Como a Ciência pode nos ajudar a construir um relacionamento amoroso melhor

Manter relacionamentos felizes e duradouros é uma das maiores pretensões do ser humano em toda a sua história.

Basta ver a enormidade de teorias, livros, artigos, romances, poemas que tratam do amor verdadeiro como a incansável busca do indivíduo.

A Ciência muito tem avançado nos estudos sobre a felicidade nas últimas duas décadas. As descobertas sobre a importância dos hormônios e dos neurotransmissores em nossas atitudes e hábitos têm contribuído para o nosso entendimento sobre a “química do amor”.

Segundo o neurocientista brasileiro Pedro Calabrez, o relacionamento amoroso se divide em dois: inicialmente, o amor apaixonado (com duração entre 12 e 24 meses) e, depois, o amor companheiro. Ambos provocam alterações nas funções do cérebro.

Por isso, quando estamos apaixonados, o nosso corpo se manifesta com taquicardias, agitações, sudorese… Nesse período, temos maior energia e disposição para agradar, reconhecer e agradecer os pequenos gestos da pessoa amada.

Toda paixão é passageira, e, quando essa primeira fase acaba, é hora do amor companheiro.

Infelizmente, há um grande número de casais que não chegam à segunda fase. Basta ver o resultado da pesquisa do IBGE: entre 2004 e 2014, o número de divórcios no Brasil aumentou em 160%.

Embora a Ciência traga suas contribuições, analisar as experiências boas ou ruins nos relacionamentos amorosos das pessoas também nos ensinam muito.

O problema é que quando estamos apaixonados, não estamos dispostos a ouvir os muitos conselhos que recebemos… rs

Com base em estudos e pesquisas realizadas pela minha equipe e por mim, preparei para você os 10 segredos para construir um relacionamento amoroso saudável e duradouro.

Espero que essas dicas ajudem você a não só ter uma boa comemoração no dia dos namorados (12 de junho), mas que também possa adotá-las daqui para a frente para fortalecer a sua relação.

  1. Descubra as suas atitudes negativas repetitivas

Todos nós temos padrões comportamentais que podem irritar o parceiro e desgastar a relação…

  • Responder de maneira brusca quando está ocupado(a);
  • Mandar mensagem pelo celular enquanto o outro fala;
  • Demonstrar por meio de gestos e caras feias que não está gostando do que está ouvindo;
  • Interromper a fala;
  • Criticar;
  • Reclamar…

Qual é o comportamento seu que causa outra atitude desagradável no outro?

     2. Tenha mais consciência:

O que acontece:

  • Quando está cansado (a)?
  • Nervoso(a)?
  • Com pressa?
  • Diante de um conflito?
  • Quando alguém interrompe o que está fazendo?

Quando prestamos maior atenção às nossas atitudes, podemos provocar pequenas mudanças que trarão resultados mais satisfatórios.

      3.  Abaixe o estresse

O cortisol, o hormônio do estresse, diminui a satisfação e a vontade de se conectar com a pessoa amada, segundo um estudo de 2008, da Universidade do Texas, em Austin.

Muitas vezes, trabalhamos até muito tarde, não prestamos atenção o suficiente em nosso parceiro e deixamos que o estresse nos tire o melhor de nós.

Reduzir o cortisol fazendo uma caminhada a dois, segurar a mão, expressar gratidão ao outro é um bom começo para voltar aos trilhos quando um relacionamento fica difícil.

      4. Exercite a paciência

Geralmente, a tolerância e o equilíbrio no lar são mais limitados.

  • Desarme sua cara amarrada;
  • Experimente sorrir;
  • Você quer ser amado ou temido?;
  • Você quer paz ou guerra? 

     5. Ouça música a dois

Essa atitude simples estimula a sensação de bons circuitos no seu cérebro.

Em um artigo recente do Journal of Frontiers in Psychology, o Dr. Paul Elvers postula que ouvir música pode reforçar o bom humor e aumentar a confiança.

Podemos fazer isso sozinhos, mas ouvir com a pessoa amada pode nos unir, estimulando circuitos de “bem-estar” no cérebro.

       6. Perceba o desgaste da relação

De todos os comportamentos percebidos nos itens 1 e 2, o que mais desgasta a sua relação?

Comece as mudanças por esse!

  • O que pode fazer de diferente?
  • O que ainda não tentou que pode funcionar?

Sei que pode sentir cansaço após inúmeras tentativas; por isso, busque algo novo, se quer resultados melhores, precisa encontrar saídas diferentes.

     7. Não espere mudar somente quando estiverem falando de separação

Não busque ajuda só quando não houver mais saída.

Pessoas reativas só tomam ação quando estão com a corda no pescoço…

Por vezes achamos que tudo irá se resolver por si só, e isso é um grande engano.

Vire o placar! ANTECIPE-SE!

     8. Aprenda a expressar seus pensamentos e sentimentos

Observe o contexto, aguarde o melhor momento e faça observações sobre os fatos ocorridos e não sobre percepções. Por exemplo:

Em vez de dizer: “Nossa! Como você é insensível”, diga: “Você falou comigo com voz alta e bateu a porta quando chegou…”

Então, diga como se sente quando isso acontece e fale objetivamente o que espera que o outro faça em uma próxima vez.

Há pessoas que guardam para si os sentimentos, depois ficam remoendo, se intoxicando com a raiva e quando explodem acabam por magoar e destruir ainda mais a relação.

Quanto mais guardar para si, mais difícil será para os outros interpretarem quem é, o que deseja dizer ou fazer

     9. Alimente pensamentos e sentimentos positivos

No início do relacionamento, quando vemos a pessoa amada, as nossas pupilas se dilatam, o rosto fica vermelho, os batimentos do coração aceleram e sentimos uma euforia quase que inexplicável. 

E isso ocorre em virtude de uma explosão de reações em nossos cérebros causada pelos neurotransmissores.

Naquele momento, toda nossa atenção está voltada para as qualidades e aspectos que nos agradam na pessoa. Nosso cérebro tende a focar nos sentimentos bons graças à liberação desses neurotransmissores quando estamos apaixonados.

Um deles é a DOPAMINA, conhecido como a substância do prazer, produz uma sensação de felicidade e está relacionada ao campo visual, ou seja, somente por olharmos a pessoa amada já sentimos algo agradável.

Também temos a SEROTONINA, que é o hormônio que nos torna obcecados. Seguida pela ENDORFINA que, segundo a Loretta Graziano breuning, autora do livro “Habits of a happy brain’, é uma breve euforia que mascara a dor física, sendo considerada o analgésico natural do corpo.

Além disso, quando nos apaixonamos, nosso corpo também libera a OXITOCINA, que é muitas vezes apelidada de “hormônio dos vínculos emocionais” e “hormônio do carinho”.

Segundo o obstetra e ginecologista indiano Navneet Magon, a oxitocina tem uma posição de liderança nesse “quarteto da felicidade”: “É um composto cerebral importante na construção da confiança, que é necessária para desenvolver relacionamentos emocionais”.

E quando liberamos mais hormônios e neurotransmissores, o nosso comportamento é alterado. Por isso, ficamos com aquele ar de “patetas”, estabanados e dizemos coisas sem sentido à pessoa amada. (rsrs)

Porém, com o passar do tempo, nosso cérebro se acostuma com os efeitos desses hormônios provenientes da paixão.

Pode parecer ao casal que o amor se esfriou, mas não se preocupe: é nessa fase que um amor mais duradouro pode ser estabelecido.

E, para isso, é importante observar e priorizar ações que influenciem nosso bem-estar e desencadeiam esses hormônios. Por exemplo:

  • Manter pensamentos bons sobre o parceiro;
  • Receber e dar massagens;
  • Tomar sol e curtir a natureza;
  • Planejar sonhos e projetos;
  • Abraços e beijos;
  • Exercícios aeróbicos.

Aposto que valerá a pena!

      10.  Esteja presente física e emocionalmente

O mundo de hoje é repleto de distrações.

Facilite a sua vida: 

  • Guarde o celular na hora das refeições;
  • Olhe nos olhos quando estiver falando;
  • Ouça com profundidade;
  • Observe as expressões não verbais do outro…

Conecte-se de verdade!

Estudos demonstram que a principal variável para nossa felicidade é a qualidade das nossas relações e que pessoas que desfrutam de relacionamentos felizes tendem a apresentar níveis de bem-estar mais elevados.

Durante a paixão valorizamos mais a pessoa amada. Somos gratos e investimos nossa energia para firmar uma relação.

O Amor companheiro se fortalece com consistência e esforço, portanto, é preciso investir energia para agradecer, elogiar, reconhecer, ser cordial nas mínimas coisas…

Quando desejamos sucesso na carreira, nos projetos e nos estudos, nos empenhamos arduamente, com persistência, para atingir o sucesso, mas nos esquecemos de que para construir um relacionamento amoroso duradouro e saudável, é preciso também energia, esforço e constância.

Feliz e permanente dia dos namorados!

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Conteúdo Relacionado