Arquivo: Neurociência

Por onde começar quando me sinto perdida e confusa?

Nem sempre é fácil escrever um artigo, nem sempre é fácil gravar um vídeo, nem sempre é fácil começar…

Estava aqui pensando no tema que gostaria de escrever para você e nada de me definir…rs.
Não pela falta de assuntos interessantes, pois tenho uma lista enorme deles que vou acumulando a cada insight que tenho ou a cada novidade que tomo conhecimento.

O problema é mesmo a falta de inspiração, às vezes, para discorrer sobre o assunto!

Quantas vezes precisamos sair de casa para o trabalho, chegar cedo na empresa, dar conta de inúmeras atividades, ou mesmo cuidar da casa, organizar as coisas pessoais e não temos inspiração e nem motivação alguma?

Mas, acabamos indo de qualquer jeito, não é? Vamos arrastados, muitas vezes, pois temos família para criar, equipe para liderar, contas para pagar, vida para seguir…

Já se sentiu assim?

Então, o que fazer nessas situações? Como driblar a “maré baixa” e encarar o que precisa ser enfrentado?

Eu penso que pode ser assim: agindo, iniciando, dando o primeiro passo, indo à luta!
Quanto mais eu penso:

  • “não estou a fim”,
  • “não queria fazer isso”,
  • “que chato”,
  • “que tédio…” pior vai ficar.

Nossos pensamentos são tão poderosos, a ponto de dispararem milhões de sinapses que se manterão juntas e ganharão proporções negativas gigantescas em nossos cérebros, caso não quebremos essa corrente quando percebermos a situação.

Diante de desafios, tarefas longas, complicadas ou desagradáveis, nosso cérebro racional pode se tornar uma vítima das nossas emoções e, nesses casos, o melhor a fazer é retomar o controle, concentrando primeiro nos objetivos pequenos.

No meu caso, quando sento para escrever e a inspiração não vem, me concentrei nas primeiras linhas da mensagem, e depois mais uma e mais uma, expandindo gradualmente, até alcançar os melhores e maiores desafios.

Portanto, quando estiver …

  • inerte,
  • sem saber que caminho seguir,
  • por onde iniciar,
  • se vai ou se fica…

COMECE e, se necessário, mude o trajeto, mas não fique parada, esperando algo acontecer, porque se você não tomar o controle e agir, nada sucederá.

E, à medida que vai percebendo a sua capacidade, novas e positivas emoções surgirão e darão lugar a outras possibilidades, aumentando a criatividade.

O psicólogo, pesquisador e escritor Shawn Achor afirma em seu livro The Happiness Advantage [A vantagem da felicidade]:

“As emoções positivas inundam nossos cérebros de dopamina e serotonina, substâncias químicas que não só nos fazem sentir bem como ativam os centros de aprendizado de nossos cérebros para níveis mais altos.  

Elas nos ajudam a organizar informações novas e nos possibilitam criar e sustentar mais conexões neurais, o que nos permite pensar de forma mais rápida e criativa, nos tornar mais habilidosos em análises complexas e resolução de problemas e ver e inventar novas maneiras de fazer coisas “. 

Fantástico, não? Perceba como as sensações positivas foram importantes para eu continuar escrevendo, adicionando informações e olha só: com uma lista de assuntos para compartilhar com você, acabei escolhendo uma situação nova!

E assim, frase por frase, concluo mais uma mensagem para você, me sentindo muito bem agora!

E sabe de uma coisa? Depois que comecei, até que foi fácil, porque o prazer que sinto ao me comunicar com você sempre me deixa cheia de energia!

Autora: Wayne Valim – Especialista em Inteligência Comportamental e Alta Performance de Pessoas e Organizações

*O livro que cito é uma das muitas dicas que deixo para meus mentorados de liderança e meus alunos de Alta Performance.

The Happiness Advantage: The Seven Principles of Positive Psychology That Fuel Success and Performance at Work. By Shawn Achor (2010)

[O Jeito Harvard de ser feliz: os sete princípios da psicologia positiva que alimentam o sucesso e a performance no trabalho] Por Shawn Achor (2010)

___________________________

Gostou? Compartilhe:

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

Como parar de descontar a ansiedade no seu corpo

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil tem o maior número de pessoas ansiosas do mundo: 18,6 milhões de cidadãos (9,3% da população) convivem com o transtorno.

Também considerada um dos males do século, a ansiedade acomete mais as mulheres: cerca de 7,7% delas são ansiosas, o dobro do total de homens (3,6%).

Não é necessário que você tenha tido uma infância emocionalmente doente ou traumática para se tornar um adulto ansioso. “O simples fato de pensar de maneira rápida e ter muitas preocupações já é motivo de ter ansiedade”, afirma a Master Coach Ivana Almeida*.

Como escape no mecanismo de defesa, um dos alívios que geralmente o cérebro busca é na comida, como forma de compensar o estresse gerado pela ansiedade, ou seja, para que ele não entre em colapso e, literalmente, não dê um curto-circuito e venha a “pifar”, diz a especialista.

Mente e corpo funcionam em perfeita sincronia, e o que acontece na mente traz consequência para o físico e, no caso da ansiedade, esse efeito pode ser devastador a exemplo da obesidade, gastrite, enxaqueca, problemas cardíacos, pressão alta, insônia e de tantos outros problemas.

O momento mais apropriado para enfrentar a ansiedade é quando você começa a perceber os sintomas.

É muito mais difícil interromper um modelo emocional quando este já está totalmente enraizado do que quando apenas iniciou.

Compreenda que sua mudança começa de DENTRO para FORA.

Com o intuito de ajudar você na prevenção da sua saúde mental contra a ansiedade, a especialista Ivana Almeida apresenta 3 dicas:

1 – Compreenda que a ANSIEDADE é útil.

Ela é apenas um estímulo a uma ação. Aproveite-a para agir em prol das suas metas.

2 – Aprenda com a própria emoção.

Você já a sentiu outras vezes.

O que deu certo no passado que pode ajudar você agora?

Escreva suas estratégias antigas e adapte-as para o seu momento presente.

3 – Descubra a causa da sua ansiedade.

Desperte sua curiosidade para a ansiedade, ela está [email protected] a criar novas oportunidades para sair da dor.

A ansiedade gerada em você é resultado do que está pensando, sentindo e fazendo.

Essas 3 PERGUNTAS de OURO podem ajudar na busca de um novo estado:

Ø  Como eu quero me sentir neste exato momento (de verdade)?

Ø  O que eu estou disposta a fazer para criar uma solução e lidar com isso agora mesmo?

Ø  O que eu posso aprender com essa situação?

Portanto, cuide das mensagens e comandos que transmite ao seu cérebro!

Como afirma Deepak Chopra em seu livro Você tem fome de quê?:

“Quando o cérebro recebe dados negativos, ele se altera em conformidade com as mensagens recebidas. O cérebro não tem pensamentos próprios. Não consegue escolher quais orientações obedecer e quais ignorar. É a pessoa, dona da mente, quem escreve a própria história. O que significa ter o maior controle. Pode-se alimentar o cérebro de mensagens negativas ou positivas – a escolha é de cada um”.

Daí a importância de vivenciar a todo instante esta equação: Bons Pensamentos + Boas Palavras = Boas Ações.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Como ser uma pessoa mais decidida

 O nosso dia a dia é repleto de decisões dos mais variados tipos e complexidades.

Começamos logo pela manhã, quando fazemos pequenas escolhas, como, por exemplo, ficar mal-humorados ou encarar o dia com um pouco mais de otimismo, buscando o prazer nas pequenas coisas da vida.

Mas, claro, nem todas são simples assim. Há escolhas que realmente nos tiram do sério e, para essas, é necessário um pouco mais de foco.

Quando a situação nos permite pensar, precisamos tomar alguns cuidados fundamentais e esse é o meu objetivo principal aqui.

Acredito ser bastante produtivo, antes de qualquer coisa, analisar bem o seu estilo de tomada de decisão:

  • Você é do tipo de pessoa que faz escolhas de maneira rápida, direta e objetiva?
  • Ou prefere analisar prós e contras, perguntar sobre as opiniões de outras pessoas, calcular bem os riscos?

Saber disso por meio do autoconhecimento já coloca você em vantagem. Ouço muita gente dizer que é indecisa, mas, na verdade, o que precisa é de muitas informações para tomar uma decisão.

E, se esse é o seu caso, que tal começar já a obtê-las o mais rápido possível para assim decidir rapidamente?

Além dessas dicas, quero trazer 5 segredos que poderão ajudar você na próxima tomada de decisão mais difícil.

1 – Descarregue em algum tipo de repositório, todos os pensamentos que vêm lhe tirando o sono

Escreva no computador ou celular, papel, agenda, não importa, mas escolha o meio mais adequado para você.

O importante é retirar da mente o turbilhão de pensamentos e permitir que novas ideias surjam;

2 – Elabore uma tabela bem simples

Nela, liste possíveis decisões a tomar, inserindo uma alternativa em cada coluna;

3 – Enumere todos os ganhos e benefícios

Imagine os ganhos e benefícios de cada alternativa.

Essas perguntas podem ajudar você:

  • Quais resultados espero atingir?
  • Como me sinto diante desta opção?
  • O que é bom para mim?
  • O que é melhor para as pessoas que estão à minha volta, minha família, meus amigos?
  • Sentirei orgulho desta escolha no futuro?

Liberte-se do pessimismo e deixe a imaginação fluir.

Nessa hora, é proibido pensar dos problemas e dificuldades. Imagine-se com todo o poder, dinheiro e tempo do mundo… sei que é difícil, mas tente!

4 – Agora, aponte todas as perdas e ameaças de cada opção

Você pode, por exemplo, se perguntar:

  • O que perco com isso?
  • Quais os sentimentos que essas perdas me provocam?
  • Quem será afetado negativamente com essa escolha?
  • Quais são os meus medos? (Encare-os de frente, buscando motivos que provocam suas angústias).

Tente ser realista e não aponte hipóteses impossíveis.

Mas cuidado para não se sabotar, listando mais ganhos para a opção que lhe pareça mais agradável ou mais fácil ou, ainda, marcando mais perdas onde sequer existem;

5 – Lembre-se das últimas decisões importantes que tomou

Pense naquelas bem-sucedidas, que considera terem sido escolhas acertadas.

Identifique as lições aprendidas nesses casos. Quais delas podem ser aplicadas agora;

6 – Esgote todas as informações possíveis sobre cada decisão

Muita gente toma uma decisão errada, porque não busca o conhecimento necessário. Pesquise e consulte especialistas, se for o caso.

Quanto mais informações você conseguir, mais se livrará de todas as armadilhas.

Pedir a opinião de muita gente para suas escolhas pode ser interessante, desde que as pessoas sejam as mais adequadas para isso.

Mas lembre-se de que os seus sentimentos, o que você realmente quer é mais importante do que qualquer opinião.

***

Bem, agora tem outro ponto: se tem o hábito de tomar decisões por impulso, procure pensar nas consequências a longo prazo que impactarão você e as pessoas à sua volta.

Depois de todas essas considerações, faça a sua escolha, levando em conta as informações, suas intuições e seus sentimentos.

Mas faça já, não espere mais! Vá em frente e seja muito feliz com a opção escolhida, aproveitando todos os benefícios e criando novas oportunidades para sua vida e sua carreira.

Não há decisões perfeitas. Há as suas escolhas e assumi-las de maneira responsável fará de você uma pessoa mais forte para as próximas oportunidades.

Acredite em dias melhores e faça acontecer!

Autora: Wayne Valim

http://www.waysup.com.br/conheca-a-coach-wayniere-valim/

___________________________
Gostou? Compartilhe:

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Como parar de descontar a ansiedade no seu corpo

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil tem o maior número de pessoas ansiosas do mundo: 18,6 milhões de cidadãos (9,3% da população) convivem com o transtorno.

Também considerada um dos males do século, a ansiedade acomete mais as mulheres: cerca de 7,7% delas são ansiosas, o dobro do total de homens (3,6%).

Não é necessário que você tenha tido uma infância emocionalmente doente ou traumática para se tornar um adulto ansioso. “O simples fato de pensar de maneira rápida e ter muitas preocupações já é motivo de ter ansiedade”, afirma a Master Coach Ivana Almeida*.

Como escape no mecanismo de defesa, um dos alívios que geralmente o cérebro busca é na comida, como forma de compensar o estresse gerado pela ansiedade, ou seja, para que ele não entre em colapso e, literalmente, não dê um curto-circuito e venha a “pifar”, diz a especialista.

Mente e corpo funcionam em perfeita sincronia, e o que acontece na mente traz consequência para o físico e, no caso da ansiedade, esse efeito pode ser devastador a exemplo da obesidade, gastrite, enxaqueca, problemas cardíacos, pressão alta, insônia e de tantos outros problemas.

O momento mais apropriado para enfrentar a ansiedade é quando você começa a perceber os sintomas.

É muito mais difícil interromper um modelo emocional quando este já está totalmente enraizado do que quando apenas iniciou.

Compreenda que sua mudança começa de DENTRO para FORA.

Com o intuito de ajudar você na prevenção da sua saúde mental contra a ansiedade, a especialista Ivana Almeida apresenta 3 dicas:

1 – Compreenda que a ANSIEDADE é útil.

Ela é apenas um estímulo a uma ação. Aproveite-a para agir em prol das suas metas.

2 – Aprenda com a própria emoção.

Você já a sentiu outras vezes.

O que deu certo no passado que pode ajudar você agora?

Escreva suas estratégias antigas e adapte-as para o seu momento presente.

3 – Descubra a causa da sua ansiedade.

Desperte sua curiosidade para a ansiedade, ela está [email protected] a criar novas oportunidades para sair da dor.

A ansiedade gerada em você é resultado do que está pensando, sentindo e fazendo.

Essas 3 PERGUNTAS de OURO podem ajudar na busca de um novo estado:

Ø  Como eu quero me sentir neste exato momento (de verdade)?

Ø  O que eu estou disposta a fazer para criar uma solução e lidar com isso agora mesmo?

Ø  O que eu posso aprender com essa situação?

Portanto, cuide das mensagens e comandos que transmite ao seu cérebro!

Como afirma Deepak Chopra em seu livro Você tem fome de quê?:

“Quando o cérebro recebe dados negativos, ele se altera em conformidade com as mensagens recebidas. O cérebro não tem pensamentos próprios. Não consegue escolher quais orientações obedecer e quais ignorar. É a pessoa, dona da mente, quem escreve a própria história. O que significa ter o maior controle. Pode-se alimentar o cérebro de mensagens negativas ou positivas – a escolha é de cada um”.

Daí a importância de vivenciar a todo instante esta equação: Bons Pensamentos + Boas Palavras = Boas Ações.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Não deixe ninguém hackear suas emoções

Em tempos de invasões de telefones, sites, contas de e-mail, chats e redes sociais no meio político, me chama a atenção outro tipo de invasão e sequestro: o das nossas melhores emoções.

É fácil identificar pessoas que têm o poder de invadir a nossa paz e roubar o nosso entusiasmo e alegria.

Elas estão por todos os lugares: no trabalho, na família, entre os amigos, na sociedade…

Surgem com suas críticas,

  • reclamações infindáveis,
  • grosserias,
  • fofocas,
  • falta de respeito,
  • imposições,
  • injustiças,
  • dominâncias,
  • piadinhas de mau gosto,
  • ou até mesmo com comentários inapropriados…

Algumas, até bem-intencionadas, infiltram suas sementes em nossos pensamentos, perturbam o ambiente, espalham-se como epidemia e causam certo estrago em nosso equilíbrio interior.

O que fazer? 

Como reagir?

É possível se proteger e se preparar sem que nos rebaixemos ao nível delas?

Eu acredito que SIM!

Em minha longa jornada de vida (nem tão longa assim…rs), já vivi maus bocados e lidei com gente de todo jeito. Quem nunca, né?!

Usei táticas poderosas, outras muito ruins mesmo, algumas até criativas, outras bem bobinhas e comuns.

Hoje, com o meu conhecimento, faria muita coisa diferente…

Por isso, compilei as melhores estratégias aqui para você, não só saber lidar com elas, mas, principalmente, aprender a se proteger, a eliminar as brechas e a tornar-se impermeável às investidas desses pobres seres que ainda precisam aprender muito na vida.

Com disse Dalai Lama: “Deixe ir as pessoas que somente chegam para compartilhar queixas, problemas, histórias desastrosas, medo e julgamentos dos demais. Se alguém busca uma lixeira para deixar seu lixo, não deixe que seja a sua mente”.

Antes, vamos entender como esses fatos acontecem em nossas mentes.

As nossas reações emocionais súbitas e mais fortes são disparadas por uma estrutura cerebral chamada amígdala.

Sua função é identificar riscos para a preservação do ser humano e acionar as principais reações ligadas à sua sobrevivência.

A amígdala geralmente comete erros, particularmente nos dias atuais, em que a maioria dos perigos são apenas imaginários, ou seja, não estão ligados de fato a riscos de preservação da vida.

Se você deseja se proteger, eliminar as brechas e tornar-se impermeável aos hackers emocionais aqui estão

As 5 dicas mais eficazes para reconquistar o seu poder emocional.

  1. Identifique os seus gatilhos emocionais

Qual foi a semente daninha que “mexeu” com você?

Geralmente, são ataques aos seus valores mais importantes.

Por exemplo, à sua liberdade, ao seu senso de justiça, à harmonia que você preza, ao reconhecimento que espera, à honestidade, à ética…

Reconheça, entenda, mas não seja um solo fértil para essa semeadura.

  1. Tenha consciência imediata das emoções que está sentindo

Qual é a principal emoção negativa sentida após o “ataque”? Medo, raiva, frustração, insegurança, irritação…

Ter autoconsciência dos sentimentos nos ajuda a interromper o fluxo negativo e a impedir que essa emoção se intensifique e se transforme em algo maior, por exemplo, de irritação virar raiva, de medo virar terror…

  1. Mantenha seus pensamentos em foco

Desative o impacto que essas pessoas podem provocar em você.

Escolha os pensamentos e emoções que deseja sentir.

Pergunte a si [email protected], “Em vez de raiva, o que desejo sentir?”.

Tranquilidade, sossego, leveza, alegria…

Invente um mantra e repita-o todos os dias.

Por exemplo,

  • “Sou uma pessoa positiva”,
  • “Sou forte e impermeável”,
  • “Sou uma pessoa pacífica e manterei a minha essência”,
  • “Ninguém vai roubar a minha energia”

Você pode até mesmo se imaginar com a armadura do Homem de Ferro… (risos)

A simbologia nos ajuda a fixar os pensamentos que desejamos ter.

  1. Planeje respostas adequadas a essas situações

Nunca responda com a mesma moeda. Se fizer isso, vai deixar que suas reações cerebrais mais primitivas dominem você.

Depois, vai se sentir mal, [email protected], triste… e será muito pior.

Elabore respostas inteligentes e as memorize para esses momentos:

  • “Bem, agora que desabafou, o que tem de positivo para me contar?” (reclamações).
  • “Prefiro falar do que as pessoas têm de bom” (fofocas).
  • (Interrompa) “Adoraria falar com você agora, mas acabei de me lembrar de algo que preciso fazer agora” (negativismo).
  • “O que eu posso fazer para lhe dar segurança de que o trabalho será entregue?” (controles excessivos).
  • “Desculpe-me, mas prefiro pensar nas soluções. O que faremos?” (vitimismo)
  • (Postura firme) “Percebo que não é um bom momento para falarmos. Vamos conversar depois?” (grosserias).
  1. Procure pessoas positivas

Diga “não” a pessoas que roubam a sua energia.

Procure influenciá-las positivamente, converse, ofereça ajuda, oriente-as, tenha empatia com as suas histórias e seu momento de vida.

Mas, se perceber que ainda não chegou o momento da mudança delas, perdoe-as, tenha compaixão e afaste-se gentilmente.

Busque, na medida do possível, conviver com quem que se alegra com o seu crescimento, acredita em você e incentiva o seu progresso.

Afinal, somos a média das pessoas com as quais convivemos diariamente.

E mais um lembrete crucial, toda e qualquer emoção ruim que sentimos é por uma única e exclusiva razão: a permissão que damos para que essas pessoas nos machuquem, magoem e tirem o melhor de nós.

Quando consegui entender isso, assimilei o poder da autorresponsabilidade, então assumi o comando e hoje posso dizer que me sinto mais forte contra qualquer investida negativa.

Ainda tenho muito a desenvolver, mas, com um passo a cada dia, me tornarei um ser humano melhor e melhor.

Portanto, fortaleça-se!

Autora: Wayne Valim

Crédito da imagem: https://www.cybertalk.org/

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

felicidade

Neurociência e a felicidade

Neurociência é o estudo científico do sistema nervoso. Mas o que isso tem a ver com a felicidade? O estado de felicidade é proporcionado através da produção de diversos neurotransmissores do corpo humano, sendo os principais a dopamina, serotonina, endorfina e ocitocina. Neurotransmissores são substancias químicas produzidas pelo cérebro que transmitem impulsos nervosos e provocam sensação de prazer e bem estar.

Segundo Paula Fernandes Castilho, especialista em nutrição, alimentos como ovo, carne, leite, aveia, banana, chocolate, possuem grande quantidade de triptofano, um aminoácido que atua na formação da serotonina. Vitaminas C, D e as do complexo B auxiliam na condução dos impulsos nervosos e na prevenção da ansiedade e irritação. Exercícios físicos, meditação, música, momentos de lazer, também influenciam na produção desses neurotransmissores e reduzem o cortisol, um hormônio que provoca o estresse.

No entanto alguns fatores como ficar preso ao passado, sofrer por antecipação, tentar impressionar a todos, manter pessoas ou coisas negativas por perto e reclamar demasiadamente tem efeito oposto impedindo a felicidade.

Alex Korb, PhD em neurociência, descreve em seu livro “The upward spiral” (A espiral ascendente) quatro hábitos que afetam nosso cérebro a nível biológico e nos tornam mais felizes.

1- Gratidão

A gratidão nos força a pensar em aspectos positivos da vida, isso aumenta a produção de serotonina no córtex cingulado anterior, expressar gratidão torna as interações sociais mais agradáveis e estimula liberação de dopamina.

2- Nomear as emoções

Em um estudo utilizando ressonância magnética foi mostrado aos participantes fotos de pessoas com diferentes expressões faciais. Nos resultados houve ativação das amígdalas cerebelosas, que fazem parte do sistema límbico responsável pelas emoções e comportamentos sociais. Ao pedir para que os participantes nomeassem as emoções vistas nas pessoas das fotos houve ativação do córtex pré-frontal, reduzindo a atividade da amígdala cerebelosa. Descrever o sentimento em uma ou duas palavras ajuda a manter o alto controle, técnicas milenares como a meditação funcionam de forma semelhante.

3 – Tomar decisões

Tomar decisões e estabelecer metas, além de ajudar a resolver problemas, estimula o córtex pré-frontal reduzindo a preocupação e ansiedade.  Uma decisão não precisa ser perfeita, apenas boa o suficiente, a busca pelo perfeccionismo perturba o cérebro causando estresse.

4 – Relações sociais e toque

Interações humanas e relacionamentos sociais são muito importantes para o sentimento de felicidade. O toque, como aperto de mão e o abraço, são umas das principais formas de liberação de ocitocina. Estudos mostram que receber cinco abraços por dia em um período de um mês nos deixam consideravelmente mais felizes. Massagem corporal realizada com frequência provoca um aumento em até 30% de serotonina, diminui o cortisol e aumenta a dopamina.

A prática desses hábitos programam nosso cérebro para se sentir mais feliz. Aliado a uma alimentação adequada e atividades relaxantes, melhoram nossas relações sociais e reduzem o estresse. Todos os resultados trazidos por esses comportamentos são correlacionados e provocam segundo Alex Korb a espiral ascendente de felicidade, causando um aumento gradativo de sensação de bem estar e alegria em estar vivo. A felicidade começa com a vontade de ser feliz, você coloca isso como meta e seus comportamentos e atitudes vão nessa direção.

Abraços

Raphael Barbosa
_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

felicidade

O segredo da felicidade é ver beleza em tudo (mesmo nas coisas feias!)

Ao longo de cada dia da nossa vida acontecem diversas situações. A maneira como reagimos a essas situações diz muito sobre como vamos levar a nossa vida. Qualquer um consegue ver beleza nas coisas bonitas. Isso não é tão difícil. Olhar para o topo de uma montanha e vê-la coberta de árvores, ouvir o som do mar diante de você e sentir sua respiração desaparecer. Ver a preciosidade de uma criança pequena e ser aquecido por sua inocência ou encontrar paz na quietude de uma paisagem intocada. Quando essas cenas te encontram ou saímos para encontrá-las, é uma experiência maravilhosa.

Nesses momentos, nos sentimos pequenos e grandes, livres e conectados. A questão, claro, é que na vida não há momentos desses o suficiente. Nem chegam perto de ser suficiente. Na verdade, o segredo para a felicidade e uma grande vida é descobrir como criá-los o tempo todo, onde quer que você esteja.

Encontre poesia em tudo
Se você puder ver as coisas de maneira objetiva e clara, ficará mais contente, menos vazio, menos tentado. Mas por outro lado, a vida é suficientemente desagradável, dura o suficiente, e a capacidade de encontrar poesia em tudo – mesmo no mundano ou no mórbido – é uma habilidade poderosa. Na verdade, também é a chave para a felicidade.

As pegadas suaves de um gato em um carro empoeirado. A neblina da manhã. O cheiro do asfalto assim que a chuva começa a cair. Ninguém diria que essas coisas se comparam a um pôr do sol sobre uma montanha ou uma chance de testemunhar um desempenho de um artista em um espetáculo. Mas o que é mais comum? Qual você encontrará na sua frente com mais frequência?

O mesmo vale para um chão cheio de brinquedos de criança, arrumados no caos do prazer exausto. Um passeio pela rua quando a música parece se alinhar exatamente com o ritmo dos eventos. O prazer de conseguir algo antes de um prazo, a quietude temporária de uma caixa de entrada de e-mails vazia.

Podemos esquecer tão facilmente, na vida, a aleatoriedade absurda, mas de alguma forma funcional, coordenação deste mundo que chamamos de lar, essa coisa que conhecemos como existência. O que tinha que acontecer para estarmos aqui, neste planeta, neste momento. Quer tenha sido um Deus (ou deuses) que nos trouxe até aqui, ou uma acumulação inestimável de acidentes evolutivos, ambos são igualmente modestos e maravilhosos se pensarmos neles. Ambos tornam as situações comuns tão bonitas quanto as épicas.

Ensinamentos dos filósofos
Dizem que os estóicos (movimento filosófico que surgiu na Grécia Antiga) são difíceis de ler porque são negativos, mas isso é imediatamente refutado em frases do livro Meditações de Marco Aurélio, imperador Romano. Em uma passagem, ele percebe a maneira como “ao fazer pão ele se divide e observam-se aquelas rachaduras, embora não sejam intencionadas pela arte do padeiro, chamam nossa atenção e servem para estimular nosso apetite”. Em outro, ele elogia o “charme e fascínio” do processo da natureza, os “talos de grãos maduros se curvando para baixo, a testa franzida do leão, a espuma pingando da boca do javali”. “Passe por este breve trecho de tempo em harmonia com a natureza”, ele escreve sobre sua mortalidade: “Venha ao seu lugar de repouso final graciosamente, assim como uma azeitona madura pode cair, louvando a terra que a nutriu e agradecida à árvore que a permitiu crescer.”

Poderíamos agradecer a seu professor de retórica particular, Marcus Cornelius Fronto, pelas imagens nessas passagens vívidas. Cornelius Fronto, amplamente considerado o melhor orador de Roma ao lado de Cícero, foi escolhido pelo pai adotivo de Marco Aurélio para ensiná-lo a escrever e falar. Fronto pensava que ele estava preparando Marco Aurélio para falar em público, mas na verdade, Marco Aurélio usou as habilidades que adquiriu para sua filosofia particular. Essas frases poéticas foram mantidas em sigilo e nunca compartilhadas, escritas sem um pensamento de quem poderia lê-las.

Em vez disso, elas foram usadas ​​para um exercício importante. Marco Aurélio estava escrevendo para si mesmo, buscando discernimento e sabedoria, tentando encontrar a verdade e a beleza em todas as partes da vida – de modo que pudesse encontrar felicidade e significado nelas. E assim também devemos fazer – se não quisermos nos exaurir e nos cansar da aspereza e negatividade que nos cerca.

Encontre verdade e beleza em todas as partes da vida
O economista Russ Roberts escreveu um poema recentemente chamado “Wonder, Bread (Maravilhoso, Pão)”, que é uma ilustração brilhante dessa prática. Seu poema é uma espécie de homenagem tola aos insights de Adam Smith: quão magnífico e estranho é você poder sentir uma pontada de fome, caminhar até uma loja e encontrar, lá na prateleira, o próprio pão que alguns minutos atrás você não tinha ideia que queria. Como eles sabiam? Quem são as “pessoas” que fizeram isso? O que os motivou? Por que eles fizeram um trabalho tão bom?

Mesmo situações genuinamente ruins podem ser belas. Olhando para trás e enxergando paixão e animação na raiva de outra pessoa. Rindo da “perfeição” de alguma coisa que poderia dar errado. Reconhecendo o que há de impressionante em um desastre natural. Isso não é muito melhor do que ver o mundo como um lugar escuro?

Marco Aurélio passou muito tempo com suas expressões demonstrando falta de consideração, mas ele passou a mesma quantidade de tempo desenvolvendo o olhar de um artista para encontrar beleza em eventos comuns ou aparentemente insossos. Ambos são essenciais, ambos são o trabalho do filósofo.

Uma pessoa que consegue ver só o lado ruim de uma situação, como um atraso em um voo, é uma pessoa que se encontrará presa em um “tempo morto”. Uma pessoa que consegue ver o mesmo atraso de voo de três horas como uma chance de aproveitar a vida, observar as pessoas, lembrar-se de quão sortudas elas são – essa é uma pessoa que realmente vive. E vive bem enquanto estiver viva.

Artigo extraído e adaptado de O jardim do mundo.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

trabalho

Como ter inteligência emocional no trabalho

As qualidades associadas a capacidade de identificar e controlar as emoções distinguem os melhores líderes do universo corporativo, segundo livro.

O que faz de um indivíduo um grande líder? Conhecimento, acuidade e visão, evidentemente. A isto, Daniel Goleman, autor do livro Leadership: The Power of Emotional Intelligence (Liderança: O poder da inteligência emocional), numa tradução literal) acrescentaria a capacidade de identificar e controlar as emoções – as nossas e as dos outros – e administrar os relacionamentos. As qualidades associadas a esta “inteligência emocional” distinguem os melhores líderes do universo corporativo, segundo o autor, ex-repórter de ciência do The New York Times, psicólogo e codiretor de um consórcio, na Rutgers University, que promove a pesquisa sobre o papel desempenhado pela inteligência emocional na excelência. Esta é sua breve lista de competências:

1. Consciência de si

Uma consciência realista de si: Você conhece seus pontos fortes e suas limitações; opera com competência e sabe quando confiar em outra pessoa da sua equipe.

Percepção emocional: Você compreende os seus sentimentos. O fato de ter consciência do que o deixa irritado, por exemplo, pode ajudá-lo a administrar a irritação.

2. Capacidade de administrar-se

Capacidade de recuperação: Você permanece calmo sob pressão e se recupera com rapidez dos golpes. Não fica remoendo os problemas, nem entra em pânico. Numa crise, as pessoas olham para o líder para se tranquilizarem; se o líder estiver calmo, elas também ficarão.

Equilíbrio emocional: Você sabe controlar os sentimentos aflitivos – em vez de explodir com as pessoas, você faz com que elas tenham consciência do que está errado e de sua solução.

Automotivação: Você avança sem cessar em direção a objetivos distantes apesar dos revezes.

3. Empatia

Empatia cognitiva e emocional: Como você compreende as perspectivas dos outros, sabe colocar as questões de maneira que os colegas compreendam. E está sempre disposto a ouvir suas indagações, para eliminar dúvidas. A empatia cognitiva, juntamente com a leitura cuidadosa dos sentimentos das outras pessoas, visa uma comunicação efetiva.

Sabe ouvir: Você presta total atenção ao outro e procura compreender o que ele está dizendo, sem discutir a fundo a questão com ele ou sem se afastar da pauta.

4. Habilidade de relacionamento

Comunicação convincente: Você expõe sua mensagem de uma maneira persuasiva, clara, de modo que as pessoas se sintam motivadas e tenham expectativas claras.

Trabalho em equipe: As pessoas se sentem relaxadas trabalhando com você. Um dos sinais: Elas riem com facilidade ao seu lado.

Artigo extraído e adaptado de Estadão.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

5 Técnicas da neurociência para potencializar a sua memória

Não quer mais esquecer prazos, nomes, datas, informações? Saiba como a ciência pode ajudar para potencializar a sua capacidade de memorização.

A tecnologia pode ser a nossa grande aliada para nos lembrar de prazos, reuniões, nomes, mas, mesmo com a ajuda dos nossos smartphones, tablets e outros gadgets, nenhum hardware é mais valioso para a rotina do que o nosso cérebro.

A memória é uma das funções cognitivas mais prejudicadas pela sobrecarga de informações trazida pela tecnologia. Perdidos em um oceano de estímulos, acabamos esquecendo cada vez mais facilmente de detalhes como nomes, datas, prazos e informações.

O esquecimento prejudica a rotina pessoal, profissional e acadêmica, mas a boa notícia é que não faltam recursos e técnicas para recuperar a capacidade de se lembrar. Se você procura conselhos nesse sentido, a neurociência pode ajudar.

Confira a seguir 5 métodos inspirados por descobertas científicas para facilitar a fixação de qualquer informação:

  1. Brinque de professor com um amigo

Você só vai memorizar uma informação se fizer algo de prático com ela, diz em palestra do TED o professor Peter Doolittle, da universidade Virginia Tech.

Uma das melhores maneiras de fazer isso é explicar aquele conteúdo para uma outra pessoa, como por exemplo, ensaiar uma apresentação com um amigo. Para dar sua “aula”, você precisará organizar, filtrar e reproduzir a informação, o que facilita a memorização.

Alguns artigos publicados em 2007 nos periódicos acadêmicos Science e Intelligence traz uma possível evidência desse fato. Segundo os estudos, os filhos primogênitos em média têm QI mais alto do que os caçulas. A razão? Provavelmente porque eles passaram boa parte da infância ensinando diversas coisas para seus irmãos mais novos.

  1. Brinque de professor consigo mesmo

Não há nenhuma pessoa disponível para ouvir a sua “aula” sobre o conteúdo que precisa memorizar? Sem problemas, você pode fazer isso sozinho.

Para tornar esse exercício solitário mais estimulante, faça perguntas a si mesmo sobre o material. Especialistas em educação da Universidade de Michigan recomendam parar de vez em quando a leitura de uma apostila, por exemplo, e se questionar: “Quais são as informações principais deste trecho?”. Falar em voz alta, seja para fazer perguntas, seja para respondê-las a si mesmo, ajuda muito.

Um trabalho publicado em 2010 no “Journal of Experimental Psychology” indica que a produção oral tem impacto significativo sobre a retenção de informações. Os estudiosos fizeram o seguinte experimento. Diante de uma lista de palavras, os participantes tiveram que ler metade em voz alta e metade em silêncio.

Em seguida, tiveram que recordar o maior número possível de itens que haviam lido. Aqueles que haviam sido pronunciados foram muito mais lembrados do que os que haviam sido lidos sem a emissão de qualquer som.

  1. Anote tudo em um papel

Em tempos dominados por computadores e smartphones, cada vez menos pessoas cultivam o hábito de registrar informações à mão. O antigo método, contudo, é excelente para a memorização.

Ao usar o teclado ou a tela touch de um celular, processamos a escrita de forma mais superficial do que quando desenhamos as palavras com um lápis, dizem estudiosos das universidades de Princeton e da Califórnia.

Então, esqueça o bloco de notas digital, da próxima vez que precisar decorar alguma coisa, procure um bom pedaço de papel. Tanto faz se você vai escrever um texto corrido ou desenhar um esquema com flechas. O importante é transformar a informação a ser gravada em um registro manuscrito.

  1. Pense como um pintor surrealista

Um bom método para facilitar a retenção de uma informação é visualizá-la em um contexto inusitado, engraçado ou até surreal. Para compreender isso, imagine que você precisa decorar o nome de uma pessoa que você acabou de conhecer em um evento de networking: Joana Pontes, por exemplo.

Tente imaginar esse sobrenome, Pontes, dentro do rosto de Joana, sugere o especialista em memória Chris Moulin ao site “The Mirror”: pode uma ponte entre a orelha e a boca, por exemplo, ou alguma outra imagem digna de um quadro de Salvador Dalí.

Parece loucura? Pensar como um pintor surrealista, na verdade, pode ser bastante útil. Segundo Carla Tieppo, neurocientista e professora da Santa Casa de São Paulo, quanto mais nos espantarmos com uma imagem mental, mais chances ela terá de ser absorvida pelo cérebro de forma duradoura.

  1. Transforme tudo em música

Já parou para contar a quantidade de canções que você sabe de cor? Tem ideia de como as letras ficaram gravadas com tanta facilidade no seu cérebro? O segredo é a melodia por trás delas.

Não é por outro motivo que os professores de cursinho adoram criar paródias musicais para transmitir temas como a tabela periódica dos elementos químicos. Quando envolta em melodia, qualquer informação pode ser gravada mais facilmente.

Um estudo de pesquisadores norte-americanos e alemães mostrou que a criação de um padrão rítmico e melódico é um excelente auxiliar das funções cognitivas. Um experimento com portadores de esclerose múltipla sugere que o estímulo musical incrementa a “codificação profunda” durante o aprendizado verbal.

Seja para memorizar uma informação nova, seja para ser mais produtivo no trabalho, a audição de música tem efeitos surpreendentes. “Ela faz algo provavelmente único: estimula o cérebro de um modo poderoso a partir da nossa conexão emocional com ela”, resume a neuropsicóloga Catherine Loveday ao site do jornal “The Guardian”.

Artigo extraído e adaptado do site Exame

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Conteúdo relacionado:

11 Atitudes que melhoram absurdamente a sua qualidade de vida

 

 

Estas 7 perguntas podem medir a sua inteligência emocional

Especialista propõe 7 perguntas que podem ser feitas numa entrevista de emprego para avaliar as competências comportamentais e emocionais de um candidato

Uma pesquisa da consultoria TalentSmart mostrou que o QE (Quociente Emocional) de um profissional pode ser até mais importante para seu sucesso do que o celebrado QI (Quociente de Inteligência).

Segundo o estudo, cerca de 90% dos funcionários mais bem avaliados pelas empresas têm uma boa gestão de suas emoções. Apenas 20% daqueles com desempenho insatisfatório são dotados de tal característica.

Mas como saber se você tem um nível satisfatório de inteligência emocional – ou se ainda precisa investir mais no desenvolvimento dessa competência?

Para Harvey Deutschendorf, especialista em inteligência emocional e autor do livro “The Other Kind Of Smart” (Amacon, 2009), o desafio de medir essa competência é considerável.

Não à toa, diz ele, muitos recrutadores fracassam ao tentar avaliar qualidades como autoconsciência, autocontrole e empatia em candidatos a vagas de emprego.

“Muitos [headhunters] recorrem a seus instintos ou impressões subjetivas”, escreve Deutschendorf em artigo para o site da revista Fast Company. “Qualquer pessoa esperta já aprendeu a parecer inteligente do ponto de vista emocional numa entrevista, mesmo que não o seja realmente”.

Para ajudar profissionais de RH e candidatos, o especialista propõe 7 perguntas decisivas para medir essa competência num processo seletivo. O questionário não esgota as possibilidades de avaliação e pode ser adaptado. Confira a seguir:

1. O que mais incomoda você nas outras pessoas?
Deutschendorf sugere que a pergunta seja direcionada para o ambiente profissional, isto é, que o candidato fale sobre chefes, subordinados ou colegas de trabalho que o irritavam em seu emprego anterior.

A resposta contará muito sobre como você percebe e julga o comportamento das outras pessoas. Ao descrever como tentou conviver de forma pacífica com quem o incomoda, você ainda dará pistas sobre como entende o efeito do seu próprio comportamento sobre os demais.

2. Como foi um dia na sua vida em que tudo deu errado?
Não basta responder com um longo relato de um jornada difícil. É preciso falar sobre o impacto dos acontecimentos sobre as suas emoções e, sobretudo, como você lidou com o caos e a frustração.

Você se martirizou por causa dos problemas e culpou os outros? Ou você se concentrou em procurar soluções? O objetivo desta pergunta é avaliar os mecanismos de resiliência do candidato, isto é, seu jogo de cintura diante de situações incertas e imprevisíveis.

3. Pense num colega de trabalho que virou seu amigo. Por que vocês se dão tão bem?
Quem nunca ouviu o ditado “Diz-me com quem andas e te direi quem és”? De fato, os relacionamentos interpessoais que construímos dizem muito sobre nossa forma de ser. Mas também há muita informação por trás da nossa própria percepção dessas relações.

Ao fazer essa pergunta, o recrutador pode identificar como o candidato se enxerga e o que valoriza nas outras pessoas. Quem descreve um relacionamento baseado no bom humor – a não ser que ele seja sarcástico ou agressivo – ganha pontos na visão de Deutschendorf.

4. O que você poderia ensinar às outras pessoas?
Sim, esta pergunta é bastante vaga e aberta. Mas justamente por isso ela pode suscitar reações tão reveladoras. O headhunter deve prestar atenção aos detalhes: como a pessoa usa expressões faciais, tom de voz e linguagem corporal para transmitir uma ideia ou conceito?

“Um candidato inteligente emocional assumirá a responsabilidade de se fazer compreender”, escreve o especialista no site da Fast Company. “A oportunidade de compartilhar seu conhecimento é empolgante para ele, não o induz ao estresse e exige habilidades de comunicação que esta pessoa adora exercitar”.

5. Pense numa pessoa que você admira. Por que ela é digna do seu respeito?
A ideia aqui é identificar os seus modelos de comportamento. O objeto do seu fascínio é uma pessoa extrovertida ou reservada? Trata-se de alguém com pensamento estratégico ou movido por suas intuições?

Não há resposta certa ou errada. Em alguns casos, o candidato falará sobre alguém com quem ele se identifica pessoalmente; em outros, mencionará uma pessoa que possui exatamente as características que lhe faltam. A resposta será ainda mais rica se incluir o que o entrevistado acha que tem em comum com a pessoa de que gosta – e também quais defeitos enxerga nela, apesar de sua admiração.

6. Do que você sente mais orgulho em sua vida? Por quê?
Esta questão permite avaliar a imagem que você faz de si mesmo, e também a importância que atribui ao julgamento alheio para o seu bem-estar.

Deutschendorf chama a atenção para um detalhe especialmente sintomático: o candidato dá crédito a outras pessoas pelas suas realizações ou descreve a si mesmo como um “herói” autossuficiente? Às vezes as conquistas são realmente individuais, afirma ele, mas pessoas com inteligência emocional não ignoram a importância do apoio de familiares, amigos e colegas para seu sucesso.

7. Se tivesse a sua própria empresa, que tipo de pessoa contrataria e por quê?
A pergunta permite avaliar as qualidades que você valoriza em outros profissionais, bem como a sua própria forma de se relacionar em equipe.

Variáveis ligadas à inteligência emocional poderão ser medidas no modo como o profissional descreve seus métodos favoritos de trabalho em grupo, os tipos de personalidade que mais o atraem e seu estilo de liderança, diz Deutschendorf.

Extraído de exame.com.br

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:
Conteúdo relacionado:
Como o cérebro aprende