Como o cérebro aprende

Poucos estudantes, acadêmicos ou concurseiros sabem a importância de conhecer seu próprio cérebro para aprender melhor. Além de impedir erros que dificultam o aprendizado, o conhecimento do cérebro ajuda o estudante a utilizar técnicas para aprender com mais facilidade.

Todo estudante, acadêmico ou concurseiro deve aprender sobre o funcionamento do cérebro. Nas palavras do psicólogo e renomado estudioso do cérebro Tony Buzan:

Você aproveita a sua mente ao máximo estudando, em primeiro lugar, o que ela é.

Esse artigo é uma síntese das principais pesquisas teóricas relacionadas à neurociência e psicologia voltadas para a área da educação. Com certeza, esse tema não pode se esgotar em apenas 2400 palavras, mas o que está exposto aqui já é o suficiente para que você entenda melhor como seu cérebro funciona e descubra maneiras de como estudar melhor.

Um pouco de Neurociência: O cérebro que aprende.

O cérebro humano é um dos processadores mais poderosos do mundo. O cérebro é capaz de processar as informações recebidas, analisá-las com base em uma vida inteira de experiência, e apresentá-las para nós em meio segundo. Nem o computador mais avançado do mundo é capaz de simular o processamento do cérebro humano.

De acordo com Buzan, as maiores funções do cérebro são:

  1. Recepção: O cérebro recebe informação pelos seus sentidos.
  2. Armazenamento: O cérebro retém e armazena informação e consegue acessá-la em larga escala.
  3. Análise: Seu cérebro reconhece padrões e organiza informações de modo que façam sentido.
  4. Saída: Seu cérebro “libera” informações de diferentes formas seja pensando, falando, desenhando, movimentado e todas as outras formas de criatividade.

Perceba o quanto seu cérebro é dinâmico e o quanto de capacidade ele possui para poder efetuar diversas tarefas ao mesmo tempo. Pois enquanto você está lendo esse artigo, aprendendo, seu cérebro também está medindo sua pressão, corrente sanguínea e batimentos cardíacos. Além de estar atento ao seu contexto de ambiente.

O cérebro também está dividido em dois hemisférios distintos. O hemisfério esquerdo e o hemisfério direito. Cada hemisfério tem algumas particularidades que são importantes você saber:

O hemisfério esquerdo é caracterizado por ter áreas responsáveis pelo raciocínio lógico, fala, matemática, linhas, etc. Pode ser chamado de “cérebro acadêmico”.
O hemisfério direito possui áreas responsáveis pelo gosto à música, arte, dança, criatividade, etc. Esse é o seu “cérebro artístico”.

Ambos os hemisférios são ligados pelo corpo caloso, um sistema de transmissão químico que trabalha a toda velocidade com milhares de células. Quanto maior a sintonia entre os hemisférios, mais forte se torna a conexão no corpo caloso, essa conexão fortificada ajuda você a raciocinar com mais rapidez além de permitir uma melhora significativa em sua memorização.

Algumas atividades são mais executadas do lado esquerdo ou direito, mas, normalmente, todo o cérebro trabalha junto. Em um estudo recente, o Dr. Jeff Anderson pesquisou a respeito dos hemisférios do cérebro e concluiu:

É absolutamente verdade que algumas funções cerebrais ocorrem em um ou outro lado do cérebro. Língua tende a ser do lado esquerdo, o processo de “atenção” mais à direita. Mas as pessoas não tendem a ter um cérebro de hemisfério esquerdo ou direito mais forte. Parece ser algo determinado mais por ligação de conexão.

O réptil o mamífero e o homem

O cérebro humano desenvolveu-se muito ao longo dos anos. Nós ainda carregamos áreas no cérebro que no passado foram essenciais para a sobrevivência da espécie. Inclusive áreas que influenciam nosso comportamento atualmente.

O neurocientista Paul Maclean desenvolveu a teoria do cérebro trino. Cada área tem sua particularidade e função que nos ajudam a viver melhor (Ou não, dependendo do caso). Essas áreas são:

  • Cérebro reptiliano: Essa área do seu cérebro está localizada próxima à base superior do seu pescoço. É responsável pelos instintos, possui esse nome por ser semelhante ao cérebro dos répteis. Sabe quando uma pessoa finge jogar um objeto em você e sua primeira reação é se virar e se proteger? Então, esse reflexo é efeito da área reptiliana. Além disso, essa área controla algumas funções do seu corpo, como a respiração.
  • Cérebro Límbico: Localizado no centro do seu cérebro, essa área é semelhante a de alguns mamíferos. Responsável principalmente pelas emoções e sexualidade, essa área também tem uma grande influência sobre sua memória.
  • Cérebro Racional: Essa é a área mais alta do seu cérebro. De acordo com teorias evolucionistas é a área mais nova na escala da evolução e está em constante transformação. Controla as atividades que realizamos nos dias atuais como falar, pensar, ver, ouvir e criar.

Essa três partes não funcionam independentes uma da outra, estão todas conectadas por meio das redes neurais. Com isso, as informações passam de uma área a outra em frações de segundos.

Cada área tem um impacto em sua atividade como estudante. Por exemplo, se você estiver com fome, dificilmente conseguirá se concentrar nos estudos. A todo o momento sua área reptiliana estará sinalizando para você ir se alimentar, prejudicando seu aprendizado.

Se você acaba de sofrer algum tipo de estresse emocional, essa informação ficará “martelando” em sua cabeça, pois a área do cérebro límbico o lembra do quanto essa emoção é importante e por isso você deve se manter alerta.

Estudar quando está com algum tipo de problema emocional é a pior coisa, pois você não conseguirá aprender de fato.

Seu cérebro Racional trabalha melhor com concentração e foco. Caso você tenha alguma coisa que te tire a atenção, você com certeza não estará aprendendo de fato. Se estiver com algum problema emocional, primeiro descanse e deixe passar, estude quando estiver tranquilo.

O tico e o teco

Quando eu era criança escutava muito isso dos meus professores “coloca o tico e o teco para trabalhar”, em referência aos meus neurônios. Por meio dos neurônios, são passadas as informações que percorrem todo o cérebro.

O cérebro é formado por 100 bilhões de células, conhecidas como neurônios, elas possuem ramificações que são chamadas de dendritos. Cada neurônio transmite informações que percorrem o corpo todo e o cérebro por meio dos axônios. Toda essa rede está em pleno funcionamento o tempo todo. Saber utilizá-las é o que faz com que você aprenda mais rápido.

As informações são repassadas por sinais elétricos e químicos de neurônio a neurônio através de pequenos espaços chamados sinapses. Tudo isso ocorre muito rápido em seu cérebro, até que a informação chegue à área do cérebro onde a informação será processada e transformada emação.

Você com certeza já deve ter ouvido o termo “massa cinzenta” é como algumas pessoas chamam o cérebro, isso é porque, vistos de longe, os neurônios dão uma aparência cinza ao cérebro.

Existe também uma parte branca, chamada Mielina. A mielina é um tipo de graxa que facilita a conexão dos neurônios. Quanto mais Mielina você tem no cérebro mais fácil se torna a comunicação entre os neurônios.

Uma conexão mais ágil facilita no seu raciocínio. Um raciocínio ágil colabora para um aprendizado mais rápido.

O cérebro que se transforma. Neuroplasticidade

Neuroplasticidade é um termo utilizado para a capacidade do cérebro de se transformar. No passado, os cientistas acreditavam que somente o cérebro de uma criança poderia se modificar, mas pesquisadores atuais descobriram que o cérebro está se adaptando por toda a vida, criando novas células de acordo com a experiência e o aprendizado.

Existem dois tipos de neuroplasticidade:

  • Funcional: Capacidade do cérebro de transferir funções de áreas danificadas para outras áreas do cérebro. No livro O cérebro que se transforma, o psiquiatra Norman Doidge descreve como a neuroplasticidade funcional pode ajudar:

As funções das áreas do cérebro mortas em um derrame se transferem
para regiões saudáveis.

  • Estrutural: Capacidade do cérebro de alterar sua estrutura física como resultado da aprendizagem. Os neurocientistas Gaser e Schlaug descobriram que o volume de massa cinzenta na área cerebral de músicos profissionais era maior do que a de não músicos ou músicos amadores. Esse aumento ocorreu nas áreas do cérebro responsáveis pela região motora. Ou seja, quanto mais você aprende, mais você desenvolve seu cérebro. É como a prática de um exercício, no começo você sofre para aprender, mas quanto mais pratica mais o aprendizado fica fácil. Além disso, ao aumentar a área do cérebro durante seu aprendizado a conexão neural se torna mais intensa.

O novo consciente e inconsciente o Rápido e o Devagar

Daniel Kaneman, ganhador do prêmio Nobel de economia, escreveu um livro sobre os 2 sistemas que atuam em nossa mente: o Rápido e o Devagar. De acordo com Kaneman, cada sistema tem uma função e é responsável por um tipo de comportamento.

Esses sistemas parecem muito com o que conhecemos como consciente e inconsciente. Mas são coisas diferentes, de um lado está a teoria de consciente e inconsciente da psicanálise de Freud e do outro está a teoria neurocientífica e psicológica do rápido e devagar.

Daniel descreve cada sistema como:

  • O Sistema rápido opera automática e rapidamente, com pouco ou nenhum esforço e nenhuma percepção de controle voluntário.
  • O Sistema devagar aloca atenção às atividades mentais laboriosas que o requisitam, incluindo cálculos complexos. As operações do Sistema devagar são muitas vezes associadas com a experiência subjetiva de atividade, escolha e concentração.

Para que você compreenda claramente, o sistema rápido é responsável por atividades que vão desde dirigir um carro em uma rua vazia até responder a questão “2+2=?”. São atividades que você não precisa se concentrar muito para realizá-las, pois são inerentes a você.

Já o sistema devagar é responsável por atividades que envolvem maior concentração como estacionar em uma vaga apertada até fazer uma prova, ou seja, situações que se você não prestar a devida atenção pode cometer um erro grave.

O sistema rápido também é responsável por todas aquelas atividades que se tornaram habituais, é ele quem toma o controle e libera o gatilho para que aconteça. A ideia aqui é utilizar seu sistema devagar até que a informação se torne parte do sistema rápido.

Como fazer isso? Praticando. Quanto mais você lê, pratica e estuda, mais as informações vão fixando em sua mente. Quando isso ocorre, seu sistema rápido passa a tomar controle delas, fazendo com que seu aprendizado seja muito mais rápido.

Conhecer os outros é inteligência, conhecer-se a si próprio é verdadeira sabedoria. Controlar os outros é força, controlar-se a si próprio é verdadeiro poder. Lao Tsé

Conhecer seu cérebro, saber como ele trabalha ajuda muito em seus estudos. Você descobre seus limites e até onde é capaz de ir. Além de desenvolver métodos de estudo que tragam muito mais resultado.

Descubra como aprender melhor com o Coaching!

Artigo extraído e adaptado do site Estudar e Aprender.

_____________________________

Conteúdo relacionado:
As 10 melhores técnicas de estudo, segundo a ciência

Conteúdo Relacionado