Arquivo: Profissionais

mulher

Bancos com mais mulheres na diretoria são mais rentáveis

No entanto, a maior equidade só resulta em melhores resultados financeiros quando a empresa tem política de igualdade.

 

Estudos já confirmaram que a diversidade no ambiente de trabalho traz resultados financeiros positivos para as empresas. Se você ainda não acredita nisso, uma nova pesquisa publicada pelo Banco da Inglaterra sugere que quando há mais mulheres na diretoria, os bancos são mais rentáveis. No estudo, as economistas Ann Owen e Judit Temesvary demonstram que há uma relação entre igualdade de gênero e resultado financeiro. No entanto, isso só acontece se a instituição já tem políticas de igualdade – ou seja, pouco adiantaria se um banco até então dominado por homens colocasse mulheres na diretoria sem fazer nenhuma alteração na cultura da empresa.

“Em bancos bem gerenciados, a diversidade de gênero tem um impacto positivo no desempenho – mas apenas depois de alcançado determinado nível de igualdade”, dizem as pesquisadoras.

De acordo com o estudo, a porcentagem de mulheres nos bancos norte-americanos vai caindo conforme se sobe na escada corporativa: elas representam 56,7% de todos os funcionários, 48% dos cargos de média gerência e 30,8% entre os executivos de nível sênior ou gerentes.

Mas, afinal, como a divisão entre homens e mulheres nas diretorias pode afetar o balanço de um banco? Há duas explicações. A primeira é que as mulheres têm mais chances de contribuir com experiência em determinadas áreas – ou seja, quando há mais mulheres na diretoria, é mais provável que o grupo tenha certas características, como experiência em recursos humanos ou em governança pública. Então, com um leque mais diverso de experiências, a tomada de decisão pode ser mais correta. Além disso, há uma relação entre participação feminina mais alta e menor probabilidade de reguladores tomarem ações contra o banco – o que sugere que a maior diversidade aumenta o controle e gerência nas instituições financeiras.

A segunda explicação é que a diversidade em si tem um impacto. Estudos anteriores mostraram que a diversidade está associada à maior criatividade e produtividade dentro das empresas. Isso só ocorre, contudo, se a cultura da empresa é preparada para a diversidade e se a participação de mulheres dentro da companhia é alta – as mulheres tendem a se expressar com mais frequência quando a participação feminina no grupo aumenta.

Para evitar atribuir à diversidade de gênero um efeito causado por algo relacionado à diversidade de outras características, as pesquisadoras incluíram diversas variáveis em suas estimativas, como idade, participação no conselho ou patrimônio. Uma das possibilidades é que os resultados financeiros ruins estejam relacionados à falta de diversidade – ou bancos de melhor gestão têm em comum a busca por maior diversidade. Para fazer o estudo, as autoras utilizaram dados de 87 bancos dos Estados Unidos entre 1999 e 2015.

“Nossos resultados mostram evidências de ambas hipóteses”, escrevem as economistas. “A maior equidade de gênero tem impacto positivo em várias medidas de desempenho uma vez que certo limiar de diversidade tenha sido alcançado”, dizem. “Por outro lado, a falta de diversidade tem um impacto negativo nessas mesmas medidas de desempenho.”

Artigo extraído e adaptado de Época Negócios.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

É preciso uma mudança cultural já na infância para superar desigualdade, diz primeira diretora do ICMC da USP

Filha de pai taxista e mãe costureira, Maria Cristina Ferreira de Oliveira e suas quatro irmãs são doutoras e docentes em universidades públicas brasileiras. Para ela, meninas precisam ser expostas à outras possibilidades, que não às tipicamente associadas às mulheres.

A cerimônia que anunciou, na última sexta-feira (17/08), a nova direção do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC), tinha tudo para ser mais um capítulo na história da instituição, não fosse pela escolha de sua representante. Pela primeira vez, em 46 anos, uma das principais instituições brasileiras na área de exatas terá uma mulher no comando.

Natural de São Carlos, interior de São Paulo, Maria Cristina Ferreira de Oliveira, 55, é graduada em Ciências da Computação pelo ICMC e doutora em Engenharia Eletrônica pela Universidade de Wales, no Reino Unido. Filha de pai taxista e mãe costureira, Cristina e suas quatro irmãs foram encorajadas a, desde cedo, se dedicar aos estudos e ingressar no ensino superior. O incentivo deu certo. Hoje, todas são doutoras e docentes em universidades públicas brasileiras.

CRISTINA É GRADUADA EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO PELO ICMC E DOUTORA EM ENGENHARIA ELETRÔNICA PELA UNIVERSIDADE DE WALES, NO REINO UNIDO (FOTO: ARQUIVO PESSOAL) – FONTE: ÉPOCA NEGÓCIOS

A nomeação de Maria Cristina é extremamente simbólica, já que a desigualdade de gênero também é um traço do mundo acadêmico no país. Nos últimos cinco anos, só 9% dos alunos formados pelo ICMC eram mulheres. De todas as 42 unidades de ensino e pesquisa da USP, apenas 35% são lideradas por mulheres.

Em entrevista a Época NEGÓCIOS, Maria Cristina falou dos desafios da educação no Brasil e de sua gestão no ICMC até 2021. Para ela, a desigualdade de gênero no país é uma questão cultural que precisa ser superada já na primeira infância.

Leia a entrevista:

Para você, qual o significado da sua posse no ICMC, que pela primeira vez tem uma mulher na direção?
Para mim é uma missão a mais. Me sinto muito honrada. Fui aluna do ICMC e vivi aqui ao longo da minha carreira, mas o fato de ser uma mulher, na minha opinião, é uma questão totalmente secundária. Por outro lado, posso ser inspiração para outras jovens que também sonham em seguir esse caminho.

Como o ICMC espera incentivar mais mulheres a ingressar na área das ciências exatas?
Nós temos um grupo de extensão que promove eventos e palestras para atrair um maior número de mulheres para esse universo das ciências exatas. Mas é claro que, para uma mudança radical nesse cenário, é necessária uma mudança de cultura. Desde a primeira infância, pais e professores deveriam expor as meninas a outras possibilidades além das tipicamente associadas às mulheres.

Quais as suas perspectivas para a área da pesquisa no Brasil, que nas últimas semanas foi alvo de polêmicas com o anúncio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível superior (CAPES) sobre um possível corte de bolsas de estudos?
O financiamento de pesquisas no país é uma questão complicada e cheia de incertezas. Mas aqui no Estado de São Paulo, nós temos a vantagem de contar com uma agência adicional que financia pesquisadores baseados no estado, que é a FAPESP. Por isso estamos confiantes de que as pesquisas de boa qualidade vão continuar independente dessas dificuldades. Embora a crise econômica do país possa ter impactos sobre os recursos destinados a pesquisas em maior ou menos grau, estou otimista e tenho perspectivas de continuar contribuindo com o que a precisamos, que é gerar conhecimento.

Em quais aspectos a educação no Brasil precisa melhorar para que mais mulheres e estudantes de escolas públicas, assim como você, também possam ter acesso a um ensino superior de qualidade?
O grande desfio do Brasil é garantir o acesso à educação de qualidade para um número maior de pessoas, e principalmente nos locais onde a renda é menor. Mas a melhor política de acesso à universidade é preparar o aluno para que ele consiga ingressar na universidade. Hoje, perdemos muitos talentos que poderiam estar no ensino superior porque a escola não deu a preparação necessária. Ensino Fundamental e Médio de qualidade. Esse seria o melhor jeito de garantir que todos tenham oportunidades.

O que você espera realizar ao longo da sua gestão?
Precisamos trabalhar para garantir a qualidade dos cursos que já são bem avaliados na Capes. Além disso, a evasão de alunos em alguns cursos é uma questão preocupante e que precisamos enfrentar. A questão do empreendedorismo, a interação com o setor produtivo e a necessidade de contribuir com empresas e governos também é um ponto importante. Garantir a troca de conhecimento entre universidade e sociedade é um dos maiores desafios.

Artigo extraído e adaptado de Época Negócios.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

trabalho

Como ter inteligência emocional no trabalho

As qualidades associadas a capacidade de identificar e controlar as emoções distinguem os melhores líderes do universo corporativo, segundo livro.

O que faz de um indivíduo um grande líder? Conhecimento, acuidade e visão, evidentemente. A isto, Daniel Goleman, autor do livro Leadership: The Power of Emotional Intelligence (Liderança: O poder da inteligência emocional), numa tradução literal) acrescentaria a capacidade de identificar e controlar as emoções – as nossas e as dos outros – e administrar os relacionamentos. As qualidades associadas a esta “inteligência emocional” distinguem os melhores líderes do universo corporativo, segundo o autor, ex-repórter de ciência do The New York Times, psicólogo e codiretor de um consórcio, na Rutgers University, que promove a pesquisa sobre o papel desempenhado pela inteligência emocional na excelência. Esta é sua breve lista de competências:

1. Consciência de si

Uma consciência realista de si: Você conhece seus pontos fortes e suas limitações; opera com competência e sabe quando confiar em outra pessoa da sua equipe.

Percepção emocional: Você compreende os seus sentimentos. O fato de ter consciência do que o deixa irritado, por exemplo, pode ajudá-lo a administrar a irritação.

2. Capacidade de administrar-se

Capacidade de recuperação: Você permanece calmo sob pressão e se recupera com rapidez dos golpes. Não fica remoendo os problemas, nem entra em pânico. Numa crise, as pessoas olham para o líder para se tranquilizarem; se o líder estiver calmo, elas também ficarão.

Equilíbrio emocional: Você sabe controlar os sentimentos aflitivos – em vez de explodir com as pessoas, você faz com que elas tenham consciência do que está errado e de sua solução.

Automotivação: Você avança sem cessar em direção a objetivos distantes apesar dos revezes.

3. Empatia

Empatia cognitiva e emocional: Como você compreende as perspectivas dos outros, sabe colocar as questões de maneira que os colegas compreendam. E está sempre disposto a ouvir suas indagações, para eliminar dúvidas. A empatia cognitiva, juntamente com a leitura cuidadosa dos sentimentos das outras pessoas, visa uma comunicação efetiva.

Sabe ouvir: Você presta total atenção ao outro e procura compreender o que ele está dizendo, sem discutir a fundo a questão com ele ou sem se afastar da pauta.

4. Habilidade de relacionamento

Comunicação convincente: Você expõe sua mensagem de uma maneira persuasiva, clara, de modo que as pessoas se sintam motivadas e tenham expectativas claras.

Trabalho em equipe: As pessoas se sentem relaxadas trabalhando com você. Um dos sinais: Elas riem com facilidade ao seu lado.

Artigo extraído e adaptado de Estadão.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

cinema

Filmes, séries e TEDs com ótimas lições de carreira

Você já parou para pensar que a todo momento estamos absorvendo informações e aprendizados que podem ser muito significativos para a carreira, inclusive, nas horas de lazer e descontração? Se nunca havia parado para pensar nisso, então, alerto que vale a pena ficar atento. Que saber como?

Quantas vezes você não foi ao cinema e saiu de lá com a sensação de que o filme visto havia mexido com você? Esse é o grande sinal: podemos tirar aprendizado de tudo. Sabe aquele dia preguiçoso – e despretensioso – debaixo das cobertas, no frio? Então, invista nele para ver com um outro olhar algo que pode já ter passado por você, mas que não deu tanta atenção. Para te ajudar nessa tarefa, selecionei alguns filmes que talvez você já tenha ouvido falar ou até mesmo assistido, mas que vale uma segunda olhada com foco no que ele pode agregar ao desenvolvimento da sua carreira. Vamos lá?

Erin Brockovich: esse filme vale a pena ser revisto porque aborda questões como determinação, desenvolvimento de competências, persistência, ética, persuasão, iniciativa, empatia e sentimento de dono.

À procura da Felicidade: filme emocionante sobre persistência, planejamento de carreira, coragem e motivação. Uma verdadeira lição de vida.

O Senhor Estagiário: esse é um filme que fala sobre ser mentor, líder e como orientar pessoas. Mostra como vale a pena colocar em prática pequenas atitudes como ser atento, observador, manter a calma e ser autêntico.

Fome de Poder: a trama aborda diversas questões que se completam, como inovação, coragem, persistência e desenvolvimento de equipes. Com certeza agrega muitos aprendizados.

O diabo veste Prada: antes de ficar com raiva – ou até mesmo dó – de Miranda Priestly, foque seu olhar no que a chefe durona proporcionou para Andy Sachs. Questões como resiliência, persistência e a importância do networking estão presentes em toda a trama.

É interessante dizer que não é só o cinema que pode agregar conhecimento de carreira para você. Por exemplo, vale muito a pena acompanhar estas duas séries:

O Sócio (The Profit): aqui um grande empresário mostra como salvar empresas de pequeno e médio porte, geralmente com grande potencial, mas que se encontram com problemas.

Shark Tank (Negociando com Tubarões): mostra empreendedores que vão ao programa apresentar as suas ideias de negócio a potenciais investidores (tubarões) com o objetivo de conquistar financiamento para seus projetos.

Para encerrar, eu não poderia deixar de falar dos TEDs, que são fontes valiosas de conhecimento e inspiração. Inclusive, confesso que é difícil escolher poucos, pois há uma infinidade deles que são muitos bons, hoje, no entanto, vou destacar dois: “Como ser um líder inspirador”, por Simon Sinek e “Mulheres e carreira”, por Sheryl Sandberg.

Extraído e adaptado de Exame – Carreira

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Conteúdo relacionado:

Como fazer a diferença hoje e promover um futuro melhor para as próximas gerações

 

 

 

 

 

5 formas de ensinar seu cérebro a ser mais feliz

RENEW_01-09_6.0.indd

 

 

 

 

 

manhã

6 rituais matinais para manter-se produtivo o dia todo

Seja por ser dono do próprio negócio ou por concentrar o foco no desenvolvimento da carreira, é fácil trabalhar dia e noite e acabar encontrando-se em um estado de constante exaustão. Nesta situação, torna-se difícil levantar da cama de manhã, e apertar o modo “soneca” repetidamente antes de sair correndo pela porta para começar um dia de 12 horas parece quase inevitável. No entanto, alguns ajustes na rotina permitem sair da cama pontualmente e ainda sentir-se energizado e produtivo.

O poder de começar cedo não é novidade: Tim Ferriss, Oprah e Tim Cook, por exemplo, iniciam seus dias antes do amanhecer. Alguns rituais matinais permitem aproveitar ao máximo essas importantes horas antes de começar, efetivamente, a trabalhar.

Descubra 6 dicas para manter-se produtivo o dia todo:

Tenha uma boa noite de sono
O verdadeiro segredo para uma manhã produtiva, no entanto, é a noite anterior. Uma ideia para dormir com a mente tranquila é, antes de ir para a cama, listar 10 coisas pelas quais se é grato. Especialmente quando tiver tido um dia ruim ou alguma coisa der errado, é um lembrete poderoso do progresso que foi feito com a família, a saúde e os negócios. Terminar o dia com lembranças positivas significa que, quando o despertador tocar, você estará pronto para começar uma nova etapa com o pé direito.

Anote uma intenção diária
Estabeleça sua intenção para o dia. Anotar os seus objetivos faz com que seja significativamente mais provável que você os alcance, e o que é registrado é cumprido. Sem isso, pode ser difícil manter o foco. Use uma agenda ou o bloco de notas do celular e registre um objetivo (só um!) para alcançar nas próximas 24 horas. Essas intenções devem ser sempre simples e realistas.

Dedique uma hora a você
Esta é, sem dúvida, a parte mais importante do ritual matinal. Encontre uma hora antes do trabalho para dedicar a você. Utilize-a para aperfeiçoar um idioma, fazer um pouco de exercício físico ou ler. A única coisa que você nunca pode fazer durante esse tempo é checar seu email. Abrir a caixa de entrada tão cedo permite que outras pessoas ditem as suas prioridades, tornando-o reativo em vez de proativo.

Descubra como alimentar-se adequadamente
Muita coisa pode acontecer entre 9h e 17h para estragar uma dieta saudável. Porém, escolher conscientemente a primeira refeição do dia (quando a força de vontade está em seu pico) torna mais fácil manter bons hábitos. Uma rotina saudável proporciona uma mente saudável e focada, e você não pode ser um líder confiante e enérgico se você não estiver abastecendo seu corpo da maneira certa.

Use o tempo de seu percurso eficientemente
Até mesmo um percurso de 20 minutos pode ser utilizado para trabalhar. Com a tecnologia de bluetooth dos carros, é possível programar entrevistas e conferências telefônicas para quando estiver dirigindo e disponível, e então ser produtivo em sua rota. Checar algumas coisas enquanto está em trânsito significa economizar um pouco do tempo no escritório. Também resulta em mais pensamento criativo, porque se está em movimento e em uma situação diferente.

Tenha uma boa noite de sono
O verdadeiro segredo para uma manhã produtiva, no entanto, é a noite anterior. Uma ideia para dormir com a mente tranquila é, antes de ir para a cama, listar 10 coisas pelas quais se é grato. Especialmente quando tiver tido um dia ruim ou alguma coisa der errado, é um lembrete poderoso do progresso que foi feito com a família, a saúde e os negócios. Terminar o dia com lembranças positivas significa que, quando o despertador tocar, você estará pronto para começar uma nova etapa com o pé direito.

 

Extraído e adaptado de Forbes Brasil.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Conteúdo relacionado:

 Quer morar na Europa? Estes são os 10 países que oferecem vistos de forma mais simples e barata

 

 

 

 

5 sinais de que você foi feito para empreender pelo mundo

14 hábitos para evitar no dia a dia

Nossos hábitos podem fazer uma grande diferença na vida pessoal e profissional. Frances Bridges, colunista da Forbes, publicou em seu espaço uma lista de 14 hábitos comuns que as pessoas devem evitar para melhorar o desempenho profissional. Segundo Frances, que costuma dar dicas sobre carreira, especialmente para jovens mulheres, esses maus hábitos podem ser convenientes no curto prazo, porém bastante prejudiciais quando analisado em uma perspectiva de tempo maior. “Hábitos são a fundação de quem somos como pessoas e como profissionais. Somos o produto de nossos hábitos diários, e escolhemos todos os dias se queremos melhorar, manter a excelência ou contribuir para nosso próprio descontentamento”, escreve.

Confira o que Frances sugere evitar para se atingir melhores resultados na carreira e, consequentemente, mais satisfação na esfera pessoal.

1. Levar para o lado pessoal
É cansativo quando se atribui qualquer interação com as pessoas como sendo aquilo que eles sentem em relação a você pessoalmente. E geralmente isso não é realidade. Não tomar como pessoais as coisas relacionadas ao trabalho pode poupar muito do estresse no mundo corporativo e aborrecimentos desnecessários.

2. Ficar preso ao passado
O passado é o que é, diz Frances. Não há utilidade nenhuma em guardar mágoas e rancores. A única pessoa impactada por esse tipo de atitude é você mesmo.

3. Sempre checar e-mails e redes sociais
Se alguém precisar esperar cerca de duas horas pela resposta de um e-mail, a pessoa que espere. O mundo não vai acabar, relaxe.

4. Se preocupar constantemente
Preocupações não resolvem problemas. Se o motivo da preocupação é algo que está fora do seu alcance, então não há razão em se preocupar. Se você realmente puder fazer algo a respeito, pare de se preocupar e parta para a ação. Preocupações são uma perda de energia; foque naquilo que você pode controlar.

5. Negatividade
Se você é negativo, você não é parte da solução, é parte do problema. Você não está apenas sugando a sua energia, mas a de seus colegas, do seu local de trabalho, de seus amigos e sua família. Não é produtivo, então tente focar na positividade.

6. Dormir muito
Dormir muito não melhora sua energia, não cria energia de reserva e muito menos faz com que você fique mais atento quando acorda. Na verdade, tem o efeito contrário: dormir muito nos deixa letárgicos. Dito isto, garanta o tempo suficiente de sono, entre 7 e 8 horas por noite, como uma grande contribuição para sua saúde e vitalidade.

7. Dieta inadequada
Se você está consumindo muito açúcar, carboidratos e gordura trans, está se prejudicando. Seja cuidadoso com aquilo que você come. Coma aquilo que te dá energia, como verduras e legumes, proteínas, e gorduras saudáveis, e não comidas que tiram a sua energia.

8. Reclamar
Ao reclamar, você não está apenas projetando negatividade, está incomodando as pessoas que trabalham no seu lado. Ninguém quer estar perto de uma pessoa que reclama de tudo. Não seja parte do problema, seja parte da solução. Faça algo produtivo ao invés de reclamar.

9. Não dar continuidade
Prometer algo a um amigo, ao colega de trabalho ou ao seu chefe e não entregar, gera mais estresse, ansiedade e trabalho para você mesmo e diminui sua autoestima. Faça o que você disse que iria fazer, quando você disse que faria e você terá mais energia e autoestima.

10. Ser coadjuvante
Ser um coadjuvante de sua vida e carreira faz com que você se sinta desconectado de sua própria vida. Tome o controle e assuma o protagonismo. Ninguém vai se preocupar mais com sua vida e carreira do que você mesmo, então, se você está infeliz, tome o controle e mude sua vida.

11. Pensar muito
Uma vez que tenha analisado algum tema e tomado uma decisão a respeito, procure mantê-la. Pensar muito é geralmente improdutivo e apenas gera estresse desnecessário. Elabore quais os riscos de uma determinada decisão, faça o que você pode fazer para minimizá-los e então siga em frente. Pensar demais não gera um resultado melhor, apenas suga sua energia enquanto você toma uma decisão difícil.

12. Fofocar
Levantar discussões sobre outras pessoas e ‘criar dramas’ não ajuda em nada a avançar na carreira ou a construir relações com seus colegas de trabalho e amigos. É desperdiçar energia em algo que geralmente não tem nada a ver com você e não é da sua conta. Não gaste energia falando sobre outras pessoas ou tentando fazer a vida delas mais difícil. Coloque essa energia em cuidados com você mesmo e com melhorias pessoais.

13. Relações tóxicas
Assim como não reclamar, não fofocar e não criar dramas, você também não deve se envolver com pessoas tóxicas. Se elas falam mal de outras pessoas, elas podem estar falando mal de você para os outros também. Cerque-se de pessoas que são positivas e que dedicam suas energias para sua própria excelência e melhoram aqueles que estão ao redor.

14. Tentar agradar aos outros constantemente
Você nunca agradará todo mundo, então é melhor tentar agradar a si mesmo. Você está feliz e orgulhoso de quem é? É tudo o que importa. Se alguém não gostar de você quando você está em sua melhor forma, este não é um problema seu, e sim deles.

E então, se identificou com algum desses hábitos? Agora é tentar colocar em prática e melhorar a sua rotina no trabalho.

 

Artigo extraído e adaptado de Época Negócios

 

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Conteúdo relacionado:

Como fazer um planejamento pessoal eficiente

 

 

 

 

 

A melhor forma de dizer a verdade

A melhor forma de dizer a verdade

Fazendo uma análise rápida nos grupos de pessoas que você se relaciona, você considera que as pessoas têm facilidade para dizer sempre a verdade?

Dizer a verdade em um ambiente de trabalho nem sempre é uma tarefa fácil. Mesmo quando há programas de avaliação de desempenho estruturados nas empresas, percebemos que a maioria esmagadora dos profissionais, mesmo em posição de liderança, mascara a verdade por receio de magoar as pessoas ou serem mal interpretados.

Se direcionamos o nosso olhar para o âmbito familiar e social, torna-se um desastre maior. O resultado acaba sendo relacionamentos dissolvidos, abandono do lar e ambientes de tensão conturbados pelas discussões e verdades ditas de forma dura e cruel.

Então, como é possível dizer a verdade sem ser cruel?

É necessário um ingrediente insubstituível, que não pode faltar quando queremos dar a alguém um feedback sem ferir sentimentos. Para mim, esse ingrediente principal é a Compaixão! Deveríamos até nomeá-la como uma competência essencial para qualquer posição de trabalho. E para que eu a tenha no trabalho, preciso antes exercitá-la em casa!

A compaixão está presente no nosso olhar acolhedor para o outro, na escuta atenta, no sorriso verdadeiro, no pensamento de bondade, no aperto de mão transmitindo confiança, no abraço simples que enlaça o outro, desejando felicidades. Compaixão é a capacidade de sentir o que o outro sente.

Deixamos de usá-la quando somos intolerantes com as perguntas repetitivas ou quando o outro não enxerga o que vemos; em momentos de impaciência ao explicar aquilo que para nós é tão simples; em situações em que usamos a ironia e o sarcasmo para repreender as pessoas a nossa volta ou para expressar ao outro um pensamento divergente; enfim, quando nos colocamos em uma posição superior. E mais, quando não nos permitimos errar e nos cobramos tanto a ponto de não enxergarmos as nossas próprias capacidades em uma ânsia inútil de atingir a perfeição. Neste caso, a falta de compaixão é consigo próprio.

Isso faz sentido para você?

Reflita então sobre o assunto, conecte-se ao seu Eu Maior, a sua essência (assista um vídeo sobre meditação), dispondo-se a entender que cada pessoa possui suas próprias características, suas dificuldades, seus medos e não são exatamente como queremos que elas sejam, porque assim como nós, elas são únicas.

Desejo que a sua compaixão para com o outro e para com você crie laços verdadeiros, fortaleça as suas amizades e permita despertar todo o seu potencial para a missão que abraçou em sua vida profissional e pessoal; que não se intimide diante das previsões pessimistas, nem tão pouco diante das próprias dificuldades!

“A verdade sem compaixão se torna crueldade – para os outros e para nós mesmos.” Schwartz e Loehr, do livro “The power of full engagement”

Um abraço de muita energia para você!

Wayne Valim

PS#1 – Uma forma de se conectar ao seu Eu Maior e à sua essência pode ser por meio da Meditação. E é sobre isso que falo no vídeo desta semana assista -> clicando aqui <-

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Conteúdo relacionado:
5 frases que fazem você parecer fraco no trabalho
carregar_9_4_2017_as_09_47_33
Odeio meu emprego, e agora?

carregar_1_4_2017__C3_A0s_12_35_28

Dicas para construir uma carreira de impacto

A nova geração que está entrando no mercado de trabalho sabe que ao escolher a organização em que deseja atuar e qual vaga irá ocupar pode, e deve, levar em consideração: o seu propósito, o que gosta de fazer e o que quer gerar de valor. Tal decisão sobre a carreira é essencial no processo de construção de uma trajetória profissional que traga felicidade e que gere impacto.

Na contramão disso, a crise econômica tem colocado em xeque essa forma de fazer carreira. A escassez de oportunidades representa uma força contrária, que pode levar o jovem a abdicar de motivações pessoais para escolher seu emprego só com base nas oportunidades que aparecerem.

O importante é não desanimar e seguir estas dicas para solidificar a carreira e garantir um futuro estável:

1) Qualificar-se ainda mais. É sempre bom lembrar que inglês e nível superior completo já não são diferenciais. Pós-graduação ou cursos online são boas oportunidades para quem pode investir nos estudos –e nem sempre é preciso dinheiro;

2) Não esperar uma oportunidade de emprego para ganhar experiência. Por meio de trabalhos voluntários e de projetos paralelos, encontre experiência prática. Isso não só servirá para adicionar um item ao seu currículo, como também para desenvolver habilidades e adquirir conhecimento;

3) Desenvolver competências para lidar com ambientes em crise, ou seja, aprender a trabalhar sob pressão, ter foco em resultado, lidar com o acúmulo de responsabilidades e desenvolver flexibilidade para mudanças recorrentes. A resiliência passa a ser um atributo essencial;

4) Não são os volumes de aplicações e de processos seletivos que te levarão a conseguir um emprego. Isso pode até fazer você perder tempo, foco e aumentar sua insegurança. É mais importante ser assertivo e buscar um em que haja um matching, isto é, que haja uma combinação entre o que você sabe fazer bem e a função daquela vaga;

5) Olhar para todo o mercado e procurar as empresas que estão crescendo mesmo com a crise, ou então para as que acabaram de realizar fusões ou aquisições. Existem várias delas no mundo empreendedor das startups;

6) Para quem conseguiu um emprego, mas que ainda não é aquele dos seus sonhos, é preciso ficar atento para explorar as possibilidades de desenvolvimento, entregando resultados e não deixando de se preparar e de buscar a oportunidade que mais quer –uma futura promoção, uma mudança de área ou a vaga em outra empresa.

Um cenário difícil está desenhado para a maioria dos jovens. Para enfrentá-lo e conquistar uma carreira de impacto, é primordial que eles não se coloquem como um problema social e que lutem para tornar realidade aquilo sempre ouviram: que o jovem representa o futuro do Brasil.

Artigo extraído e adaptado do site UOL.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Conteúdo relacionado:
Ter uma meta na vida traz longevidade

adventure-babe-best-friend-grunge-Favim.com-2615737

Como conseguir um horário na agenda de pessoas ocupadas demais para você

tiempo-agenda

Dicas para lidar melhor com as críticas

Sabe aquela coisa automática de “a sua opinião é muito importante para nós”? Pois é. Opiniões até são mais bem aceitas, mas, quando o assunto é crítica, a receptividade nem sempre acontece. A lógica é simples: ninguém gosta de ouvir que está errado.

O fato é que, independente disso, seremos criticados. A vida não é exatamente uma série de eventos divertidos e prazerosos, e, por isso, é sempre bom aprendermos a lidar com aquilo que não nos agrada.

Primeiramente, é bom entender que críticas não nos fazem mal apenas porque não gostamos de ouvir que estamos errados. Além disso, uma crítica faz com que a gente sinta que não é bom o suficiente em determinados aspectos, o que acaba afetando também a nossa autoestima. Receber críticas também pode nos deixar incertos e sem esperança com relação ao futuro. Não é de se espantar, então, que a maioria das pessoas as interprete como uma forma de ataque pessoal. Mas e se disséssemos que ser criticado é algo positivo? Você acreditaria?

É verdade

A expert em estratégias de negócios Kathleen Caldwell explica que precisamos mudar nosso ponto de vista a respeito das críticas que recebemos. Deixar de enxergá-las como aspectos puramente negativos já é um grande passo. Em vez disso, que tal pensarmos nessas críticas como uma forma de melhorar nossos aspectos negativos e, dessa maneira, crescer?

Por isso, é preciso aceitar que, como todas as pessoas no mundo, sem exceção, você tem pontos negativos que podem ser melhorados. O reconhecimento dos seus defeitos é um passo importante para isso, e pessoas de sucesso costumam ter sucesso porque sabem de suas limitações e procuram formas de melhorar.

“Críticas, ou feedbacks, são muito importantes porque nós temos pontos cegos em relação à nossa vida pessoal e profissional, e nós não conseguimos nos enxergar da maneira como os outros nos enxergam”, explica a especialista. Saber como as pessoas nos veem é fundamental para que, dessa maneira, possamos mudar algumas atitudes e fazer ajustes.

Mudança de ponto de vista

Além disso, é fundamental deixar de pensar em críticas como formas de ataque pessoal. Imaginar que as críticas que você recebe são um feedback é uma boa forma de tirar a carga negativa que elas possam ter nesse sentido.

Outra coisa importante a ser feita é considerar a origem desse feedback. A pessoa que está falando que sua apresentação no trabalho poderia ter sido melhor é alguém que sabe apontar quais foram os erros? Ou é alguém que nem entendia do que você estava falando? É preciso saber se a pessoa que faz a crítica está tentando ajudar ou desmotivar você.

Nesse sentido, ouvir a crítica com atenção e evitar ficar na defensiva logo de cara, que é a reação mais comum, é fundamental. Manter o foco e estar disponível para um diálogo aberto e sincero é mais uma ação necessária. Para isso, escute tudo com calma e respire profundamente enquanto ouve o feedback – isso vai deixar sua mente confortável e relaxada, e assim você vai conseguir realmente ouvir o que a pessoa está dizendo, e não apenas interpretar tudo na defensiva.

Em vez de crítica, chame de “feedback”

Repense seus conceitos de crítica, de modo que seja possível rever o que ser criticado significa. Quando alguém é criticado por chegar atrasado sempre às reuniões do trabalho, essa pessoa pode interpretar isso como uma ameaça ou um comentário negativo de modo geral quando, na verdade, a mensagem é bastante simples: chegue mais cedo na próxima vez.

Para evitar interpretações equivocadas, Kathleen recomenda que seja feita uma lista com as informações que recebemos em um feedback e as interpretações que demos a elas. Colocar tudo isso no papel nos ajuda a ter uma visão real do que aconteceu, afinal o importante é focar nos fatos, não no drama que fizemos em volta deles.

A partir dessa visão sistemática do feedback, podemos determinar a importância dele, pois a verdade é que nem toda crítica tem fundamento. Para saber se o que você ouviu é realmente importante, dê um passo para trás e tente voltar à situação a respeito da qual você foi criticado. Analise-a como se ela não tivesse sido vivida por você, mas por outra pessoa. Se precisar de ajuda, peça os conselhos de um amigo em quem você confia.

Perguntar não ofende

Além de tudo, faça perguntas. Quando nos sentimos criticados, é fácil interpretar o que ouvimos de maneira equivocada. Nesse sentido, se você não entendeu o que a pessoa quis dizer, questione. Se não sabe como fazer isso, um jeito simples é repetir o que a pessoa disse e emendar com: “Estou entendendo corretamente?”.

Por mais estranho que seja, faria muito bem para você se você conseguisse, depois de ouvir uma crítica, agradecer por ela. Depois, diga o que você pretende fazer a respeito do que ouviu. No caso da pessoa que chega atrasada às reuniões, pode ser bom ela dizer que haverá mais comprometimento nesse sentido.

E, claro, uma vez que você fala que vai fazer alguma coisa, é preciso cumprir isso. Mais tarde, você pode voltar a conversar com quem criticou sua postura e perguntar se essa pessoa sente que você progrediu de alguma forma. Pode ter certeza que isso vai ser positivo.

Artigo extraído e adaptado do site Mega curioso.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Conteúdo relacionado:
As 8 regras de ouro do feedback
carregar_9_4_2017_as_10_22_35
Estudo revela o que pode tornar um emprego entediante 

carregar_18_4_2017_as_09_01_47

Estudo revela o que pode tornar um emprego entediante

Fazer sempre as mesmas coisas durante anos ou não fazer nada ao longo de um dia inteiro de trabalho pode se tornar entediante para muitos funcionários. Entretanto, uma pesquisa revelou que não é bem assim. Existem outras interpretações para essa palavra dentro de um ambiente corporativo.

Para entender o significado de emprego entediante, o Instituto Finlandês de Saúde Ocupacional fez um estudo com 72 empregados e supervisores de áreas como finanças, administração e vendas. A iniciativa integra um projeto que analisa os níveis de engajamento no trabalho no país.

Pelos resultados do estudo existem três tipos de tédio:

Primeiro tipo: sentimento de inércia, ou seja, o trabalho não atende às expectativas do funcionário. Tudo cai numa rotina chata e as tarefas oferecidas não são suficientemente desafiadoras.

Segundo tipo: aceleração do trabalho. É quando o funcionário tem trabalho demais ou considera as metas estabelecidas pela empresa fora da realidade.

Terceiro tipo: ritmo de trabalho perturbado, ou seja, quando o funcionário é constantemente interrompido na hora de executar suas tarefas ou enfrenta burocracias demais para desenvolvê-las.

Nos três casos identificados, os colaboradores ficam entediados porque não conseguem empregar no dia a dia todas as suas habilidades e seus empregadores não reconhecerem as atividades que são realizadas. Ou seja, em todos os casos há uma subutilização das habilidades do trabalhador.

“Embora sentimentos ocasionais de tédio sejam comuns e inofensivos, é preciso ter cuidado para que eles não se tornem dominantes ou permanentes”, disse Lotta Harju, uma das autoras do estudo, em entrevistas internacionais.

Lotta também alerta que o tédio constante corrói o bem-estar, aumenta o estresse e o turn over e diminui a produtividade. “Esse sentimento, muitas vezes, permanece escondido, porque o trabalhador entediado está fisicamente presente, mas não mentalmente”, conclui.

Artigo extraído do site Mundo Carreira.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Conteúdo relacionado:
5 frases que fazem você parecer fraco no trabalho
carregar_9_4_2017_as_09_47_33
Odeio meu emprego, e agora?

carregar_1_4_2017__C3_A0s_12_35_28