Como reduzir a ansiedade e manter a calma

Com o cenário de ameaça global diante da pandemia do Coronavírus, a ansiedade e o estresse, que já apontavam elevados índices no Brasil, têm tomado proporções gigantescas e deixado muita gente descontrolada emocionalmente.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil tem o maior número de pessoas ansiosas do mundo: 18,6 milhões de cidadãos (9,3% da população) convivem com o transtorno.

A ansiedade é uma emoção de alta excitação: um estado intenso de vigilância fisiológica. Ficamos hiperalertas, o coração dispara, nosso cortisol (hormônio liberado sob estresse) pode atingir seu pico – tudo produzido automaticamente pelo nosso sistema nervoso.

A ansiedade é causada por uma combinação de 

1 – como avaliamos um momento crítico, se é um desafio ou uma ameaça, 

2 – qual é a nossa capacidade em responder àquele momento.

Se avaliamos que é uma ameaça em vez de um desafio e não temos os meios de responder àquilo, nossa ansiedade chega ao ápice causando níveis altos de estresse.

Confusão mental, lapsos de memória, falta de concentração, controle cognitivo comprometido são alguns dos prejuízos do estresse.

É possível modificar a nossa reação diante de uma ameaça real como a que estamos vivendo?

A resposta é sim! 

Não podemos mudar a situação global, mas podemos transformar a forma que a encaramos. 

Como? Transformando a ameaça em desafio! 

E de que modo fazemos isso?

Quando nos sentimos ameaçados, tendemos a achar que os recursos que temos para lidar com a crise vão desaparecer. Daí a corrida aos supermercados, a compra de produtos ao máximo, a busca por medicamentos que ainda nem obtiveram a comprovação da eficácia.

Então, ao inibir esse comportamento de querer agir de forma egoísta, já estamos tomando o primeiro passo.

Quando sentir vontade de fazer isso, pergunte-se: “a quem estou prejudicando com a minha atitude? Estou pensando também no coletivo? Como gostaria que as outras pessoas agissem comigo?”

Passo 2 – Aumentar a produção de “Dopamina” (neurotransmissor produzido quando queremos uma recompensa ou temos a intenção de ser recompensados)

  • Ela é capaz de estimular um comportamento com muita força;
  • Dá energia;
  • Somada à Adrenalina e Noradrenalina (neurotransmissores gerados no estresse) produzem mais potência;
  • Desencadeia o prazer.

Passo 3 – Faça algo em favor do social

Ao agir em prol da comunidade e não só em benefício próprio estará canalizando a sua energia gerada pela dopamina

  • Limpar o elevador;
  • Compartilhar ideias com as pessoas que prestam serviço para você;
  • Fazer compras para os idosos (se você não estiver no grupo de risco);
  • Marcar uma discussão de leitura nos grupos;
  • Usar os recursos tecnológicos para entregar valor;
  • Orientar a comunidade para os cuidados de higiene;
  • Ligar para os amigos para saber como estão e levar uma mensagem de esperança.

Passo 4 – Ampliar a produção de Ocitocina

Quando você faz algo por alguém, está criando interações sociais positivas e, com isso, vai aumentar a produção de outro hormônio chamado ocitocina, que, por sua vez:

  • Aumenta a empatia;
  • Tem efeito inibitório no estresse;
  • Vai se sentir pertencente;
  • Funciona como ansiolítico natural – experimentos comprovam isso;
  • Criar um ciclo virtuoso, porque aumenta a ocitocina do próximo também.

Passo 5 – Definir Metas Mensuráveis e com tempo limite

Ao defini-las, você terá como medi-las e, após a conclusão de cada etapa, sentirá um prazer enorme vindo da sua capacidade de realização.

Pode até ser uma meta ligada ao desafio, por exemplo:

Minha meta é procurar ao máximo manter a mim e a minha família saudável física e emocionalmente, a fim de não contrair o vírus nos próximos 3 meses.

  • Quais são as ações: 
  1. Fazer um mural com todos os cuidados de higiene; 
  2. Ligar para os pais todos os dias e confirmar se estão seguindo as recomendações; 
  3. Telefonar para uma amiga por dia e compartilhar aprendizados; 
  4. Criar um grupo de estudos de algum assunto que queira aprimorar (Ex: Inteligência Emocional);
  5. Ler 5 páginas de um livro por dia; 
  6. Fazer um resumo da leitura do dia e compartilhar no grupo… 

Lembre-se! É preciso monitorar os resultados!

Não tem jeito! Nós vamos passar por isso de qualquer maneira!

A pergunta é: “Como você quer se ver quando tudo isso acabar?”

Como alguém que agiu de forma egoísta, egocêntrica, paralisada(o) pelo medo, ansiosa(o), com descontrole alimentar, emocional….

Ou como alguém que, apesar do medo e da insegurança, contribuiu, se importou, cuidou, deu ideias, produziu, ensinou, agradeceu, compartilhou conhecimento, espalhou esperança?

Como você quer contar essa história para os seus netos?

A escolha é completamente nossa!

Gostou? Compartilhe:

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

Conteúdo Relacionado