Arquivo: Dicas

5 dicas de saúde e bem-estar para toda sua família!

A correria do dia a dia tem trazido muitas questões sobre como garantir uma boa qualidade de vida. Meu trabalho como nutricionista é cuidar da saúde das pessoas. Mas se já é difícil com os pacientes, imagina com minha própria família?

Em casa, cada um possui os seus hábitos, as suas tarefas e, claro, as suas preferências — que costumam não se parecer em nada!

Independentemente dessas diferenças, existem algumas técnicas fáceis que eu adoto para agradar a família inteira e, consequentemente, ajudá-los a manter uma vida saudável.

Listei 5 dicas de saúde para te auxiliar a garantir o bem-estar de todos. Confira:

1. Faça refeições em família:

Compartilhar as refeições é muito importante. Esse momento favorece a união e a construção da intimidade familiar. Além disso, sinto que assim posso estimular meus filhos a comerem melhor.

Mas, para incentivar os filhos a optarem por uma alimentação saudável, é necessário que os pais mantenham o exemplo.

Aqui em casa, por exemplo, percebi que conservar o hábito de comer junto deixa meus filhos à vontade para conversar e, ao mesmo tempo, possibilita que eu dê a minha opinião — como mãe e como nutricionista —, criando uma relação de confiança e de cumplicidade.

Tudo isso promove um bem-estar maior na vida da família, com um convívio agradável e natural.

2. Pratique esportes em conjunto:

A prática de exercícios físicos é fundamental para prevenir o surgimento de doenças, manter a saúde e a boa forma, além de auxiliar no equilíbrio entre o corpo e a mente.

Quando me sinto um pouco desanimada a praticar algum esporte sozinha, gosto de convidar toda minha família para fazermos alguma atividade física juntos.

Caminhadas, passeios de bicicleta e jogos de futebol ou de vôlei são ótimas atividades para serem realizadas em grupo. Você pode levar os seus familiares para a praia, para o clube ou para uma praça e aliar a necessidade de praticar exercícios com a diversão e o tempo de qualidade junto à família.

3. Aumente o consumo de água:

A água é indispensável para assegurar o funcionamento adequado do organismo. Quando percebo que estou com sede, significa que o meu corpo já está desidratado! Por isso, nunca espero sentir vontade para tomar água, e sempre carrego uma garrafinha cheia.

Isso também estimula meus filhos a criarem esse hábito. Afinal, os pais são os exemplos no qual eles se espelham.

Sempre falo para todo mundo levar sua própria garrafinha! Essa é uma ótima alternativa para ajudá-los a consumirem mais água no decorrer do dia.

4. Tome cuidado com a higiene:

Sei que cuidar da higiene da casa é essencial para prevenir infecções e contaminações por vírus ou bactérias.

Por isso, busco sempre manter a residência limpa e arejada, possibilitando a entrada dos raios solares.

É importante, inclusive, combater mofos e ácaros, principalmente para quem tem muitos alérgicos em casa, como é meu caso! Para evitar as crises de espirro das crianças, trocamos regularmente as toalhas, os tapetes e a roupa de cama.

E nunca nos esquecemos de tirar o lixo do banheiro e da cozinha. Por serem tarefas simples, mas muito importantes, eu costumo pedir para que meus filhos as cumpram. Assim, além de evitar possíveis doenças, eles aprendem o valor e a importância de morar em um local limpo e organizado.

5. Tenha boas noites de sono:

Dormir bem é um dos hábitos para garantir a longevidade. Esse período de repouso é fundamental para o cérebro conferir as informações adquiridas durante o dia, armazenar a memória e recuperar o organismo.

Noites mal dormidas causam irritação, fraqueza muscular e problemas de concentração, afetando a saúde e a relação familiar.

Para garantir que todos em minha casa tenham uma boa noite de sono, sempre fazemos uma refeição leve no jantar e juntos estabelecemos um horário máximo para ir para a cama.

A princípio podem parecer medidas complicadas. Sei bem como foi difícil adequá-las à rotina da minha família, principalmente lidando com os pequenos, que gostam de prolongar a hora da televisão, continuar as brincadeiras e — ainda — não compreendem o valor de uma alimentação saudável.

Mas sabendo o quão importante é cuidar e manter a disciplina da minha família, é preciso ser firme!

Com horários e regras bem estabelecidos, descobri que não é impossível integrar a família e adotar ações para garantir a saúde e o bem-estar de todos.

Artigo extraído e adaptado de Mid Refresco.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Bom humor: Saiba como aumentar a serotonina naturalmente

Desânimo, mau humor, irritabilidade, insônia. São fatores que afetam a nossa rotina, as pessoas ao nosso redor e podem até desencadear doenças como a depressão. Tudo isso pode ser um sinal de que o organismo tem carência de serotonina, neurotransmissor responsável pela sensação de bem-estar e prazer. Embora seja produzida em nosso cérebro, quase a totalidade da serotonina é enviada para o resto do corpo, como sistema digestivo e plaquetas. Quando sua produção está baixa, diversas funções psicológicas e corporais podem ser afetadas e o bom humor pode desaparecer.

Como garantir o bom humor naturalmente

A melhor forma de garantir o bom humor é aumentar a produção desse neurotransmissor tão importante. Contribuir para isso é muito mais fácil e natural do que parece. Saiba como.

Faça meditação

Estudos mostram que pessoas que meditam produzem mais serotonina e, em contrapartida, o organismo inibe a produção de cortisol, que é o hormônio do estresse. Por isso, esse hábito também é um importante antidepressivo e aliado de quem sofre de ansiedade e estresse.

Consuma carboidratos

Já percebeu que pessoas com humor alterado costumam consumir mais doces? Isso acontece porque os níveis de serotonina estão baixos. Por essa razão, é importante ingerir carboidratos, que são fontes de triptofano, um aminoácido importante para o humor. No cérebro, esse componente ajuda na produção de serotonina.

Pratique exercícios

É consenso geral que a prática de atividades físicas aumenta a disposição e atua como um antidepressivo natural. Essa é uma das formas mais saudáveis para aumentar a produção de serotonina, além de proteger o nosso sistema cardiovascular, entre tantos outros benefícios.

Tenha momentos de lazer

Em um mundo que traz cada vez mais compromissos e situações estressantes, é essencial dedicar um tempo para fazer atividades que dão prazer. Separe tempo para a família, viaje, leia, passeie e faça tudo o que contribua para uma boa qualidade de vida. Tente sempre manter o pensamento positivo. Afinal, nada mais verdadeiro do que a famosa frase “mente sã, corpo são”.

Tome sol

A vitamina D é um importante nutriente para a produção de serotonina e é sintetizada no organismo com a ajuda da luz solar. Há, inclusive, pessoas que sofrem de um tipo de depressão sazonal, que as acomete nos meses mais frios. Mas tenha moderação ao se expor ao sol: faça isso sempre antes das 10h e depois das 16h.

Consuma vitamina B

As vitaminas do complexo B, especialmente a B6 e a B12, são aliadas na produção de serotonina. São nutrientes especialmente importantes para pessoas idosas e, muitas vezes, uma suplementação é indicada.

Ouça música

É outra atividade que inibe a produção de cortisol. Vale dançar ao som daquela música que traz alegria e boas energias. Se a ideia é acalmar o corpo e a mente, canções mais lentas ajudam a relaxar e agem como um calmante, inclusive para quem sofre de insônia.

Invista em magnésio

Outro nutriente importante para equilibrar a produção de serotonina e que ainda ajuda a regular a função nervosa. Alguns alimentos fontes desse mineral são folhas verdes escuras, peixes, banana e feijão.

Artigo extraído e adaptado de Jasmine.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

conversa criança

Como falar com crianças sobre política e ideologias da família

Se são os brasileiros com mais de 18 anos que têm a obrigação de se dirigir às urnas em outubro, as estimadas 38,8 milhões de crianças com até 13 anos que aqui vivem também compartilham o cotidiano de um país em período eleitoral.

Para alguns, é preciso haver um controle de como as ideologias políticas chegam às crianças – movimentos como o Escola sem Partido, por exemplo, tentam restringir a expressão de posições particulares de professores e garantir “o direito dos pais de que seus filhos recebam a educação moral que esteja de acordo com suas próprias convicções”. Ao mesmo tempo, a participação dos pequenos na vida política é garantida pelo Estatuto da Criança e do Adolescente.

Afinal, em tempos de eleição e amplo acesso à informação – segundo uma pesquisa de 2016 do Cetic.br (Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação), 55% das crianças de 9 a 10 anos usam a internet mais de uma vez por dia -, como famílias devem mediar o contato das crianças com o assunto? Especialistas em desenvolvimento infantil fazem algumas sugestões:

1. Deixe a demanda vir da criança
A imagem de adultos convocando as crianças para sentar e escutar o que é política não passa na cabeça de especialistas consultadas.

“Falar muito cedo de temas como democracia e corrupção pode ser prematuro e absolutamente desinteressante. Até os 11, 12 anos, a criança está muito interessada no que está no seu entorno, no grupo de amigos, na escola e na família. A criança tem um foco determinado: se um adulto trouxer o assunto ela pode até ouvir, mas logo vai se desinteressar”, diz Magdalena Ramos, terapeuta de família.

A neuropsicóloga Deborah Moss, porém, lembra, como mãe de três filhos e profissional, que a curiosidade dos pequenos é naturalmente despertada por seu entorno – como uma vizinhança batendo panela, forma de manifestação que marcou o período do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Por isso, a sugestão é ir respondendo a este interesse à medida que a criança o manifesta.

“As crianças acabam absorvendo aquilo que têm capacidade diante do que escutam das conversas dos pais, dos professores… A construção do pensamento abstrato começa a ser desenvolvido ali pelos 2 anos, com os primeiros contatos com o ‘faz de conta’, por exemplo. Mas a política já é muito abstrata, para uma criança mais ainda. Somente com a adolescência vem a possibilidade de fazer estas conexões mais complexas e dissociar-se do pensamento dos pais, que passam a ser vistos menos como heróis e mais como pessoas de carne e osso”, diz Moss.

2. Traga questões complexas para o mundo dela
Quando a curiosidade soar, questões conturbadas e abstratas podem se tornar mais compreensíveis aos pequenos com analogias que remetam ao mundo delas.

No período do impeachment, por exemplo, Moss se valia de comparações do país e do governo com o prédio e o papel do síndico.

O selo infantil Boitatá, da editora Boitempo, vem desde 2015 investido em títulos que apresentam a temática às crianças, como “A democracia pode ser assim” e “A ditadura é assim”. Repletos de cores, ilustrações e exercícios, eles fazem analogias destes regimes com um recreio ou um ditado, por exemplo.

“As crianças são naturalmente interessadas em saber como as coisas funcionam e prestam muito mais atenção no mundo que as cerca do que a gente imagina. Elas ficam fascinadas com insetos, dinossauros, planetas, querem entender como funcionam os órgãos do corpo humano, as profissões dos adultos, por que não iriam querer entender a sociedade em que estão inseridas?”, diz Thaisa Burani, editora-assistente do selo.

Diretora pedagógica em uma escola em Goiás, Fabíola Sperandio chama a atenção também para uma mudança de hábitos que acaba afastando uma troca fundamental, não só no que diz respeito à introdução à política: a conversa.

“Está faltando bate-papo familiar, está faltando a família estar junto diante, por exemplo, de um noticiário que possa promover a discussão”, aponta a pedagoga. “Por um lado, hoje se discute tudo na frente da criança, e eu clamo que nem tudo deve ser falado. Mas aí, quando a criança quer interagir, diz-se que não ‘se trata de assunto de criança’ e ela fica diante do assunto mal explicado”.

Sperandio diz que, caso as famílias desejem inserir os filhos em ações políticas mais diretas, como manifestações, a conversa também deve marcar presença.

“Somos responsáveis pelas crianças, não só por sua segurança física mas também emocional, de formação humana. No momento em que se opta por inserir a criança em protestos, por exemplo, você tem que prepará-la para isso e lidar com os momentos posteriores. É preciso uma disposição para o diálogo, para a escuta, perguntar o que ela entendeu do que viu, esclarecer dúvidas…”, sugere a pedagoga.

3. Apresente uma abertura à diferença
Acompanhada do diálogo, Deborah Moss diz não ver problemas de uma apresentação do posicionamento da família, caso esta seja uma demanda dos adultos. Mas, diz a neuropsicóloga, isto deve vir com uma linguagem acessível e a valorização da tolerância.

“É preciso ter cuidado para não se apresentar a opinião como uma verdade, como se qualquer coisa que ‘não fale a língua da gente’ esteja errado. Respeitar as diferenças é parte da educação”, diz Moss.

Sperandio lembra que a exposição à diferença tem, inclusive, uma função pedagógica. É algo que faz parte, por exemplo, do processo de alfabetização.

“Quando você escreve, você pensa, lê, reflete… Você está em processo de construção. Então, esse processo não pode ser tolhido. É como a criança que está começando a escrever: temos uma caderno de escrita, por exemplo, que não tem intervenção da professora. É o momento de errar, arriscar e ensaiar”, diz a pedagoga.

4. Dê o exemplo
Magdalena Ramos defende que, mais do que falar diretamente da política com crianças, é importante que os adultos criem condições para se apresentarem como exemplo de uma conduta ética.

“Vejo muitas famílias falando uma coisa e fazendo exatamente o contrário: falam que é preciso respeitar o outro, mas o tempo inteiro o pai é um transgressor. As crianças são muito críticas e observadoras, percebem a diferença no discurso e na ação”, diz a terapeuta. “Os pais são muito incoerentes, mas os filhos precisam de uma coerência, de harmonia, rotinas… Este tipo de ambiente é importante para criar valores para os filhos, valores esses que, depois sim, permearão a atividade política”.

Sperandio faz um diagnóstico parecido a partir de seu dia-a-dia na escola e no consultório.

“Percebo as crianças muito interessadas em um mundo melhor, porque se fala muito nisso. Mas a gente faz esse discurso e depois se contradiz com as atitudes. A criança fica confusa: elas precisam ter um porto seguro mas, hoje, não sabem onde estão pisando”.

Artigo extraído e adaptado de BBC Brasil.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Paciencia

Dicas para ser mais paciente

A paciência é uma habilidade baseada no autocontrole emocional, ou seja, quando podemos suportar as situações desagradáveis e difíceis sem perder a calma e a concentração.

Veja algumas dicas que ajudarão você a ser mais paciente no seu dia a dia:

1. Respire fundo e conte até 10

Às vezes, você pode perder a paciência com alguém porque essa pessoa disse algo que você não gostou, por exemplo, enviando uma mensagem de texto ou email que deixou você em fúria.

Geralmente é melhor deixar para responder um email desses no dia seguinte quando já estiver mais calmo e pensando com a razão em da emoção.

2. Relaxe

Se você puder se afastar da situação que causou sua perda de paciência, faça! Aproveite para fazer relaxamento físico, um alongamento, saia para caminhar e dar uma arejada na cabeça. Envolva-se com uma outra atividade para passar o tempo.

Isso regulariza os hormônios responsáveis pelo humor e dão mais clareza ao pensamento.

3. Aguarde a hora certa para decidir

Uma sugestão importante é você aguardar a cabeça esfriar até tomar uma decisão. Evite tomar decisão de cabeça quente.

Geralmente essas decisões são baseadas na emoção e não na razão. Tendo paciência, você decidirá com a cabeça fria e poderá obter os melhores resultados.

4. Perceba o que faz você perder a paciência

É quando o seu chefe diz para você fazer aquela tarefa que você odeia? É quando o seu filho grita para pedir alguma coisa?

Sabendo o que faz você perder a paciência ajuda você a se preparar e pensar como irá agir da próxima vez que isso acontecer.

Procure se lembrar de outras vezes que você precisou de paciência e os resultados positivos de ter aguardado a sua hora.

5. Pense de forma ampla

Esse é um problema realmente grande? Será que vou me importar com isso daqui uma semana, daqui um mês, daqui um ano?

Muito provavelmente você perceberá que o motivo da sua impaciência não é tão importante assim.

Se for algo importante, como uma solicitação do seu chefe, pense que agora você precisa fazer isso, mas a recompensa vem de outra forma.

6. Visualize

Agora que você já sabe de antemão o que te deixa irritado, visualize essa situação acontecendo da próxima vez. Aí pense o que você fará para agir com calma.

Vamos supor que você se irrita quando é a sua vez de lavar a louça. Pense se realmente faz sentido se irritar. O que você vai dizer na hora? Como você vai agir?

Talvez pensando antecipadamente você veja que realmente o que está tirando a sua paciência na verdade têm o seu motivo de ser. Por exemplo, você pode perceber que realmente você deve contribuir lavando a louça e isso não deve mais ser um motivo para perder a paciência.

7. Deixe quieto

Têm certas coisas que não mudam. Simplesmente são o que são. Não importa o quanto você grite ou se descabele. Então às vezes o melhor comportamento é simplesmente deixar quieto.

Em outras palavras, esquecer do assunto porque o que como diz o ditado, problema que não tem solução, solucionado está.

8. Ter paciência recompensa

Saiba que certas coisas demoram para vir mas se você for paciente o suficiente você terá a recompensa.  Você investe agora com paciência e, em troca, têm maiores chances de receber aquilo que você se propôs a esperar.

Como disse Einstein, “Não é que eu seja tão inteligente, apenas me dedico aos problemas por mais tempo.”. Em outras palavras, com paciência se pode chegar a grandes resultados.

Artigo extraído e adaptado de Evolução Pessoal.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

cinema

Filmes, séries e TEDs com ótimas lições de carreira

Você já parou para pensar que a todo momento estamos absorvendo informações e aprendizados que podem ser muito significativos para a carreira, inclusive, nas horas de lazer e descontração? Se nunca havia parado para pensar nisso, então, alerto que vale a pena ficar atento. Que saber como?

Quantas vezes você não foi ao cinema e saiu de lá com a sensação de que o filme visto havia mexido com você? Esse é o grande sinal: podemos tirar aprendizado de tudo. Sabe aquele dia preguiçoso – e despretensioso – debaixo das cobertas, no frio? Então, invista nele para ver com um outro olhar algo que pode já ter passado por você, mas que não deu tanta atenção. Para te ajudar nessa tarefa, selecionei alguns filmes que talvez você já tenha ouvido falar ou até mesmo assistido, mas que vale uma segunda olhada com foco no que ele pode agregar ao desenvolvimento da sua carreira. Vamos lá?

Erin Brockovich: esse filme vale a pena ser revisto porque aborda questões como determinação, desenvolvimento de competências, persistência, ética, persuasão, iniciativa, empatia e sentimento de dono.

À procura da Felicidade: filme emocionante sobre persistência, planejamento de carreira, coragem e motivação. Uma verdadeira lição de vida.

O Senhor Estagiário: esse é um filme que fala sobre ser mentor, líder e como orientar pessoas. Mostra como vale a pena colocar em prática pequenas atitudes como ser atento, observador, manter a calma e ser autêntico.

Fome de Poder: a trama aborda diversas questões que se completam, como inovação, coragem, persistência e desenvolvimento de equipes. Com certeza agrega muitos aprendizados.

O diabo veste Prada: antes de ficar com raiva – ou até mesmo dó – de Miranda Priestly, foque seu olhar no que a chefe durona proporcionou para Andy Sachs. Questões como resiliência, persistência e a importância do networking estão presentes em toda a trama.

É interessante dizer que não é só o cinema que pode agregar conhecimento de carreira para você. Por exemplo, vale muito a pena acompanhar estas duas séries:

O Sócio (The Profit): aqui um grande empresário mostra como salvar empresas de pequeno e médio porte, geralmente com grande potencial, mas que se encontram com problemas.

Shark Tank (Negociando com Tubarões): mostra empreendedores que vão ao programa apresentar as suas ideias de negócio a potenciais investidores (tubarões) com o objetivo de conquistar financiamento para seus projetos.

Para encerrar, eu não poderia deixar de falar dos TEDs, que são fontes valiosas de conhecimento e inspiração. Inclusive, confesso que é difícil escolher poucos, pois há uma infinidade deles que são muitos bons, hoje, no entanto, vou destacar dois: “Como ser um líder inspirador”, por Simon Sinek e “Mulheres e carreira”, por Sheryl Sandberg.

Extraído e adaptado de Exame – Carreira

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Conteúdo relacionado:

Como fazer a diferença hoje e promover um futuro melhor para as próximas gerações

 

 

 

 

 

5 formas de ensinar seu cérebro a ser mais feliz

RENEW_01-09_6.0.indd

 

 

 

 

 

manhã

6 rituais matinais para manter-se produtivo o dia todo

Seja por ser dono do próprio negócio ou por concentrar o foco no desenvolvimento da carreira, é fácil trabalhar dia e noite e acabar encontrando-se em um estado de constante exaustão. Nesta situação, torna-se difícil levantar da cama de manhã, e apertar o modo “soneca” repetidamente antes de sair correndo pela porta para começar um dia de 12 horas parece quase inevitável. No entanto, alguns ajustes na rotina permitem sair da cama pontualmente e ainda sentir-se energizado e produtivo.

O poder de começar cedo não é novidade: Tim Ferriss, Oprah e Tim Cook, por exemplo, iniciam seus dias antes do amanhecer. Alguns rituais matinais permitem aproveitar ao máximo essas importantes horas antes de começar, efetivamente, a trabalhar.

Descubra 6 dicas para manter-se produtivo o dia todo:

Tenha uma boa noite de sono
O verdadeiro segredo para uma manhã produtiva, no entanto, é a noite anterior. Uma ideia para dormir com a mente tranquila é, antes de ir para a cama, listar 10 coisas pelas quais se é grato. Especialmente quando tiver tido um dia ruim ou alguma coisa der errado, é um lembrete poderoso do progresso que foi feito com a família, a saúde e os negócios. Terminar o dia com lembranças positivas significa que, quando o despertador tocar, você estará pronto para começar uma nova etapa com o pé direito.

Anote uma intenção diária
Estabeleça sua intenção para o dia. Anotar os seus objetivos faz com que seja significativamente mais provável que você os alcance, e o que é registrado é cumprido. Sem isso, pode ser difícil manter o foco. Use uma agenda ou o bloco de notas do celular e registre um objetivo (só um!) para alcançar nas próximas 24 horas. Essas intenções devem ser sempre simples e realistas.

Dedique uma hora a você
Esta é, sem dúvida, a parte mais importante do ritual matinal. Encontre uma hora antes do trabalho para dedicar a você. Utilize-a para aperfeiçoar um idioma, fazer um pouco de exercício físico ou ler. A única coisa que você nunca pode fazer durante esse tempo é checar seu email. Abrir a caixa de entrada tão cedo permite que outras pessoas ditem as suas prioridades, tornando-o reativo em vez de proativo.

Descubra como alimentar-se adequadamente
Muita coisa pode acontecer entre 9h e 17h para estragar uma dieta saudável. Porém, escolher conscientemente a primeira refeição do dia (quando a força de vontade está em seu pico) torna mais fácil manter bons hábitos. Uma rotina saudável proporciona uma mente saudável e focada, e você não pode ser um líder confiante e enérgico se você não estiver abastecendo seu corpo da maneira certa.

Use o tempo de seu percurso eficientemente
Até mesmo um percurso de 20 minutos pode ser utilizado para trabalhar. Com a tecnologia de bluetooth dos carros, é possível programar entrevistas e conferências telefônicas para quando estiver dirigindo e disponível, e então ser produtivo em sua rota. Checar algumas coisas enquanto está em trânsito significa economizar um pouco do tempo no escritório. Também resulta em mais pensamento criativo, porque se está em movimento e em uma situação diferente.

Tenha uma boa noite de sono
O verdadeiro segredo para uma manhã produtiva, no entanto, é a noite anterior. Uma ideia para dormir com a mente tranquila é, antes de ir para a cama, listar 10 coisas pelas quais se é grato. Especialmente quando tiver tido um dia ruim ou alguma coisa der errado, é um lembrete poderoso do progresso que foi feito com a família, a saúde e os negócios. Terminar o dia com lembranças positivas significa que, quando o despertador tocar, você estará pronto para começar uma nova etapa com o pé direito.

 

Extraído e adaptado de Forbes Brasil.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Conteúdo relacionado:

 Quer morar na Europa? Estes são os 10 países que oferecem vistos de forma mais simples e barata

 

 

 

 

5 sinais de que você foi feito para empreender pelo mundo

14 hábitos para evitar no dia a dia

Nossos hábitos podem fazer uma grande diferença na vida pessoal e profissional. Frances Bridges, colunista da Forbes, publicou em seu espaço uma lista de 14 hábitos comuns que as pessoas devem evitar para melhorar o desempenho profissional. Segundo Frances, que costuma dar dicas sobre carreira, especialmente para jovens mulheres, esses maus hábitos podem ser convenientes no curto prazo, porém bastante prejudiciais quando analisado em uma perspectiva de tempo maior. “Hábitos são a fundação de quem somos como pessoas e como profissionais. Somos o produto de nossos hábitos diários, e escolhemos todos os dias se queremos melhorar, manter a excelência ou contribuir para nosso próprio descontentamento”, escreve.

Confira o que Frances sugere evitar para se atingir melhores resultados na carreira e, consequentemente, mais satisfação na esfera pessoal.

1. Levar para o lado pessoal
É cansativo quando se atribui qualquer interação com as pessoas como sendo aquilo que eles sentem em relação a você pessoalmente. E geralmente isso não é realidade. Não tomar como pessoais as coisas relacionadas ao trabalho pode poupar muito do estresse no mundo corporativo e aborrecimentos desnecessários.

2. Ficar preso ao passado
O passado é o que é, diz Frances. Não há utilidade nenhuma em guardar mágoas e rancores. A única pessoa impactada por esse tipo de atitude é você mesmo.

3. Sempre checar e-mails e redes sociais
Se alguém precisar esperar cerca de duas horas pela resposta de um e-mail, a pessoa que espere. O mundo não vai acabar, relaxe.

4. Se preocupar constantemente
Preocupações não resolvem problemas. Se o motivo da preocupação é algo que está fora do seu alcance, então não há razão em se preocupar. Se você realmente puder fazer algo a respeito, pare de se preocupar e parta para a ação. Preocupações são uma perda de energia; foque naquilo que você pode controlar.

5. Negatividade
Se você é negativo, você não é parte da solução, é parte do problema. Você não está apenas sugando a sua energia, mas a de seus colegas, do seu local de trabalho, de seus amigos e sua família. Não é produtivo, então tente focar na positividade.

6. Dormir muito
Dormir muito não melhora sua energia, não cria energia de reserva e muito menos faz com que você fique mais atento quando acorda. Na verdade, tem o efeito contrário: dormir muito nos deixa letárgicos. Dito isto, garanta o tempo suficiente de sono, entre 7 e 8 horas por noite, como uma grande contribuição para sua saúde e vitalidade.

7. Dieta inadequada
Se você está consumindo muito açúcar, carboidratos e gordura trans, está se prejudicando. Seja cuidadoso com aquilo que você come. Coma aquilo que te dá energia, como verduras e legumes, proteínas, e gorduras saudáveis, e não comidas que tiram a sua energia.

8. Reclamar
Ao reclamar, você não está apenas projetando negatividade, está incomodando as pessoas que trabalham no seu lado. Ninguém quer estar perto de uma pessoa que reclama de tudo. Não seja parte do problema, seja parte da solução. Faça algo produtivo ao invés de reclamar.

9. Não dar continuidade
Prometer algo a um amigo, ao colega de trabalho ou ao seu chefe e não entregar, gera mais estresse, ansiedade e trabalho para você mesmo e diminui sua autoestima. Faça o que você disse que iria fazer, quando você disse que faria e você terá mais energia e autoestima.

10. Ser coadjuvante
Ser um coadjuvante de sua vida e carreira faz com que você se sinta desconectado de sua própria vida. Tome o controle e assuma o protagonismo. Ninguém vai se preocupar mais com sua vida e carreira do que você mesmo, então, se você está infeliz, tome o controle e mude sua vida.

11. Pensar muito
Uma vez que tenha analisado algum tema e tomado uma decisão a respeito, procure mantê-la. Pensar muito é geralmente improdutivo e apenas gera estresse desnecessário. Elabore quais os riscos de uma determinada decisão, faça o que você pode fazer para minimizá-los e então siga em frente. Pensar demais não gera um resultado melhor, apenas suga sua energia enquanto você toma uma decisão difícil.

12. Fofocar
Levantar discussões sobre outras pessoas e ‘criar dramas’ não ajuda em nada a avançar na carreira ou a construir relações com seus colegas de trabalho e amigos. É desperdiçar energia em algo que geralmente não tem nada a ver com você e não é da sua conta. Não gaste energia falando sobre outras pessoas ou tentando fazer a vida delas mais difícil. Coloque essa energia em cuidados com você mesmo e com melhorias pessoais.

13. Relações tóxicas
Assim como não reclamar, não fofocar e não criar dramas, você também não deve se envolver com pessoas tóxicas. Se elas falam mal de outras pessoas, elas podem estar falando mal de você para os outros também. Cerque-se de pessoas que são positivas e que dedicam suas energias para sua própria excelência e melhoram aqueles que estão ao redor.

14. Tentar agradar aos outros constantemente
Você nunca agradará todo mundo, então é melhor tentar agradar a si mesmo. Você está feliz e orgulhoso de quem é? É tudo o que importa. Se alguém não gostar de você quando você está em sua melhor forma, este não é um problema seu, e sim deles.

E então, se identificou com algum desses hábitos? Agora é tentar colocar em prática e melhorar a sua rotina no trabalho.

 

Artigo extraído e adaptado de Época Negócios

 

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Conteúdo relacionado:

Como fazer um planejamento pessoal eficiente

 

 

 

 

 

Mulheres que ensinam mulheres a programar

Contra a desigualdade de gênero na tecnologia, iniciativas como PrograMaria, MariaLab, RodAda Hacker e #MinasProgramam aproximam as mulheres da linguagem dos códigos.

No século XIX, a matemática Ada Lovelace entrou para a história ao escrever o algoritmo que fundou as bases da ciência da computação. Quase duzentos anos depois, soa até irônico lembrar a importância desta mulher para a tecnologia e encarar os dados que revelam a falta de participação de mulheres no setor. Segundo a pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), realizada e 2015, dos mais de 580 mil profissionais da T.I que atuam no Brasil, apenas 20% são do sexo feminino.

Inspiradas em iniciativas estrangeiras como Mothership, HackerMoms e PyLadies, projetos brasileiros organizam cursos, encontros e palestras que aproximam as mulheres da tecnologia e as ensinam a programar. Muitas dessas atividades são gratuitas e destinadas a quem não faz nem ideia do que é java, PHP e python. Reforçando a proposta de inclusão, os programas ainda oferecem atividades direcionadas a mulheres negras e moradoras de comunidades. “Para nós, a tecnologia também tem um viés político, por isso é fundamental que essas atividades circulem além dos espaços privilegiados das cidades”, diz Silvana Bahia, facilitadora da RodAda.

Apesar de pequenas, essas iniciativas mobilizam uma quantidade considerável de mulheres interessadas em aprender mais sobre tecnologia. “O diferencial de projetos pequenos como o nosso é que podem ser feitos por quem tem realmente vontade de fazer, e isso é muito gostoso”, acrescentam as integrantes do #MinasProgramam.

Se quiser aprender a programar ou participar de atividades relacionadas a tecnologia corra atrás desses projetos:

MariaLab

MariaLab é um coletivo feminista com a proposta de criar um hackerspace (“espaço hacker”) que promova atividades para mulheres, inclusive as transgêneros. A MariaLab organiza encontros e eventos gratuitos para quem quer trocar informações, fazer networking ou participar de grupos de estudos.

RodAda Hacker

RodAda Hacker facilita encontros que incluem mulheres e meninas na tecnologia, através de oficinas colaborativas especialmente desenhadas para o público feminino. Os encontros, para quem quer imaginar e construir projetos incríveis e recriar tecnologias da rede, ocorrem em diversas partes do país.

PyLadies São Paulo

PyLadies é um grupo internacional que tem o objetivo de aumentar inclusão feminina dentro da comunidade Python, um tipo de linguagem de programação. No Brasil, o projeto atua em cerca de 20 cidades, principalmente nas capitais, promovendo eventos e cursos para mulheres que querem aprender a programar. E o melhor, as atividades são gratuitas.

PrograMaria

A PrograMaria incentiva o debate sobre a falta de representatividade feminina na tecnologia e leva a discussão a grandes eventos de tecnologia. Criado por Iana Chan e Luciana Fernandes, o projeto consiste em um curso presencial de programação só para mulheres.

#MinasProgramam

O #MinasProgramam foi criado em maio de 2015 com o intuito de incluir as mulheres na linguagem dos códigos, o projeto promove cursos de programação e encontros na cidade de São Paulo. Muitas das atividades são gratuitas e as que são pagas oferecem isenção de inscrição para mulheres financeiramente vulneráveis.

Extraído e adaptado de Code Girl – Revista Trip

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Conteúdo relacionado:

Os desafios das mulheres no mercado de trabalho

 

 

 

 

 

15 frases de mulheres inspiradoras

 

 

 

7 dicas preciosas para quem decide morar em outro país!

Tomar a decisão de morar no exterior certamente é uma experiência única e transformadora, mas nem sempre tudo corre como o planejado. Mais do que qualquer outra mudança, mudar de país envolve uma série de desafios, dificuldades e, principalmente, a dificuldade para adaptação. Este processo vai depender muito das condições, dos objetivos e da estrutura que encontrará no novo país.

#1 Aprenda o novo idioma

Mesmo que você já tenha uma noção da língua ou que já esteja mais avançado, vai perceber que conseguir “se virar” pode ser bem diferente quando realmente precisar resolver algo, mesmo que pareça simples, quando você reside naquele país.

Você pode ter o conhecimento da língua que te ajude a superar questões mais comuns do dia a dia. Mas quando precisar abrir uma conta no banco, quando seu cartão não passar no caixa, participar de uma reunião de trabalho ou mesmo quando quiser aprofundar uma amizade com os nativos, o “saber se virar” pode não ser suficiente e um sentimento de exclusão e frustração pode nascer daí.

Então, quando decidir morar no exterior, aprenda o básico e tenha a perspectiva de se aprofundar o mais rápido possível na nova língua. Participe de cursos intensivos, pesquise cursos presenciais e aproveite as várias opções de aplicativos para celular que podem te ajudar a não perder o ritmo dos estudos.

Dominar o novo idioma facilitará sua adaptação e sua autonomia no novo país.

#2 Tenha um projeto

Independente do seu objetivo (acadêmico, profissional, financeiro ou até mesmo pela busca de autoconhecimento e crescimento cultural), ao decidir morar no exterior você precisará ter projetos e se planejar para poder concretizá-los.

Não se sobrecarregue, mas trabalhe para que possa ter uma certa rotina e preencher sua agenda semanal o máximo que puder.

Se você já tem um trabalho ou uma carga horária razoável de estudos, isso será mais fácil de resolver. Mas se, por exemplo, você tiver muito tempo livre durante a semana ou se tiver se mudado para acompanhar seu cônjuge, sua necessidade de planejamento será ainda maior.

Em primeiro lugar, foque no aprendizado do novo idioma, aventure-se a novas situações experiências, busque sites que promovam reuniões de estrangeiros, como o Meetup, matricule-se em alguma atividade física e se engaje num trabalho voluntário – isso pode te proporcionar uma experiência marcante. Em todos os países existem trabalhos voluntários e, ao participar de algum deles, você estará treinando o novo idioma, aumentando sua rede de contatos e ainda poderá oferecer algo ao novo país também.

#3 Seja flexível

Não perca sua personalidade, seja você mesmo e o mais espontâneo possível. Mas lembre-se de que você não está mais “em casa” e, da mesma maneira que adotamos algumas condutas diferentes quando vamos visitar alguém, precisamos mudar alguns de nossos hábitos quando mudamos de país.

Se você sabe que algo não é bem visto naquele país, evite fazê-lo ou, simplesmente, não faça. Busque compreender a cultura local.

Por outro lado, se você se incomoda com algum costume das pessoas do seu novo país, não as critique pois isto não vai fazer você se sentir mais confortável. Aceite a nova cultura e aprenda o máximo que puder para lidar a situação.

Afinal, que sentido faria mudar de país e continuar na nossa eterna zona de conforto?

#4 Fantasiar pode, mas tenha limites!

Buscar um lugar diferente e melhor, com condições mais satisfatórias podem te dar oportunidades de crescimento pessoal, emocional e profissional. Mas, cuidado, às vezes nos enxergamos numa situação tão difícil no Brasil que exageramos na fantasia de encontrar um lugar perfeito.

Você certamente vai se surpreender positivamente com os benefícios sociais e com os avanços tecnológicos, educacionais e culturais do novo país, mas também poderá se frustrar com algumas coisas.

Então, tenha em mente que o lugar perfeito não existe. Mas vale a pena se esforçar para viver num país diferente e que te traga maior qualidade de vida.

#5 Seja Paciente

Para a alguns de nós o processo de adaptação não é tão rápido e passamos por várias etapas até que a experiência possa ser vivida de uma forma mais leve.

Você pode levar um pouco mais de tempo para se adaptar, então respeite o SEU tempo e seja paciente. Isso é extremamente importante para que você não desista antes de realmente começar e poder aproveitar a experiência.

Uma boa atitude não garantirá o seu sucesso. Mas uma má atitude poderá te levar ao fracasso.

#6 “Só porque sou estrangeiro”

Principalmente quando ainda não dominamos o novo idioma, podemos ter a sensação de que somos tratados de uma forma diferente ou até mesmo excessivamente discriminados “só porque somos estrangeiros”.

Em algumas situações sabemos que isso pode ser real, mas precisamos ter cuidado para não generalizar e acabarmos paranóicos, achando que as pessoas agem de determinada forma só porque somos estrangeiros.

Quando isso acontecer lembre-se que, dependendo o país onde você está, as pessoas não serão tão amáveis, extrovertidas ou expansivas como a cultura brasileira em geral e isso não tem a ver com discriminação, mas apenas com diferenças culturais.

Então, não se frustre e nem se desanime desnecessariamente. Aprenda a lidar com as novas situações e desenvolva diferentes habilidades sociais.

#7 Distancie-se de vez em quando

Procure se aproximar o máximo possível dos nativos, envolva-se em atividades culturais locais, assista aos seus programas de televisão, ouça suas músicas, mas quando tudo isso parecer exigente demais: dê um tempo para você!

Antes mesmo de se mudar para o novo país, faça uma pesquisa por brasileiros que já moram fora pelas redes sociais, tire dúvidas e, se possível, mantenha contato. Para quem já está fora pode ser muito prazeroso poder se reencontrar com brasileiros novamente e, de uma forma geral, as pessoas estão dispostas a ajudar no que for preciso em relação a informações.

Mas uma coisa é muito importante, não se isole da nova cultura ficando no conforto das relações somente com brasileiros, mas mantenha essas relações. Isso pode ser muito reconfortante quando passamos por algumas dificuldades de adaptação.

Mantenha contato com familiares e amigos. Seja empático e sensível para que não se preocupem excessivamente com suas dificuldades, mas não precisa contar só o lado bom. Esteja aberto também para pedir ajuda, para desabafar e assim preservar o bom relacionamento.

Quando somos otimistas e nos planejamos bem, a mudança de país pode ser uma das melhores experiências de nossa vida!

Mas, vale lembrar que, para algumas pessoas, esse processo de adaptação cultural pode ser longo ou intenso demais e nestes casos o mais indicado é buscar ajuda de um profissional especializado no assunto. Os atendimentos psicológicos on-line podem ajudar neste processo e, na maioria dos casos, em algumas sessões sua experiência no exterior pode se tornar mais leve e gratificante.

 

Extraído e adaptado de http://vivertrabalhareestudarnoexterior.com/morar-no-exterior-dicas-adaptacao/

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Conteúdo relacionado:

 Quer morar na Europa? Estes são os 10 países que oferecem vistos de forma mais simples e barata

 

 

 

 

5 sinais de que você foi feito para empreender pelo mundo

5 Aplicativos para desenvolver o hábito da meditação e relaxar

Com a nossa rotina cada vez mais corrida, muitas vezes nos pegamos ansiosos, acelerados, buscando terminar algo o mais rápido possível, e quando chega ao fim do dia, só estamos exaustos, insatisfeitos e sem a total sensação de dever cumprido. E existe uma excelente maneira de melhorar o seu humor nesse momento, acalmando-se e voltando-se para si mesmo. Mas como fazer isso? É simples: basta alguns minutos de meditação para que você possa se encontrar no meio de tanta turbulência e, quem sabe, tornar-se emocionalmente estável.

Se você nunca experimentou a prática da meditação ou acredita que leva muito tempo para aprender, fique tranquilo! Aqui teremos dicas preciosas e bem simples para você se aventurar nesta prática.

Uma das vantagens é que já não é preciso atravessar a cidade para ir a uma aula de yoga para poder relaxar e meditar. Com a ajuda dos aplicativos é possível parar alguns minutos para praticar e relaxar no meio dos dias caóticos.

Que tal experimentar?

Medita!

O aplicativo de meditação de Mirna Grzich, jornalista e terapeuta brasileira que é uma referência em meditação. O aplicativo apresenta um guia prático, simples, com oito temas de meditações guiadas: Mindfulness, Meditações Essenciais, Insights & Reflexões, Orações & Mantras, Meditações da Lua cheia, Quem é Você, Meditando com Tradições Espirituais e Relaxando & Meditando.

Gratuito
Disponível para iOS e Android

5 Minutos

O aplicativo 5 Minutos é um guia para facilitar a meditação e desenvolver seu bem estar no dia a dia. Desenvolvido pela Mãos Sem Fronteiras (MSF), uma organização internacional que promove a técnica conhecida como Estimulação Neural, o aplicativo apresenta três opções para meditar: meditação de 5 minutos, meditação Guiada La Jardinera e meditação com tempo livre com um contador de até 30 minutos.

Gratuito
Disponível para iOS e Android

Medite.se

Desenvolvido através das técnicas do terapeuta Tadashi Kadomoto, o aplicativo oferece meditações guiadas para que você viva mais presente e consciente a cada dia. Para Tadashi, sua missão de vida é “Contribuir efetivamente para o despertar das pessoas”. O Medite.se é uma boa ferramenta para quem quer se conhecer utilizando a meditação.

Gratuito
Disponível para iOS e Android

Calm

Eleito pela App Store, em 2017, como o melhor aplicativo de meditação e mindfulness, o objetivo deste aplicativo é que você pare durante o dia para relaxar. Você pode escolher sessões entre 2 e 20 minutos de meditação ou até efeitos sonoros gravados diretamente da natureza. Há ainda mais de 10 faixas de música para melhorar a concentração e você pode escolher o seu objetivo da meditação: melhorar a qualidade do sono, aumentar os níveis de energia, confiança, foco e concentração, criatividade, diminuir a ansiedade, gratidão e muito mais.

Gratuito
Disponível para iOS e Android

Relax Melodies

Este aplicativo é excelente para aqueles que sofrem de insônia, zumbidos ou stress. O Relax Melodies promote uma rotina relaxante, com meditações guiadas, especificamente projetadas para ajudá-lo a dormir. Há sons de pássaros na floresta, sons marítimos, água a correr, chuva… E ainda possui um timer para que o utilizador possa programar o tempo de meditação.

Gratuito
Disponível para iOS e Android

E para quem não quiser baixar um aplicativo, não tem problema, você pode experimentar esta opção que pede apenas 2 minutos do seu tempo para fazer absolutamente nada:

http://www.donothingfor2minutes.com

 

 

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Conteúdo relacionado:

Qual o seu nível de stress?