Do medo à esperança

É fato que algo preocupante e grandioso está acontecendo no mundo.

Como especialista em inteligência comportamental e emocional, me vi no papel de trazer as minhas contribuições a todos os seguidores e parceiros na jornada do desenvolvimento humano.

É plausível que o sentimento de medo esteja presente nos dias atuais. Não sabemos ao certo o que de fato irá acontecer nas próximas semanas, pois há previsões bastante pessimistas e outras nem tanto.

Temos muitos fatos ao redor do mundo, com os quais os brasileiros têm muito a aprender, e isso é um grande ganho para a nação.

O intuito desta mensagem não é o de trazer dados sobre o avanço da doença nem dicas de como se proteger do vírus. Há muita gente competente fazendo isso.

Quero chamar a atenção para dois fatores:

1 – Como lidar com a preocupação exagerada e o medo desnecessário

O medo é um sentimento natural do ser humano, é necessário e positivo. Graças a ele, a nossa espécie sobreviveu e evoluiu.

Por sentirmos medo, nos livramos de pessoas perigosas e resguardamos a nossa segurança física.

Quando é que ele fica perigoso?

Quando, por meio dele, deixamos de vivenciar a ética, o respeito, nos tornamos o que não somos na essência e passamos a perseguir, agir com egocentrismo, preconceitos e discriminação.

O medo é igualmente prejudicial quando nos paralisa, quando nos faz perder a criatividade, deixamos de ter esperança e só enxergamos a escassez.

Esse sentimento causa estresse e, por consequência, prejudica a nossa saúde e reduz a nossa imunidade.

Esse é o medo desnecessário, portanto precisamos de estratégias para lidar com ele.

2 – Qual mentalidade adotaremos nos próximos dias

Adorei uma mensagem da Avaaz que fala sobre o “Compromisso Cidadão”:

  • Parar o vírus – tomando todas as precauções.
  • Proteger os vulneráveis – oferecendo amor e assistência aos que precisam.
  • Espalhar conhecimento – compartilhando informações de fontes confiáveis a todos.

Esses são também excelentes antídotos contra o medo e a preocupação.

Por quê?

Quando faço o que tenho que fazer, fico em paz comigo mesma, isso me fortalece e me deixa mais confiante.

Se protejo e cuido das pessoas que amo e de todos quantos me rodeiam, incluindo a mim mesma, exerço o papel de ser humano que sou, coloco em prática os meus valores mais nobres.

A consequência disso? Mais empatia, amor, compaixão, ajuda mútua, mais confiança.

E, por último, o conhecimento! Ah! Como valorizo o conhecimento!

Um dos maiores motivos do medo que sentimos se dá pela ignorância, pelo desconhecimento.

Basta você pensar em algum momento da vida em que deixou de dar um passo importante por medo e depois descobriu que se tivesse um pouco mais de conhecimento sobre o assunto, teria avançado e não teria perdido a oportunidade.

Já dizia Thomas Jefferson (1743-1826), principal autor da declaração de independência dos Estados Unidos, alertando-nos sobre o perigo de sofrer por antecipação: “Quanto nos custaram os males que nunca aconteceram!”

Portanto, a nossa mentalidade agora precisa ser essa:

A busca da realidade dos fatos, conhecimento de fontes confiáveis, ação corajosa, criatividade para lidar com os diversos obstáculos, cabeça erguida, fé, esperança e otimismo.

Assim, você estará criando à sua volta e dos seus queridos familiares e amigos uma energia positiva gigante e unidos vencerão não só essa batalha, mas todas quantas teimarem em bater à sua porta.

Estamos juntos nessa!

Conte comigo para trazer para você todos os motivos do mundo para que mantenha a sua esperança! Com os pés no chão, mas com a certeza de que logo tudo estará bem.

Gostou? Compartilhe:

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

Conteúdo Relacionado