras palavras, mais do que nunca, é essencial ser estratégico em cada tarefa que lhe vir a mão para fazer. “Ele tem que pensar, refletir um pouco mais sobre qual a capacidade de gerar fruto. Tem que aprender a priorizar para maximizar seus esforços naquilo que traz mais retorno”, diz o especialista.

A boa administração do tempo é um fator preponderante para que essa ideia aconteça: “A tônica deste tempo é que você consiga produzir mais em um tempo menor – sem que isso gere ansiedade ou estresse”, diz Thirza.

9- Apostar na serenidade

E o único meio para ser possível tirar esta ideia da teoria é apostando na serenidade. Sim, isso mesmo. Profissionais resilientes, donos de uma equilibrada inteligência emocional tendem a se sair melhor em tempos de crise.

Motivo? “Quando estão sendo impulsivos e não conseguem trabalhar, descem para olhar o mar”, afirma Figueiredo, fazendo uma alusão à própria rotina. Por morar no Rio de Janeiro, o consultor tem como hábito vislumbrar o mar por alguns minutos quando as coisas ficam tensas na rotina. Ele afirma que quando volta para os afazeres, consegue olhar as tarefas e problemas sob outro ângulo.

A inteligência emocional não é necessária apenas para garantir sua sanidade mental durante o expediente. Mas também é um fator essencial para a resolução de conflitos. “Crescimento é um puxando a corda do outro porque a empresa tem que trabalhar mais rápido”, descreve Furlan.

Tanto em momentos de aceleração quanto de desaceleração, é fundamental pessoas que consigam amenizar os atritos pessoais gerados pelo contexto em questão.

10- Saber ler o ambiente 

“Você tem que entender seu interlocutor, conhecer a empresa, as pessoas, para escolher a hora certa para tomar determinadas decisões”, diz Fabiana Góes, sócia da Search Consultoria.

11- Ter foco no autodesenvolvimento

Independente do cenário externo ou interno, profissional nenhum deveria se acomodar e parar de se desenvolver. “Não dá para começar e terminar um ano do mesmo jeito. Tudo está em constante mudança”, diz Braga. Para crescer, acompanhar este ritmo é fundamental.

O primeiro passo para isso, afirma Thirza, é conhecer bem a si mesmo. Em que aspectos você ainda precisa se desenvolver? Onde estão seus pontos fortes?

Perguntas respondidas, é hora de partir para um plano de ação. E se esforçar ao máximo para tirá-lo do papel. “Ninguém deve ficar preso ao passado, nem ao presente. Todo mundo precisa de foco no futuro”, diz Braga.

Artigo extraído e adaptado de Exame.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Motivação: guia para ampliar sua performance pessoal

Você sabia que a motivação é um dos processos cognitivos mais importantes para o seu sucesso?

A motivação é a força interna que te empurra na direção das suas metas, objetivos e sonhos!

Atualmente, ouvimos muito falar sobre motivação.

Ela está em todo lugar: profissionais motivados são mais visados no mercado de trabalho, líderes se preocupam cada vez mais em motivar seus liderados e você encontra diversos recursos como vídeos e livros voltados para a motivação pessoal.

Mas do que se trata, verdadeiramente a motivação, e como ela pode te ajudar? Apesar de tantos materiais feitos para motivar, essa pode ser uma tarefa difícil quando você não entende muito bem o que é motivação, e como ela é gerada em você.

O coaching trabalha muito com a motivação. Isso porque ela é parte essencial do processo de mudança, de avanço.

Sem motivação, não adianta ter o melhor plano do mundo: você não consegue lidar com os obstáculos que encontrará pelo caminho.

A motivação é capaz de inspirar, instigar o indivíduo a seguir em frente e persistir. Trata-se de uma força interna surpreendente, e acreditamos que para alcançar qualquer objetivo ela é fundamental.

O que é motivação?

A motivação, segundo a psicologia e outras ciências humanas, trata-se de uma condição do organismo que influencia a direção de um comportamento.

Ou seja, trata-se de uma força ou impulso que leva à ação, visando atingir um objetivo.

Esse processo envolve fenômenos biológicos, emocionais e sociais. Ele é responsável por iniciar, direcionar e manter comportamentos que levam ao cumprimento de metas e objetivos.

Portanto, a motivação é um elemento essencial para o desenvolvimento humano.

Sem ela, cumprir as tarefas necessárias acaba sendo muito mais difícil, em especial quando nos deparamos com obstáculos e dificuldades.

Porque a motivação é importante?

Sem a motivação, é impossível atingir qualquer objetivo.

Por mais que se queira determinada carreira, formação ou conquista pessoal, sem a motivação não existe ação. E, como você certamente sabe, a ação é essencial: Não basta desejar, é preciso correr atrás.

Pessoas que aprendem como se automotivar enfrentam as dificuldades da vida com mais facilidade, e como consequência, conseguem chegar muito mais longe.

Por isso, o coaching considera importantíssimo o autoconhecimento e a reflexão: Através desses exercícios, você poderá descobrir suas fontes de motivação interna e usá-las a seu favor.

Como aumentar a minha motivação?

Agora que você já sabe a importância de se automotivar, é hora de aprender algumas técnicas e métodos que podem te ajudar nesse processo.

Autoestima e autoconfiança

Acreditar em si mesmo é um dos principais passos para se manter motivado. Sempre busque desenvolver a autoestima e a autoconfiança.

Conheça suas potencialidades, pois elas podem te ajudar a enfrentar dificuldades e se manter resiliente.

Mantenha o foco nas suas metas e sonhos

Não perder aquilo que você quer de vista é importantíssimo para se manter motivado. Nos momentos mais difíceis, é a expectativa de finalmente atingir seus objetivos que te mantém na luta por eles.

Por isso, nunca deixe de se lembrar o que você pretende alcançar e quais são os motivos para seu esforço.

Veja erros e falhas como aprendizado

Para muitas pessoas, os momentos mais desmotivadores são as falhas e erros cometidos pelo caminho. É importante se conscientizar, primeiramente, que esses eventos são inevitáveis. Pessoas que tentam e arriscam, invariavelmente, vão errar uma vez ou outra.

O truque é aprender a ver esses momentos como oportunidades: No resto do seu caminho, esses erros são experiências importantes. Eles te apontam o caminho correto e indicam que você não está acomodado em uma zona de conforto.

Pense positivo

Olhar a vida sob uma perspectiva otimista ajuda muito no processo de motivação. Enquanto pessoas negativas costumam enxergar apenas as dificuldades e obstáculos, as positivas encontram caminhos e oportunidades.

Não se trata de nunca se sentir mal: sentimentos negativos são naturais. Trata-se de saber aprender com experiências ruins, manter-se resiliente e não deixar de enxergar falhas como oportunidades de melhorar.

Frases, músicas e filmes

Existem muitas histórias, frases e músicas capazes de inspirar e motivar. Afinal, a arte imita a vida, e existem muitas produções que ressonam com nossos objetivos, histórias de vida e emoções.

Quando você encontrar mídia que proporcione esse tipo de motivação para você, não esqueça de guardá-la em uma coleção.

Sempre que você sentir que precisa lembrar dessas emoções, reveja e releia. Essa é uma maneira de se manter motivado. Se quiser, pode encontrar frases inspiradoras nesse post e alguns vídeos motivacionais nesse outro.

Motivação no ambiente de trabalho

Na vida profissional, manter a motivação é mais do que essencial. É fato que funcionários motivados oferecem muito mais benefícios para as empresas. Portanto, esse é um perfil muito visado para contratações e, principalmente, para promoções.

A motivação é especialmente importante nos cargos de liderança. No entanto, não deixa de ser fundamental em todos os colaboradores.

Profissionais motivados, além de gerarem melhores resultados, são mais fáceis de gerenciar.

Aquele colaborador sempre fará o seu melhor, não porque tem medo de ser demitido ou espera recompensas, mas por que gosta do que faz e sente-se reconhecido pelas suas habilidades.

De forma geral, a motivação é o principal fator impulsionador da sua carreira. Ela garante que você terá energia para deixar sua zona de conforto, tentar coisas novas e se arriscar.

E você, o que faz para se manter sempre motivado na busca pelos seus objetivos? Divida conosco nos comentários e não esqueça de deixar sua pergunta caso tenha ficado com alguma dúvida!

Artigo extraído e adaptado de Sbcoaching.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Bom humor: Saiba como aumentar a serotonina naturalmente

Desânimo, mau humor, irritabilidade, insônia. São fatores que afetam a nossa rotina, as pessoas ao nosso redor e podem até desencadear doenças como a depressão. Tudo isso pode ser um sinal de que o organismo tem carência de serotonina, neurotransmissor responsável pela sensação de bem-estar e prazer. Embora seja produzida em nosso cérebro, quase a totalidade da serotonina é enviada para o resto do corpo, como sistema digestivo e plaquetas. Quando sua produção está baixa, diversas funções psicológicas e corporais podem ser afetadas e o bom humor pode desaparecer.

Como garantir o bom humor naturalmente

A melhor forma de garantir o bom humor é aumentar a produção desse neurotransmissor tão importante. Contribuir para isso é muito mais fácil e natural do que parece. Saiba como.

Faça meditação

Estudos mostram que pessoas que meditam produzem mais serotonina e, em contrapartida, o organismo inibe a produção de cortisol, que é o hormônio do estresse. Por isso, esse hábito também é um importante antidepressivo e aliado de quem sofre de ansiedade e estresse.

Consuma carboidratos

Já percebeu que pessoas com humor alterado costumam consumir mais doces? Isso acontece porque os níveis de serotonina estão baixos. Por essa razão, é importante ingerir carboidratos, que são fontes de triptofano, um aminoácido importante para o humor. No cérebro, esse componente ajuda na produção de serotonina.

Pratique exercícios

É consenso geral que a prática de atividades físicas aumenta a disposição e atua como um antidepressivo natural. Essa é uma das formas mais saudáveis para aumentar a produção de serotonina, além de proteger o nosso sistema cardiovascular, entre tantos outros benefícios.

Tenha momentos de lazer

Em um mundo que traz cada vez mais compromissos e situações estressantes, é essencial dedicar um tempo para fazer atividades que dão prazer. Separe tempo para a família, viaje, leia, passeie e faça tudo o que contribua para uma boa qualidade de vida. Tente sempre manter o pensamento positivo. Afinal, nada mais verdadeiro do que a famosa frase “mente sã, corpo são”.

Tome sol

A vitamina D é um importante nutriente para a produção de serotonina e é sintetizada no organismo com a ajuda da luz solar. Há, inclusive, pessoas que sofrem de um tipo de depressão sazonal, que as acomete nos meses mais frios. Mas tenha moderação ao se expor ao sol: faça isso sempre antes das 10h e depois das 16h.

Consuma vitamina B

As vitaminas do complexo B, especialmente a B6 e a B12, são aliadas na produção de serotonina. São nutrientes especialmente importantes para pessoas idosas e, muitas vezes, uma suplementação é indicada.

Ouça música

É outra atividade que inibe a produção de cortisol. Vale dançar ao som daquela música que traz alegria e boas energias. Se a ideia é acalmar o corpo e a mente, canções mais lentas ajudam a relaxar e agem como um calmante, inclusive para quem sofre de insônia.

Invista em magnésio

Outro nutriente importante para equilibrar a produção de serotonina e que ainda ajuda a regular a função nervosa. Alguns alimentos fontes desse mineral são folhas verdes escuras, peixes, banana e feijão.

Artigo extraído e adaptado de Jasmine.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

O segredo da Nasa que vai te deixar mais produtivo


Para pesquisador, existe uma grande diferença entre realizar tarefas rapidamente e corretamente

Listas de tarefas, timers e até recompensas. Existem vários métodos para conseguir ser mais produtivo e concluir todas as tarefas do dia. Mas será que existe um jeito imbatível para melhorar a produtividade? O pesquisador Jeffery LePine começou analisando a rotina dos astronautas no espaço para conseguir a resposta.

Em artigo no Quartz, LePine conta que, no espaço, realizar vários projetos ao mesmo tempo é essencial para se manter vivo e a produtividade afeta diretamente o resultado.

Ele analisou as emoções, o nível de estresse e o engajamento dos astronautas no momento de transição entre uma tarefa e outra. Depois, cruzou os dados, avaliando quão produtivos os astronautas eram em cada tarefa.

A pesquisa concluiu que este momento de “transição” entre tarefas influencia quão rápido você é capaz de partir para outras ações. Este ruído entre as atividades afeta diretamente a produtividade, fazendo com que a maioria das pessoas se distraia com mais facilidade. Isso é ainda pior quando a primeira tarefa é mais complexa ou importante do que a segunda ou ainda não foi finalizada.

Para resolver esta questão, o primeiro passo é ficar mais consciente da transição entre as tarefas. Ao terminar, reflita sobre o que fez e qual será sua próxima meta. A dica é prestar atenção na ordem das tarefas e, sempre que possível, ter um planejamento. Comece realizando as mais simples, para minimizar este efeito de transição para as outras atividades do dia.

Outro segredo para ser mais produtivo é saber como você fica depois de atividades recorrentes. Por exemplo, se você sempre se sente irritado depois de uma reunião de tarde, tente realizar todas as tarefas mais importantes antes deste compromisso.

Artigo extraído e adaptado de Revista PEGN.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Como convencer alguém quando os fatos falham

Já notou que, quando você apresenta fatos as pessoas que são apegadas profundamente as suas crenças, elas sempre mudam de ideia? Não? Nem eu. Na verdade, as pessoas parecem se fechar em suas crenças, mesmo com evidências esmagadoras contra elas. A razão está relacionada com sua percebida cosmovisão, que é ameaçada pelos dados conflitantes.

Criacionistas, por exemplo, rejeitam a evidência para a evolução por fósseis e DNA porque eles estão preocupados com as forças seculares que invadem a fé religiosa. .

Dois psicólogos sociais, Carol Tavris e Elliot Aronson (ex-aluno de Festinger), em seu livro de 2007 Mistakes Were Made (But Not by Me) [Erros foram cometidos (mas não por mim)] documentam milhares de experiências que demonstram como as pessoas decoram frases e “fatos” prontos para manter crenças pré-concebidas e reduzir a dissonância.

Por exemplo, foram dados falsos artigos de jornal que confirmaram equívocos generalizados, como que havia armas de destruição em massa no Iraque. Quando os sujeitos receberam um artigo corretivo de que as armas nunca foram encontradas, os liberais que se opuseram à guerra aceitavam o novo artigo e rejeitavam o antigo, enquanto os conservadores que apoiaram a guerra fizeram o oposto… e mais: Eles relataram estar ainda mais convencidos. Foram favoráveis as armas após a correção, argumentando que isso só provou que Saddam Hussein ocultou-as ou destruiu elas.

Se os fatos corretivos só pioram as coisas, o que podemos fazer para convencer as pessoas do erro de suas crenças?

1. Mantenha as emoções fora da troca.
2. Discuta, não ataque (sem ad hominem e sem ad Hitlerum).
3. Ouça atentamente e tente articular sobre a outra posição com precisão.
4. Mostre respeito.
5. Reconheça que você entende o por que alguém pode ter essa opinião.
6. Tente mostrar como a mudança de fatos não significam, necessariamente, a mudança de cosmovisões.

Essas estratégias nem sempre funcionam para mudar as mentes das pessoas, mas agora que a nação acabou de ser submetida a uma verificação política, elas podem ajudar a reduzir divisões desnecessárias.

Artigo extraído e adaptado de Universo Racionalista.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Quer ser promovido? Então fale

Expressar sua ambição pode fazer toda a diferença

Parece óbvio que todos querem uma promoção no trabalho, não é mesmo? Não. Em artigo publicado no Harvard Business Review, Sabina Nawaz, que trabalha com treinamento de CEOs, é categórica ao afirmar: quer ser promovido? Faça com que seus superiores saibam disso.

Ela conta que, em uma empresa listada na Fortune 100, haviam dois gerentes que trabalhavam duro e entregavam bons resultados. Ambos desejavam uma promoção para o cargo de vice-presidente da empresa. A diferença, contudo, foi que um deles, quando participou de um encontro com os altos executivos da empresa, dois anos antes, havia perguntado ao CEO e ao CMO da companhia: “o que devo fazer para me preparar para me tornar vice-presidente um dia?”.

“Mais tarde, o CEO, os demais executivos e eu sentamos para discutir o desempenho dos participantes. Quando falamos sobre ele, o CEO riu e disse ‘foi engraçado, ele me perguntou o que deveria fazer para se tornar vice-presidente – ele acabou de se tornar gerente e está pensando em ser vice-presidente’”, contou Sabina. Os comentários dos executivos indicavam que todos gostavam daquele gerente, ele tinha obtido bons resultados e sua equipe gostava dele – mas todos concordavam que era cedo para ele perguntar o que fazer para se tornar vice-presidente. Dois anos depois, no entanto, ele foi escolhido como vice-presidente da companhia.

Ao perguntar o que deveria fazer para ser promovido, ele indicou aos líderes – aqueles que estariam discutindo o futuro de sua carreira – quais eram seus interesses. “Os dois gerentes tinham trabalhado, provaram suas capacidades e entregaram resultados bons. A diferença entre os dois é que um deles nunca perguntou aos chefes o que ele precisaria para ser promovido”, explica Sabina.

Nem todos os trabalhadores querem necessariamente uma promoção. “Algumas pessoas estão felizes com o cargo que ocupam e fazem um bom trabalho porque não querem a pressão adicional de ter um cargo superior. Outros, ainda, podem querer um crescimento mais lento”, diz ela.

Os chefes não saberão qual é o seu caso se você não falar a eles. Ao pensar em planos de sucessão, o melhor cenário para eles é ter uma “lista de espera” de executivos que querem uma promoção. Para Sabina, um executivo “saber que você produz ótimos resultados e tem a ambição de avançar é a combinação poderosa que eles estão procurando, e isso os deixa mais inclinados a investir em você”.

“CEOs, conselhos e líderes em geral querem assegurar que têm um banco para cobrir possíveis saídas de executivos”, diz Blake Irving, CEO do grupo GoDaddy. “Mesmo que eu acredite que os executivos devam estar focados em fazer um ótimo trabalho no cargo que ocupam, acho que eles também devem fazer com que os líderes da empresa saibam que eles estão dispostos a assumir mais responsabilidades. Não acredito em autopromoção, mas acho que você deveria fazer seu chefe saber que você está pronto para algo maior”, afirma.

O que te impede de pedir uma promoção?, analisa Sabina. “Talvez você ache que os outros vão pensar que você é muito ambicioso, agressivo. Mas a verdade é que se corre esse risco quando você trabalha muito para se vender aos líderes da empresa e diz porque acha que deveria ser promovido. Mas simplesmente perguntar e reiterar seu interesse de forma consistente mostra o seu foco na empresa”, diz ela.

Então, o que fazer para começar a tornar conhecida a sua ambição de uma promoção? Em primeiro lugar, diz Sabina, quando você pedir feedbacks, pergunte se você está adequado para o cargo cobiçado. Comunique seu plano claramente, para que seu gestor saiba sua estratégia. Depois, explique a experiência que você está tentando construir para que aqueles que tomam as decisões considerem você para uma gama mais ampla de posições.

“Os executivos das empresas querem pessoas que queiram liderar. Subir na carreira não é apenas um privilégio, é também uma responsabilidade. Indique que você está disposto a arcar com todos os desafios que vêm com a promoção”, diz Sabina.

Artigo extraído e adaptado de Época Negócios.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

10 coisas que te impede de ser feliz

A vida seria muito mais fácil se existisse uma fórmula mágica para alcançar a felicidade, mas infelizmente não existe. Só que uma coisa é certa: ela está disponível para todos.

Com bastante frequência os desafios aparecem pelo caminho e se não soubermos lidar com eles, sentiremos dor e sofrimento desnecessários.
É certo que para cada pessoa a felicidade tem um tipo de significado, e isso está relacionado aos valores e experiências de vida de cada um, mas independentemente do que traz felicidade para você existem algumas coisas que te impedem de ser feliz, saiba quais são a seguir:

1 – Alimentar crenças limitantes
Crença limitante é tudo aquilo que te impede de viver uma vida melhor e mais feliz. Muitos de nós se alimentam de frases e pensamentos que são como ordens nos dizendo o que é possível e o que é impossível, o que podemos fazer e o que não podemos fazer. Pare de alimentar suas crenças limitantes. Jamais deixe para amanhã o que você pode fazer, sentir e viver hoje.

2 – Ficar preso ao passado
É muito comum que nos sintamos culpados por experiências negativas do passado. Mas precisamos olhar para todas as nossas experiências como processos de aprendizagem para nos conhecermos melhor. Viver inteiramente o momento presente é a atitude mais libertadora que existe.

3 – Sofrer por antecipação pelo futuro
Fique atento aos excessos de preocupação. Na vida é preciso ter os dois pés no chão. Pensar e sonhar demais com o futuro pode bloquear o desenvolvimento de um projeto que já esteja claro em nossa mente. Evite pensamentos desnecessários.

4 – Manter coisas ou pessoas negativas por perto
“Diga-me com quem tu andas que te direi quem és”, falava minha mãe. Acredito que esta frase tenha mais a ver com quem você vai se tornar, pois somos diretamente influenciados pelo meio onde vivemos. Jim Rohn já dizia: “Você é a média das cinco pessoas com as quais passa mais tempo.” As cinco pessoas com quem você mais anda irão determinar a forma como você pensa, a forma como você age e a forma como você se prepara para suas metas de vida.

5 – Querer sempre impressionar os outros
Eu preciso lhe dizer que às vezes você vai estragar tudo, independentemente do que você faça. Você precisa afirmar o seu valor, porém sem exigir reconhecimento. Aceite-se a si mesmo, assim como é, incondicionalmente.

6 – Estar sempre certo
O que é mais importante para você? Ser feliz ou estar sempre certo? Hoje eu quero lhe afirmar algo: em algum momento da sua vida você vai errar. Então, não importam quais sejam suas decisões, esteja determinado a ser mais flexível e desista de querer sempre ter razão.

7 – Resistir a mudanças
O que mudou tudo no mundo nos últimos anos? As pessoas. Pessoas como você e eu que decidiram MUDAR. Pessoas que tomaram novas decisões. Agora é o momento ideal para fazer alguma outra coisa ou uma coisa nova.

8 – Não assumir a auto-responsabilidade e culpar os outros
Assuma 100% de responsabilidade pela sua vida e entenda que só VOCÊ pode decidir qual o melhor caminho a seguir. Quando assumimos a nossa responsabilidade, podemos exercer nosso poder de escolha livremente, sem culparmos às pessoas pelas nossas decisões, pois percebemos que uma atitude responsável é extremamente necessária para mudarmos o mundo, começando a mudar nós mesmos.

9 – Necessidade de aprovação das pessoas
Quando nos libertamos da necessidade de obter aprovação das pessoas, passamos a aceitar e olhar com determinação para os pontos da nossa personalidade. Você não é responsável por expectativa alheia nenhuma.

10 – Esquecer-se de ser grato e ficar apenas reclamando
Agradeça, agradeça, agradeça. Infelizmente nossa percepção é limitada, mas se elevarmos a nossa atenção para o “quadro completo da vida” ficaremos imediatamente conscientes do quanto temos a agradecer. Lembre-se de, pelo menos uma vez por dia, agradecer a todas as dádivas que você recebe.

Artigo extraído e adaptado de Administradores.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

4 maneiras de adquirir conhecimento durante o sono

Heródoto era geógrafo, historiador e quase uma espécie de jornalista de guerra da Grécia Antiga. É dele o relato das Guerras Médicas que deu origem à representação da Batalha das Termópilas do filme 300, que opôs gregos e persas. Em certo ponto de sua principal obra — intitulada apenas História, e muito mais longa e completa que o filme — ele conta as sonecas premonitórias do rei Xerxes (Rodrigo Santoro, alguém?), que recebia recadinhos e instruções dos deuses em forma de sonhos e visões. Entre as sugestões do firmamento, invadir a Grécia e dominar o mundo não eram raros.

Tudo isso para dizer que, bem, não é esse nível de sabedoria que você pode adquirir dormindo no alvorecer do século 21 — ninguém terá prenúncios de glória militar tão cedo. Mas há uma pequena lista de coisas com que o sono pode te ajudar, e o site IFLScience listou algumas delas. Confira:

1 – Você pode aprender palavras estrangeira

Em alemão, caixa de fósforos é “Streichholzschachtel”. Se a caixa for pequena, vira “Streichholzschächtelchen”. Pois é, ainda bem que pesquisadores da Suíça, ambos piedosos falantes fluentes de alemão que querem facilitar sua vida, afirmam em artigo publicado no periódico científico Cerebral Córtex, de Oxford, que ouvir várias vezes uma palavra estrangeira aprendida em estado de vigília durante o sono faz seu cérebro memorizá-la sem você perceber nem acordar.

Os testes, claro, envolveram tocar palavras aprendidas bem baixinho com um gravador conforme um grupo de voluntários recém-iniciado a uma língua estrangeira tirava um cochilo.

Para garantir que ninguém tivesse simplesmente ficado acordado e ouvido as palavras durante o suposto “sono”, eles montaram um grupo de controle que ouviu as palavras acordado. O resultado? Os despertos foram muito pior que os dorminhocos nas provas.

2 – Você pode aprender a tocar uma música

O mais legal é que a técnica de repetição acima não dá certo só com palavras, que carregam significado, mas também com melodias. Em um experimento que está registrado no periódico científico Nature Neuroscience, voluntários aprenderam melodias básicas de violão no estilo Guitar Hero — só colocando os dedos no lugar certo, sem teoria musical. Os que foram dormir depois e ouviram a melodia se repetindo durante o sono acordaram tocando bem melhor que os que não ouviram nada.

3 – Você pode se lembrar de onde deixou alguma coisa

Esqueça São Longuinho — pulinhos não são nada perto de um ronco. Nesta pesquisa, publicada no The Journal of Neuroscience, voluntários eram instruídos a posicionar um objeto virtual qualquer em algum ponto aleatório de uma tela de computador. Quando o local era escolhido, tocava um som correspondente.

Depois, todos iam cair duas vezes nos braços de Morfeu. Em uma, o som correspondente ao lugar foi tocado durante o sono. Na outra, não. A conclusão, você já sabe, é que quem ouviu o som dormindo se lembrou com mais facilidade do local em que havia deixado o objeto.

4 – Você pode proteger memórias especiais

Em um experimento parecido, publicado aqui, cientistas descobriram que a associação entre sons e objetos descoberta acima pode ser usada para dar um olé no sistema de seleção de memórias do seu cérebro e fazer ele guardar com mais cuidado coisas que você considera importantes e quer que sejam lembradas em detalhe.

Em um tela similar à do experimento acima, pessoas posicionavam objetos identificados, como um sino ou um gato, em um determinado local. Quando colocados, eles emitiam seus próprios sons — o gato miava e o sino tocava. Pessoas expostas a esses sons durante a noite, como você já deve imaginar, se lembraram com mais facilidade deles.

Em outras palavras, não custa nada ouvir a música que marcou seu primeiro encontro durante a noite. Pode te ajudar a nunca esquecer aquele dia.

Artigo extraído e adaptado de Revista Galieu.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Antídoto contra o pessimismo

Quando a chave da abundância ligou na minha cabeça

Eu tinha colocado uma meta para mim: “não emitir uma reclamação sequer por uma semana.”

Duvidei muito se conseguiria, mas como sou determinada, segui em frente…

Isso incluía não reclamar do tempo frio (já que estava fazendo 10 graus negativos na cidade onde moro, na Polônia), do pão que acabara de queimar no forno, da internet que tinha caído, do cliente que tinha cancelado em cima da hora, da fila no supermercado…

Foi um esforço tremendo, mas comecei a perceber que essa atitude tão simples estava me abrindo um novo pensamento:

A positividade gera criatividade.

A criatividade cria oportunidades.

As oportunidades aumentam a motivação e a força de vontade.

Consequentemente, a motivação e a força de vontade trazem melhores resultados e mais abundância.

Se você pensar bem, todos nós desejamos a abundância na vida: queremos mais tempo, muitos amigos, inúmeras oportunidades, mais informações; desejamos muita saúde, bastante grana e recursos infinitos.

Mas a todo momento, nos conectamos a pensamentos de escassez.

E fazemos isso quando:

  • reclamamos;
  • criticamos;
  • não acreditamos no nosso potencial;
  • encontramos defeitos em nós e nos outros;
  • duvidamos da nossa capacidade;
  • enxergamos somente os erros;
  • nos colocamos como vítima;
  • damos crédito à crise;

… e também quando nunca estamos satisfeitos com nada, há sempre alguma coisa faltando.

Isso acarreta:

  • frustração;
  • medo;
  • ansiedade;
  • desmotivação;
  • isolamento;
  • baixa autoestima… e tantas outras consequências negativas.

Se desejamos tanto a abundância e a fartura, é imprescindível mudarmos o discurso.

Por saber que essa é uma tarefa árdua, pois envolve mudança de Mindset, gravei este vídeo para te ajudar nesse jogo:

Pode ser difícil no começo e, claro, vai exigir mais disciplina de você. Mas depois, isso se tornará um hábito e você verá ganhos incríveis, além de se tornar uma companhia mais agradável.

Você possuirá um magnetismo tão incrível, que todos vão querer estar mais perto de você.

Espero que aprecie o vídeo e que possa compartilhar com todos os quais “a ficha da abundância ainda não tenha caído”.

E.T.: Me esqueci de dizer que a minha meta naquela semana não foi cumprida totalmente, porque me peguei reclamando por ter esperado 5 horas para ser atendida no escritório de imigração… :/

Mas posso dizer que cada dia mais estou me superando e que hoje naturalmente procuro ver o lado bom de tudo, mesmo quando me sinto magoada. Um treino diário, mas hoje com muito mais leveza do que naquela semana.

Wayne Valim

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Esta música reduz a sensação de ansiedade em até 65%

Todo mundo precisa encontrar uma maneira de se acalmar e combater o estresse. Quando as coisas ficam difíceis no trabalho, nos estudos ou na vida pessoal, esses truques ajudam o empreendedor a acalmar os nervos e tomar melhores decisões – ou, às vezes, evitar tomá-las.

Por séculos, a terapia musical é uma maneira usada para relaxar e restaurar a saúde. Muitas tribos indígenas utilizavam músicas até para curar doenças.

Agora, pesquisadores do Reino Unido embasaram cientificamente a tese centenária. Eles conduziram um estudo nos quais os participantes tinham de resolver um quebra-cabeça difícil o mais rápido o possível, enquanto ouviam diferentes tipos de música. Eles estavam conectados a sensores capazes de medir a atividade do cérebro, pressão do sangue e respiração. A ideia era ver quais sons traziam uma sensação de relaxamento, mesmo diante de uma tarefa estressante.

A música que produziu o melhor efeito de tranquilidade nos participantes se chama Weightless (ou “sem peso” na tradução livre do inglês). Quando expostos a essa trilha sonora, eles apresentarem nível de ansiedade 65% menor do que o registrado anteriormente.

Ouça a seguir:

Artigo extraído e adaptado de Revista Pequenas Empresas Grandes Negócios.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais: