Mulheres que ensinam mulheres a programar

Contra a desigualdade de gênero na tecnologia, iniciativas como PrograMaria, MariaLab, RodAda Hacker e #MinasProgramam aproximam as mulheres da linguagem dos códigos.

No século XIX, a matemática Ada Lovelace entrou para a história ao escrever o algoritmo que fundou as bases da ciência da computação. Quase duzentos anos depois, soa até irônico lembrar a importância desta mulher para a tecnologia e encarar os dados que revelam a falta de participação de mulheres no setor. Segundo a pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), realizada e 2015, dos mais de 580 mil profissionais da T.I que atuam no Brasil, apenas 20% são do sexo feminino.

Inspiradas em iniciativas estrangeiras como Mothership, HackerMoms e PyLadies, projetos brasileiros organizam cursos, encontros e palestras que aproximam as mulheres da tecnologia e as ensinam a programar. Muitas dessas atividades são gratuitas e destinadas a quem não faz nem ideia do que é java, PHP e python. Reforçando a proposta de inclusão, os programas ainda oferecem atividades direcionadas a mulheres negras e moradoras de comunidades. “Para nós, a tecnologia também tem um viés político, por isso é fundamental que essas atividades circulem além dos espaços privilegiados das cidades”, diz Silvana Bahia, facilitadora da RodAda.

Apesar de pequenas, essas iniciativas mobilizam uma quantidade considerável de mulheres interessadas em aprender mais sobre tecnologia. “O diferencial de projetos pequenos como o nosso é que podem ser feitos por quem tem realmente vontade de fazer, e isso é muito gostoso”, acrescentam as integrantes do #MinasProgramam.

Se quiser aprender a programar ou participar de atividades relacionadas a tecnologia corra atrás desses projetos:

MariaLab

MariaLab é um coletivo feminista com a proposta de criar um hackerspace (“espaço hacker”) que promova atividades para mulheres, inclusive as transgêneros. A MariaLab organiza encontros e eventos gratuitos para quem quer trocar informações, fazer networking ou participar de grupos de estudos.

RodAda Hacker

RodAda Hacker facilita encontros que incluem mulheres e meninas na tecnologia, através de oficinas colaborativas especialmente desenhadas para o público feminino. Os encontros, para quem quer imaginar e construir projetos incríveis e recriar tecnologias da rede, ocorrem em diversas partes do país.

PyLadies São Paulo

PyLadies é um grupo internacional que tem o objetivo de aumentar inclusão feminina dentro da comunidade Python, um tipo de linguagem de programação. No Brasil, o projeto atua em cerca de 20 cidades, principalmente nas capitais, promovendo eventos e cursos para mulheres que querem aprender a programar. E o melhor, as atividades são gratuitas.

PrograMaria

A PrograMaria incentiva o debate sobre a falta de representatividade feminina na tecnologia e leva a discussão a grandes eventos de tecnologia. Criado por Iana Chan e Luciana Fernandes, o projeto consiste em um curso presencial de programação só para mulheres.

#MinasProgramam

O #MinasProgramam foi criado em maio de 2015 com o intuito de incluir as mulheres na linguagem dos códigos, o projeto promove cursos de programação e encontros na cidade de São Paulo. Muitas das atividades são gratuitas e as que são pagas oferecem isenção de inscrição para mulheres financeiramente vulneráveis.

Extraído e adaptado de Code Girl – Revista Trip

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Conteúdo relacionado:

Os desafios das mulheres no mercado de trabalho

 

 

 

 

 

15 frases de mulheres inspiradoras