Arquivo: Wayne Valim

Como pedir perdão

Natal nos inspira a fazer as pazes, viver em harmonia e estar bem com todos. E isso muitas vezes requer pedir perdão por algo ruim que fizemos.

Mas, cá entre nós, pedir perdão, às vezes, pode ser bem complicado; dependendo da situação e da pessoa, então…

Quero compartilhar uma tática que pode ser bastante eficaz e mais fácil de executar. Eu a uso sempre e costuma ter bons resultados. Ela funciona assim:

Em vez de pedir perdão, você vai agradecer!

“Como assim, Wayne?”

Vou explicar com exemplos!

1 – Você chega atrasado. Em vez de pedir desculpas e ficar se justificando, dizendo que o trânsito estava ruim, que perdeu a hora, alguém te atrasou, blá, blá, blá…. diga:

Muito obrigado por me esperar. O que posso fazer para agilizar agora? ( E pronto! Não precisa justificar e tecer aquela ladainha que costumamos falar).

2 – Você disse algo que deixou a outra pessoa triste? Diga:

Obrigado por entender que às vezes falo o que você não merece ouvir. Serei mais atento. (e só!).

3 – Se esqueceu de fazer algo prometido:

Obrigado pela paciência, vou buscar agora.

4 – Discutiu com o cunhado, a sogra, o genro, o irmão… e deixaram de conversar por um tempo:

Fico muito grato por se importar com meus filhos, por ser uma pessoa atenciosa, pelo respeito com os meu pais…

Encontre algo de bom naquela pessoa (acredite, todos têm!) e agradeça; simplesmente, agradeça.

Use a criatividade!

Claro que pedir perdão é uma atitude nobre e deve ser feito sempre que julgar importante, mas há pessoas que pedem tantas desculpas e se justificam tanto, que a atitude em si deixa de ter valor. Sem contar o tempo enorme que gastam contando detalhes das inúmeras desculpas…

Então, aprenda a agradecer e fuja do justificar-se.

Atitudes simples como essa demonstram que você se importa, mostra sua autoconfiança, seu respeito pelos outros e vão despertar a admiração deles por você.

Mas, claro, aprenda a perdoar, senão não será capaz de agradecer de coração.

Aproveite a época favorável e reate seus relacionamentos, especialmente com as pessoas da sua família.

Sabe por quê?

A nossa família é o maior tesouro que temos! Na hora das dificuldades, o que vai valer na realidade é a sua família, por mais difícil que seja o relacionamento entre vocês.

Se ainda não tem orgulho da união da sua família, que você seja a luz a despertar o carinho e bom relacionamento entre todos.

Wayne Valim

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Antídoto contra o pessimismo

Quando a chave da abundância ligou na minha cabeça

Eu tinha colocado uma meta para mim: “não emitir uma reclamação sequer por uma semana.”

Duvidei muito se conseguiria, mas como sou determinada, segui em frente…

Isso incluía não reclamar do tempo frio (já que estava fazendo 10 graus negativos na cidade onde moro, na Polônia), do pão que acabara de queimar no forno, da internet que tinha caído, do cliente que tinha cancelado em cima da hora, da fila no supermercado…

Foi um esforço tremendo, mas comecei a perceber que essa atitude tão simples estava me abrindo um novo pensamento:

A positividade gera criatividade.

A criatividade cria oportunidades.

As oportunidades aumentam a motivação e a força de vontade.

Consequentemente, a motivação e a força de vontade trazem melhores resultados e mais abundância.

Se você pensar bem, todos nós desejamos a abundância na vida: queremos mais tempo, muitos amigos, inúmeras oportunidades, mais informações; desejamos muita saúde, bastante grana e recursos infinitos.

Mas a todo momento, nos conectamos a pensamentos de escassez.

E fazemos isso quando:

  • reclamamos;
  • criticamos;
  • não acreditamos no nosso potencial;
  • encontramos defeitos em nós e nos outros;
  • duvidamos da nossa capacidade;
  • enxergamos somente os erros;
  • nos colocamos como vítima;
  • damos crédito à crise;

… e também quando nunca estamos satisfeitos com nada, há sempre alguma coisa faltando.

Isso acarreta:

  • frustração;
  • medo;
  • ansiedade;
  • desmotivação;
  • isolamento;
  • baixa autoestima… e tantas outras consequências negativas.

Se desejamos tanto a abundância e a fartura, é imprescindível mudarmos o discurso.

Por saber que essa é uma tarefa árdua, pois envolve mudança de Mindset, gravei este vídeo para te ajudar nesse jogo:

Pode ser difícil no começo e, claro, vai exigir mais disciplina de você. Mas depois, isso se tornará um hábito e você verá ganhos incríveis, além de se tornar uma companhia mais agradável.

Você possuirá um magnetismo tão incrível, que todos vão querer estar mais perto de você.

Espero que aprecie o vídeo e que possa compartilhar com todos os quais “a ficha da abundância ainda não tenha caído”.

E.T.: Me esqueci de dizer que a minha meta naquela semana não foi cumprida totalmente, porque me peguei reclamando por ter esperado 5 horas para ser atendida no escritório de imigração… :/

Mas posso dizer que cada dia mais estou me superando e que hoje naturalmente procuro ver o lado bom de tudo, mesmo quando me sinto magoada. Um treino diário, mas hoje com muito mais leveza do que naquela semana.

Wayne Valim

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

pedido atendido

Aumente em 50% as chances de ter um pedido atendido

Já imaginou se tudo que você quisesse na vida para o seu bem fosse prontamente atendido por todos a sua volta?

Melhor ainda, se as pessoas pudessem adivinhar o que está precisando ou desejando: mais compreensão, responsabilidade, obediência; quando quer se divertir, ficar sozinho, conversar, relaxar…

Bom, no mundo real não é bem assim que funciona (rs), mas, acredite, podemos tornar as coisas muito mais fáceis.

O problema é que complicamos mais do que facilitamos. Fazemos pedidos vagos, genéricos, ambíguos e abstratos.

Basta pensar nos pedidos que fazemos em casa para nossos cônjuges, pais, filhos, irmãos…

Um exemplo:
O marido chega em casa e a esposa diz: “- Amor, gostaria que não ficasse até tão tarde no trabalho”.
Na semana seguinte ele chega para ela e diz: “- Amor, como você estava preocupada por eu estar trabalhando muito, fiz a minha matrícula no MBA.”

E o que ela estava realmente pedindo? Que ele chegasse mais cedo em casa. Mas o pedido foi ambíguo. Não estava claro!

Pior ainda quando jogamos indiretas ou fazemos algumas piadinhas esperando que a outra pessoa capture a mensagem:
“Ah, se as pessoas me ajudassem mais, eu conseguiria ter um tempo pra mim.”

O fato é que todos nós temos necessidades, vontades, desejos.

Queremos ser mais felizes do que somos, desejamos ser mais compreendidos, apoiados, respeitados…

E esperamos muito das outras pessoas para suprir ou realizar as nossas necessidades. E não deixamos isso claro para elas.

Quando nos dirigimos às pessoas, sem dizer claramente o que queremos, é possível que surjam discussões improdutivas, falta de entendimento, frustrações, irritabilidade, estresse.

Como, então, expressar os nossos pedidos para que as pessoas estejam mais dispostas a atender as nossas necessidades?

Aqui estão 3 dicas cruciais:

#1 – Tenha clareza do que você quer que aconteça.
O que você está querendo e não está obtendo?
Pense em termos práticos: a sala limpa, os papeis na gaveta, aumento do faturamento em 30%, o relatório entregue no dia x.

#2 – Utilize uma linguagem positiva!
Somos mestres em falar no negativo (“pare de gritar”, “não me aborreça”, “não quero ser pressionado”, “não se esqueça de me avisar”).
Quando fazemos isso, reforçamos exatamente o que está ruim, concorda? “gritar, aborrecer, pressionar, esquecer…”

Então diga:
“Preciso de silêncio em casa para me concentrar melhor”;
“Necessito diálogos que me motivem, que reforcem as minhas qualidades”;
“Preciso de mais 1 hora para finalizar essa atividade”…

#3 – Solicite ações concretas.
Evite frases vagas, abstratas ou ambíguas, porque cada pessoa interpreta de acordo com o pensa sobre o assunto.

Exemplo de pedidos vagos ou abstratos:
“Quero que seja responsável”;
“Quero que me entenda”;
“Quero ter mais liberdade”;

Por quê?
– Ser responsável para você pode ser diferente de ser responsável para o seu filho.

Exemplo de pedidos concretos:
“Gostaria que você chegasse em casa antes das 19h”;
“Gostaria que tivesse 20 minutos do seu dia para sentar e conversar comigo sobre os meus desafios no trabalho”;
“Fico feliz quando nos divertimos juntos. Podemos sair para jantar no sábado?”

Quando nossas necessidades não estão sendo atendidas ou nossos sentimentos não são respeitados, tendemos a nos isolar e nos fechar cada vez mais, porque nos sentimos incompreendidos.

Portanto, atente-se para isso e reavalie a forma que vem expressando suas ideias e fazendo suas solicitações. Peça feedback, treine, faça diferente.

Uma vez que o seu pedido estiver claro, direto, concreto, positivo, você já terá atingido 50% de chance de tê-lo atendido.

Restará somente a disponibilidade e a vontade do outro, mas a sua parte foi realizada com sucesso!

Abraços de energia!

Wayne Valim

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Brasil camiseta

O que ameaça vitória do Brasil na Copa também é perigo para sua carreira

Após uma estreia morna na Copa do Mundo, o torcedor brasileiro agora se preocupa: será que o hexa vem mesmo? A falta de acertos da seleção no jogo contra a Suíça, segundo o técnico Tite, aconteceu pelo abalo do emocional da equipe, que estava “ansiosa”.

Gestão emocional é um desafio antigo para jogadores. Além do doloroso resultado de 7×1 no jogo contra a Alemanha em 2014, os brasileiros sempre se lembrarão da instabilidade que sua seleção mostrou em campo durante a goleada.

A falta de inteligência emocional da equipe brasileira não é uma ameaça apenas ao sonho do hexa. Assim como os atletas, todo profissional deveria estar atento ao problema se deseja ser bem sucedido.

Segundo livro “Inteligência Emocional 2.0”, dos especialistas Travis Bradberry e Jean Greaves, cofundadores da TalentSmart, sucesso e inteligência emocional andam lado a lado. Em pesquisa, os autores verificaram que 90% dos colaboradores de alto desempenho têm essa inteligência elevada.

Na prática, o diferencial desses profissionais é conseguir dar o seu melhor e também influenciar outros se superarem, mesmo em momentos de estresse, segundo explica Paulo Vieira, master coach e fundador da Febracis. “Isso acontece pela alta capacidade de se conectar consigo mesmo e com as pessoas ao redor”, diz.

Segundo a psicóloga Elaine Di Sarno, a pressão e emoções durante um jogo de futebol são naturais – ainda mais para os brasileiros. No entanto, é preciso trabalhar uma estratégia para se fortalecer e conseguir contornar as dificuldades.

“Aqui entra o autoconhecimento para saber como você lida com a pressão e ter estratégias para não ceder a ela. Você entra em campo sabendo que pode tomar um gol, assim como podem ocorrer contratempos no trabalho”, afirma ela.

O fundador da Febracis lembra que a vitória depende do equilíbrio entre a superioridade das habilidades técnicas e emocionais. “Não vale nada ter um gênio do futebol, mas que briga com todo mundo, desobedece o técnico e não passa a bola”, fala.

Quanto a isso, ele acredita que a seleção desta Copa é superior à da edição de 2014. Vieira vê maior equilíbrio e maturidade dos atletas, que carregam experiências em grandes times europeus e não colocam o ego em jogo, facilitando seu entrosamento.

Seleção tem um “CEO” mas não tem “gerente” em campo

Mesmo o time próximo à perfeição, o perigo ainda paira pela falta de um elemento chave para guiar as emoções em campo: uma super liderança.

O técnico brasileiro decidiu fazer o rodízio do posto de capitão do time. A tática pode motivar os jogadores ao colocar a responsabilidade sobre o grupo. Porém, para os especialistas, a mudança de liderança impacta diretamente na consistência dos resultados de uma equipe.

“O Tite é um líder extraordinário. Mas, como técnico, ele seria o CEO da empresa. Para que os funcionários deem seu melhor, eles não falam direto com o presidente, mas com o gerente. No momento, falta isso para o time”, diz Vieira.

Sob pressão, o papel do líder é manter o foco na meta final. Uma parte do jogo é marcar pontos, porém é preciso frieza para enxergar a estratégia que leva o time ao principal objetivo: vencer a partida.

“O Brasil precisa de alguém com alta inteligência emocional para a liderança. Além de craques, o time precisa de alguém determinado, rápido nas decisões, sem vaidade e que dê confiança para o resto dos jogadores”, fala o especialista.

A cada jogo só aumenta a pressão. Segundo Vieira, a boa liderança depende do que pede a situação: “os melhores líderes aparecem sob demanda”. Para a Copa, seria bom que ele tomasse o posto logo.

100% você

Uma das falhas da seleção é relacionada à competência da inteligência emocional que é vinculada à conexão com o outro. A outra, com o autoconhecimento e a autoestima.

Quanto mais alto o cargo, maior é a demanda por resultados de alta qualidade. No mundo do futebol, a Copa do Mundo é o ápice. O mundo está observando e os torcedores estão de olho em cada erro. Mesmo estando entre os melhores do mundo, uma falta de preparo emocional pode levar à autossabotagem.

“Um termo popular para isso é Síndrome de Impostor, quando o profissional começar a duvidar que merece a posição que ocupa. Sempre existe a chance do erro, mas é necessário trabalhar a confiança em suas capacidades”, explica a psicóloga.

Essa insegurança leva o profissional a cometer erros básicos, que normalmente não aconteceriam. “No final, o que nos move não é nossa razão, mas a emoção”, diz o Master Coach.

Como evitar a crise que pode acometer até os melhores entre os melhores? Os dois especialistas concordam que a chave é estar em sincronia com si próprio.

Se o estresse faz parte do jogo e a emoção faz parte de todos nós, nenhum profissional – ou jogador – pode ignorar o preparo emocional. Esse trabalho deve ser feito com antecedência, usando experiências e erros passados para refletir não apenas em como melhorar tecnicamente, mas no autoconhecimento.

Elaine explica que a vivência da demanda diária da profissão ajuda a crescer nesse aspecto. “Existem técnicas de coaching para trabalhar as fragilidades de cada um, aumentando a confiança e o autocontrole, fundamentos da inteligência emocional. Para isso, a pessoa precisa conhecer onde está e olhar para onde quer chegar”, fala.

 

Artigo extraído e adaptado de Exame Carreira

 

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

Planejamento de carreira não é autoajuda

Para tudo na vida a gente planeja, e isso é absolutamente normal. Por que, então, quando o tema é “planejamento de carreira”, muitos associam com autoajuda?

Quando tem um período de férias ou um feriado prolongado se aproximando você já sabe exatamente o que vai fazer. Se vai viajar, as reservas estão feitas, passagens compradas, ou carro abastecido e revisão em dia, malas prontas é só partir. Se vai ficar em casa, ver a família, fazer um passeio e aproveitar a cidade mais vazia, já tem um plano traçado, nem que esse plano seja, simplesmente, fazer nada. Para tudo na vida a gente planeja, e isso é absolutamente normal. Por que, então, quando o tema é “planejamento de carreira”, muitos associam com autoajuda?

Imagine a sua carreira como uma escada, onde o último degrau é onde você quer chegar, o que você realmente quer conquistar. O planejamento são todas as ações que você toma para alcançar o último degrau. Desde o curso na universidade, as atividades extracurriculares, a viagem de intercâmbio. Tudo precisa ser planejado para que, dentro de um período estimado, você chegue ao topo da escada.

Uma coisa interessante é que, ao subir um degrau e olhar para baixo, você pode refletir o que te fez avançar e usar dessa experiência para planejar o próximo degrau.

E o importante é: suba um degrau por vez.

Planejar requer paciência. Ainda falando sobre a escada, é importante ter em mente que, para subir de um degrau para outro, podem ser necessários anos e anos de trabalho, mas tudo isso faz parte do aprendizado. Há algumas habilidades que somente são desenvolvidas com o passar do tempo. Um profissional experiente, em geral, reage de forma mais tranquila aos atritos do dia a dia, pois ele sabe que determinadas discussões não vão levá-lo a lugar nenhum. Como ele sabe? Porque já passou por isso antes. Assim, não adianta pular etapas. Todo degrau, por mais simples que seja, será importante para a construção de sua bagagem profissional e fará a diferença quando, lá em cima, você olhar para tudo o que fez para atingir seu objetivo.

Esteja, no entanto, disposto a alterar o curso de sua escada. Um plano feito aos 18 anos, por exemplo, pode não fazer sentido quando você chegar aos 30, 35. Assim, revisite sempre sua estratégia e adeque suas ações de acordo com os novos objetivos.

Não deixe para amanhã!

Sabe o ditado “não deixe para amanhã o que você pode fazer hoje”? Quando falamos de carreira, amanhã pode, sim, ser tarde demais. Como é a sua escada? E qual é o seu próximo degrau?

 

Autor Fernando Mantovani é diretor geral da Robert Half, extraído e adaptado de Exame

 

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Conteúdo relacionado:

Como fazer um planejamento pessoal eficiente

 

 

 

 

 

Mulher: 3 lições para chegar ao topo

No dia internacional da mulher, as discussões sobre igualdade de gênero e o número de mulheres na liderança vêm à tona.

E realmente é um bom momento para refletir, afinal, as pessoas estão mais abertas ao assunto.

Quando pensamos quão limitadas eram as oportunidades profissionais para nossas mães e avós, realmente temos algo a comemorar. Mas quando olhamos para a disparidade entre homens e mulheres, ainda temos inúmeros problemas e muito a conquistar, especialmente quando se trata da equidade entre homens e mulheres em posições de destaque.

E a conclusão é: As mulheres não estão chegando ao topo de suas profissões em nenhum lugar do mundo. E os números são muito claros.

Os resultados do mais recente relatório do Global Gender Gap, divulgado em novembro de 2017, mostram que a desigualdade de gênero voltou a crescer pela primeira vez no mundo, depois de uma década de avanços.

O estudo do Fórum Econômico Mundial aponta que, caso seja mantido o ritmo atual, será preciso um século para reduzir a diferença de gênero em escala global. Em 2016, essa expectativa era de 83 anos.

Mas exemplos fantásticos como o da Islândia nos enchem de esperança: A nova lei islandesa torna efetivamente ilegal pagar salários mais altos a homens, entre funcionários que exerçam funções semelhantes. A legislação entrou em vigor em 1° de janeiro de 2018.

Na contramão da Islândia, vemos o Brasil, que em 2017 caiu para a 90ª colocação no ranking, em um universo de 144 países. Em 2016, estava em 79º e em 2015, em 85º ,quando o assunto é a equivalência de salários entre homens e mulheres em cargos semelhantes.

A questão é “Como mudamos essa situação? Como mudamos esses números?”

Eu acredito que o único caminho ou o mais eficaz é o que podemos fazer como indivíduos.

E eu gravei este vídeo, em que compartilho com você algumas lições de vida que tenho comigo após mais de duas décadas atuando em grandes corporações no Brasil.

Assista e me diga sua opinião a respeito.

Eu não sou dona da verdade, mas acredito realmente no que digo nesse vídeo e sei também que há inúmeras mulheres desafiando as estatísticas e mostrando o seu valor.

Ninguém chega a um cargo de liderança escondendo sua capacidade, ou mesmo não acreditando no seu próprio sucesso.

Eu quero acreditar que as gerações futuras possam ter escolhas, e se as mulheres dessas gerações escolherem estar no mercado de trabalho, que elas cheguem ao topo de suas profissões, sem culpa, atribuindo o seu sucesso a elas mesmas.

Feliz dia da Mulher!

Wayne Valim

PS.: Gostou do vídeo? Escolha uma mulher e compartilhe. Vamos homenageá-la! 😉

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Conteúdo relacionado:

Mulheres que ensinam mulheres a programar

 

 

 

 

 

 

Mulheres que ensinam mulheres a programar

Contra a desigualdade de gênero na tecnologia, iniciativas como PrograMaria, MariaLab, RodAda Hacker e #MinasProgramam aproximam as mulheres da linguagem dos códigos.

No século XIX, a matemática Ada Lovelace entrou para a história ao escrever o algoritmo que fundou as bases da ciência da computação. Quase duzentos anos depois, soa até irônico lembrar a importância desta mulher para a tecnologia e encarar os dados que revelam a falta de participação de mulheres no setor. Segundo a pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), realizada e 2015, dos mais de 580 mil profissionais da T.I que atuam no Brasil, apenas 20% são do sexo feminino.

Inspiradas em iniciativas estrangeiras como Mothership, HackerMoms e PyLadies, projetos brasileiros organizam cursos, encontros e palestras que aproximam as mulheres da tecnologia e as ensinam a programar. Muitas dessas atividades são gratuitas e destinadas a quem não faz nem ideia do que é java, PHP e python. Reforçando a proposta de inclusão, os programas ainda oferecem atividades direcionadas a mulheres negras e moradoras de comunidades. “Para nós, a tecnologia também tem um viés político, por isso é fundamental que essas atividades circulem além dos espaços privilegiados das cidades”, diz Silvana Bahia, facilitadora da RodAda.

Apesar de pequenas, essas iniciativas mobilizam uma quantidade considerável de mulheres interessadas em aprender mais sobre tecnologia. “O diferencial de projetos pequenos como o nosso é que podem ser feitos por quem tem realmente vontade de fazer, e isso é muito gostoso”, acrescentam as integrantes do #MinasProgramam.

Se quiser aprender a programar ou participar de atividades relacionadas a tecnologia corra atrás desses projetos:

MariaLab

MariaLab é um coletivo feminista com a proposta de criar um hackerspace (“espaço hacker”) que promova atividades para mulheres, inclusive as transgêneros. A MariaLab organiza encontros e eventos gratuitos para quem quer trocar informações, fazer networking ou participar de grupos de estudos.

RodAda Hacker

RodAda Hacker facilita encontros que incluem mulheres e meninas na tecnologia, através de oficinas colaborativas especialmente desenhadas para o público feminino. Os encontros, para quem quer imaginar e construir projetos incríveis e recriar tecnologias da rede, ocorrem em diversas partes do país.

PyLadies São Paulo

PyLadies é um grupo internacional que tem o objetivo de aumentar inclusão feminina dentro da comunidade Python, um tipo de linguagem de programação. No Brasil, o projeto atua em cerca de 20 cidades, principalmente nas capitais, promovendo eventos e cursos para mulheres que querem aprender a programar. E o melhor, as atividades são gratuitas.

PrograMaria

A PrograMaria incentiva o debate sobre a falta de representatividade feminina na tecnologia e leva a discussão a grandes eventos de tecnologia. Criado por Iana Chan e Luciana Fernandes, o projeto consiste em um curso presencial de programação só para mulheres.

#MinasProgramam

O #MinasProgramam foi criado em maio de 2015 com o intuito de incluir as mulheres na linguagem dos códigos, o projeto promove cursos de programação e encontros na cidade de São Paulo. Muitas das atividades são gratuitas e as que são pagas oferecem isenção de inscrição para mulheres financeiramente vulneráveis.

Extraído e adaptado de Code Girl – Revista Trip

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Conteúdo relacionado:

Os desafios das mulheres no mercado de trabalho

 

 

 

 

 

15 frases de mulheres inspiradoras

 

 

 

Elogio à vida tranquila

Uma vida tranquila parece uma opção que apenas os derrotados estariam inclinados a elogiar. Nossa era é impressionantemente conectada aos benefícios de formas ativas, dinâmicas, “ruidosas” de viver. Se alguém nos oferecesse um salário maior por um emprego em outro lugar, aceitaríamos. Se alguém nos mostrasse o caminho para a fama, nós o pegaríamos. Se alguém nos convidasse para uma festa, iríamos. Esses parecem ser ganhos puros e nada ambíguos. Saudar uma vida tranquila tem um pouco da excentricidade de elogiar a chuva.

Para a maioria de nós, é difícil contemplar qualquer potencial na ideia porque os defensores de vidas tranquilas tendem a vir dos segmentos mais implausíveis da comunidade: vagabundos, hippies, avessos ao trabalho, desempregados… pessoas que nunca pareceram ter escolha sobre como organizar seus assuntos. Uma vida tranquila parece algo imposto a elas por sua própria inaptidão. É um prêmio de consolação digno de pena.

Ainda assim, quando examinamos as questões de perto, vidas ocupadas acabam tendo custos incidentais impressionantemente altos que, não obstante, estamos coletivamente comprometidos a ignorar. O sucesso visível nos faz enfrentar a inveja e a competitividade de estranhos. Viramos alvos plausíveis de decepção e escárnio; pode parecer que talvez os outros não tenham sido bem-sucedidos por nossa culpa. Obter um status mais alto nos torna cada vez mais sensíveis à sua perda. Uma leve queda em vendas, adulação ou atenção podem parecer uma catástrofe. Nossa saúde sofre. Viramos presas de pensamentos assustados e paranóicos, vemos possíveis tramas por toda parte – e talvez não estejamos errados. A ameaça de um escândalo vingativo nos assombra.

Em paralelo com nossos privilégios, ficamos pobres de maneiras curiosas. Temos um controle muito limitado sobre nosso tempo. Podemos conseguir montar uma fábrica na Índia e cada palavra nossa é ouvida com um respeito trêmulo dentro da organização, mas o que não podemos, absolutamente, fazer é admitir que também estamos extremamente cansados e só queremos passar a tarde lendo no sofá. Não podemos mais expressar nossos lados mais espontâneos, imaginativos, vulneráveis. Nossas palavras têm tantas consequências que precisamos ficar vigilantes o tempo inteiro – os outros buscam orientação e autoridade em nós. Ao longo do caminho, viramos estranhos para aqueles que nos amam sem considerar nossa riqueza e status, enquanto dependemos cada vez mais da atenção fugaz daqueles para quem somos apenas nossas conquistas. Nossos filhos nos veem cada vez menos. Nossos cônjuges ficam ressentidos. Podemos ter a riqueza de continentes, mas faz no mínimo dez anos que não temos a chance de fazer nada o dia inteiro.

Para muitos de nós, há vários motivos para tomar certos rumos na carreira que tragam muito prestígio. Podemos ter algo profundamente impressionante para responder a quem pergunte o que fazemos, mas isso não significa necessariamente que devemos ou deveríamos seguir essas possibilidades. Quando conhecemos o verdadeiro preço que algumas carreiras cobram, lentamente podemos perceber que não estamos dispostos a pagar pela inveja, pelo medo, pela enganação e pela ansiedade. Nossos dias são limitados. Podemos – pelo bem das verdadeiras riquezas – optar voluntariamente, e sem perda de dignidade, por ficarmos um pouco mais pobres.

Extraído e adaptado de The School of Life

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Conteúdo relacionado:

Como fazer a diferença hoje e promover um futuro melhor para as próximas gerações

 

 

 

 

 

5 formas de ensinar seu cérebro a ser mais feliz

RENEW_01-09_6.0.indd

 

 

 

 

 

7 dicas preciosas para quem decide morar em outro país!

Tomar a decisão de morar no exterior certamente é uma experiência única e transformadora, mas nem sempre tudo corre como o planejado. Mais do que qualquer outra mudança, mudar de país envolve uma série de desafios, dificuldades e, principalmente, a dificuldade para adaptação. Este processo vai depender muito das condições, dos objetivos e da estrutura que encontrará no novo país.

#1 Aprenda o novo idioma

Mesmo que você já tenha uma noção da língua ou que já esteja mais avançado, vai perceber que conseguir “se virar” pode ser bem diferente quando realmente precisar resolver algo, mesmo que pareça simples, quando você reside naquele país.

Você pode ter o conhecimento da língua que te ajude a superar questões mais comuns do dia a dia. Mas quando precisar abrir uma conta no banco, quando seu cartão não passar no caixa, participar de uma reunião de trabalho ou mesmo quando quiser aprofundar uma amizade com os nativos, o “saber se virar” pode não ser suficiente e um sentimento de exclusão e frustração pode nascer daí.

Então, quando decidir morar no exterior, aprenda o básico e tenha a perspectiva de se aprofundar o mais rápido possível na nova língua. Participe de cursos intensivos, pesquise cursos presenciais e aproveite as várias opções de aplicativos para celular que podem te ajudar a não perder o ritmo dos estudos.

Dominar o novo idioma facilitará sua adaptação e sua autonomia no novo país.

#2 Tenha um projeto

Independente do seu objetivo (acadêmico, profissional, financeiro ou até mesmo pela busca de autoconhecimento e crescimento cultural), ao decidir morar no exterior você precisará ter projetos e se planejar para poder concretizá-los.

Não se sobrecarregue, mas trabalhe para que possa ter uma certa rotina e preencher sua agenda semanal o máximo que puder.

Se você já tem um trabalho ou uma carga horária razoável de estudos, isso será mais fácil de resolver. Mas se, por exemplo, você tiver muito tempo livre durante a semana ou se tiver se mudado para acompanhar seu cônjuge, sua necessidade de planejamento será ainda maior.

Em primeiro lugar, foque no aprendizado do novo idioma, aventure-se a novas situações experiências, busque sites que promovam reuniões de estrangeiros, como o Meetup, matricule-se em alguma atividade física e se engaje num trabalho voluntário – isso pode te proporcionar uma experiência marcante. Em todos os países existem trabalhos voluntários e, ao participar de algum deles, você estará treinando o novo idioma, aumentando sua rede de contatos e ainda poderá oferecer algo ao novo país também.

#3 Seja flexível

Não perca sua personalidade, seja você mesmo e o mais espontâneo possível. Mas lembre-se de que você não está mais “em casa” e, da mesma maneira que adotamos algumas condutas diferentes quando vamos visitar alguém, precisamos mudar alguns de nossos hábitos quando mudamos de país.

Se você sabe que algo não é bem visto naquele país, evite fazê-lo ou, simplesmente, não faça. Busque compreender a cultura local.

Por outro lado, se você se incomoda com algum costume das pessoas do seu novo país, não as critique pois isto não vai fazer você se sentir mais confortável. Aceite a nova cultura e aprenda o máximo que puder para lidar a situação.

Afinal, que sentido faria mudar de país e continuar na nossa eterna zona de conforto?

#4 Fantasiar pode, mas tenha limites!

Buscar um lugar diferente e melhor, com condições mais satisfatórias podem te dar oportunidades de crescimento pessoal, emocional e profissional. Mas, cuidado, às vezes nos enxergamos numa situação tão difícil no Brasil que exageramos na fantasia de encontrar um lugar perfeito.

Você certamente vai se surpreender positivamente com os benefícios sociais e com os avanços tecnológicos, educacionais e culturais do novo país, mas também poderá se frustrar com algumas coisas.

Então, tenha em mente que o lugar perfeito não existe. Mas vale a pena se esforçar para viver num país diferente e que te traga maior qualidade de vida.

#5 Seja Paciente

Para a alguns de nós o processo de adaptação não é tão rápido e passamos por várias etapas até que a experiência possa ser vivida de uma forma mais leve.

Você pode levar um pouco mais de tempo para se adaptar, então respeite o SEU tempo e seja paciente. Isso é extremamente importante para que você não desista antes de realmente começar e poder aproveitar a experiência.

Uma boa atitude não garantirá o seu sucesso. Mas uma má atitude poderá te levar ao fracasso.

#6 “Só porque sou estrangeiro”

Principalmente quando ainda não dominamos o novo idioma, podemos ter a sensação de que somos tratados de uma forma diferente ou até mesmo excessivamente discriminados “só porque somos estrangeiros”.

Em algumas situações sabemos que isso pode ser real, mas precisamos ter cuidado para não generalizar e acabarmos paranóicos, achando que as pessoas agem de determinada forma só porque somos estrangeiros.

Quando isso acontecer lembre-se que, dependendo o país onde você está, as pessoas não serão tão amáveis, extrovertidas ou expansivas como a cultura brasileira em geral e isso não tem a ver com discriminação, mas apenas com diferenças culturais.

Então, não se frustre e nem se desanime desnecessariamente. Aprenda a lidar com as novas situações e desenvolva diferentes habilidades sociais.

#7 Distancie-se de vez em quando

Procure se aproximar o máximo possível dos nativos, envolva-se em atividades culturais locais, assista aos seus programas de televisão, ouça suas músicas, mas quando tudo isso parecer exigente demais: dê um tempo para você!

Antes mesmo de se mudar para o novo país, faça uma pesquisa por brasileiros que já moram fora pelas redes sociais, tire dúvidas e, se possível, mantenha contato. Para quem já está fora pode ser muito prazeroso poder se reencontrar com brasileiros novamente e, de uma forma geral, as pessoas estão dispostas a ajudar no que for preciso em relação a informações.

Mas uma coisa é muito importante, não se isole da nova cultura ficando no conforto das relações somente com brasileiros, mas mantenha essas relações. Isso pode ser muito reconfortante quando passamos por algumas dificuldades de adaptação.

Mantenha contato com familiares e amigos. Seja empático e sensível para que não se preocupem excessivamente com suas dificuldades, mas não precisa contar só o lado bom. Esteja aberto também para pedir ajuda, para desabafar e assim preservar o bom relacionamento.

Quando somos otimistas e nos planejamos bem, a mudança de país pode ser uma das melhores experiências de nossa vida!

Mas, vale lembrar que, para algumas pessoas, esse processo de adaptação cultural pode ser longo ou intenso demais e nestes casos o mais indicado é buscar ajuda de um profissional especializado no assunto. Os atendimentos psicológicos on-line podem ajudar neste processo e, na maioria dos casos, em algumas sessões sua experiência no exterior pode se tornar mais leve e gratificante.

 

Extraído e adaptado de http://vivertrabalhareestudarnoexterior.com/morar-no-exterior-dicas-adaptacao/

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Conteúdo relacionado:

 Quer morar na Europa? Estes são os 10 países que oferecem vistos de forma mais simples e barata

 

 

 

 

5 sinais de que você foi feito para empreender pelo mundo

Como fazer a diferença hoje e promover um futuro melhor para as próximas gerações

Mudar comportamentos, mudar hábitos, manias, sentimentos, mudar até mesmo o nosso jeito de ser… para nós é tão difícil essa mudança, não é?!

Queremos ser melhores em tudo, daí nos criticamos, nos cobramos, exigimos a perfeição, e com isso, sobra até arrependimentos: “Por que fiz assim?!”

Será que há uma maneira mais fácil e menos sofrida de evoluirmos? rs…

Bem, sabemos que os filhos costumam repetir os mesmos hábitos dos pais, por isso geralmente vivenciam problemas semelhantes.

Quem sabe, então, se nossos pais tivessem nos ensinado desde pequenos a ter hábitos saudáveis, a praticar atividades físicas, ser emocionalmente equilibrados, saber nos comunicar com assertividade, ser mais decididos e menos ansiosos, será que teria sido diferente?

Se sim, como deveriam ter agido? O que deveriam ter feito diferente?

Acredito que não estaríamos sendo justos com nossos pais exigindo isso deles. Fizeram o melhor dentro da realidade deles, certo?

Mas a nossa situação é muito diferente…. nós temos acesso a informações que eles não tiveram e oportunidades infinitamente diferentes. Então, por que não construímos um legado diferente?

Sempre digo que não podemos voltar no tempo e fazer diferente, mas podemos mudar o curso da história. Temos essa maravilhosa oportunidade.

Nesta semana, por exemplo, conversei com um jovem universitário, estudante de direito, que não possui nenhum membro da família com curso superior. Filho de família humilde, paga seus próprios estudos com o salário do estágio e, nessa nova realidade de estudos e oportunidades, está surpreendentemente mudando o curso da história da sua família.

Então, pense comigo: se conseguirmos mudar já a partir de agora um pouquinho por dia, só um pouquinho por dia, conseguiremos mudar também as próximas gerações.

Pretensão? Acredito que não!

Imagine que você tenha na sua geladeira apenas alimentos saudáveis, que pratique atividades físicas regularmente com prazer, que tenha o hábito de ler bons livros, que tenha apenas conversas construtivas, assista a bons programas, que ame aprender…

Imagine que consiga manter o equilíbrio emocional nas situações adversas, que enfrente os desafios de cabeça erguida, que passe pelas dificuldades com serenidade, esperança e resiliência, que se dê bem com todos da sua família, incluindo cunhados, sogros e demais agregados.

Uau!!! Seus filhos, seus sobrinhos, seus primos, sua equipe terão você como uma referência absoluta e você estará, sim, mudando sua história e construindo um novo caminho, porque as pessoas vão aprender naturalmente com você. Portanto, não será tão difícil para elas quanto é para você hoje, concorda?

Então a pergunta de hoje é: como fazer a diferença em prol das próximas gerações?

Muitas vezes, não encontramos forças para realizar essa mudança apenas por nós mesmos, mas podemos buscar forças para fazermos o que deve ser feito pelas pessoas da nossa vida. E esse pode ser o nosso propósito maior.

Sendo assim, é hora de começar: identifique suas prioridades, aprenda com quem admira, busque um mentor para o que deseja mudar em você e siga melhor, um pouquinho só por dia, mas incansavelmente, sem se abater diante das dificuldades, porque esse será o seu maior legado.

A hora é agora! “Depois” pode se tornar “nunca”!

Um abraço de energia positiva para você!

Wayne Valim 


PS.: O nosso comportamento exerce mais influência do que a própria herança genética. Se havia alguma dúvida dessa verdade, a ciência está aí para comprovar.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Conteúdo relacionado:

Quem tem um senso de humor inteligente vive mais

 

 

 

 

 

5 formas de ensinar seu cérebro a ser mais feliz

RENEW_01-09_6.0.indd