Arquivo: Neurociência

6 achados da neurociência que são úteis para a carreira

Os cientistas que tentam desenvolver soluções para prevenir ou curar doenças degenerativas não são os únicos a usufruir das descobertas da neurociência. Começa a ganhar corpo no Brasil o chamado neurocoaching, prática que alia as técnicas de coaching com o estudo de como o cérebro funciona.

Segundo esse novo conceito, a lógica de trabalho do nosso sistema nervoso pode influenciar muitas de nossas atitudes, e entendê-la pode ser útil para o desenvolvimento pessoal e profissional.

Confira algumas dicas da professora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e pesquisadora na área de neurociências Carla Tieppo.

1. Durma

Passar dias e noites insones para tirar um projeto do papel ou cumprir um prazo, além de cansativo, pode prejudicar seu desempenho. Dormir, segundo a especialista, aumenta a capacidade de memorização, atenção e concentração.

Para os dois últimos itens, a razão é simples: o cérebro precisa de energia e o sono é o melhor meio para recuperá-la. “A vigília só pode ser mantida se o sono estiver em dia”, afirma Tieppo.

Quem dedica 8 horas do dia ao sono, experimenta entre cinco e seis episódios do chamado sono R.E.M. “São nesses períodos que as memórias e aprendizados são consolidados”, diz a neurocientista. “Quanto menos sono, menos tempo mergulhado nesse sono”. Resultado? Menos capacidade de memorização e, segundo a especialista, condições para aprender.

A regra é válida até para quem afirma se sentir revigorado mesmo após poucas horas de sono. “Quem dorme entre quatro e cinco horas têm mais chances de desenvolver quadros de stress e doenças cardiovasculares”, afirma.

2. Não descarte as emoções

Engana-se quem pensa que, na hora de decisões profissionais, o que você sente deve ser colocado de escanteio. De acordo com a especialista, quando bem gerenciadas, as emoções podem ser guias valiosos para as escolhas.

“As experiências de uma pessoa são traduzidas em sinais emocionais que se acumulam”, diz Carla. “Um animal que foi quase atacado por um predador quando estava na beira de um lago, não irá se lembrar do episódio quando retornar ao local, mesmo assim, ele não vai querer ficar ali”, exemplifica.

É a isso que a sabedoria popular chama de intuição. E apesar do tom abstrato (e até fantasioso) que este termo pode ter, a intuição nada mais é do que o aprendizado que tivemos no passado traduzido em “marcações emocionais”.

“Saber ler suas emoções faz com que elas não tomem conta de você. Faz com que você as transforme em algo que pode ser manipulado pela razão”. E, portanto, um dado útil na hora de tomar decisões.

3. Desenvolva (bons) hábitos

A excelência em suas atividades profissionais só será conquistada se você treinar, “Ela não vem por um passe de mágica”, diz a especialista. “Você só vai ser disciplinado se todo dia de manhã se comprometer com a disciplina”.

E não adianta teimar na história de que você nasceu assim e será sempre assim. “O conceito de neuroplasticidade mostra que todo mundo pode se modificar”, afirma Carla. “Tudo é possível, basta que você crie o hábito”.

Segundo a especialista, para “economizar” energia, o sistema nervoso possui alguns sistemas automatizados. Essa reação automática é o seu hábito.

Para explicar o conceito, Tieppo compara um novato na cozinha e alguém que já está acostumado a cozinhar. De acordo com ela, o segundo irá gastar menos energia do que o primeiro. Motivo? “Ele já tem tudo automatizado”, diz.

Por isso, não basta apenas recitar palavras positivas (que até podem ter, segundo especialista, um efeito de motivação importante). É preciso praticar, treinar, se comprometer com a formação do seu novo hábito.

4. Ame o seu trabalho (ou crie um sistema de recompensas)

Os autores de autoajuda estão certos quando sugerem que pessoas bem-sucedidas são apaixonadas pelo próprio trabalho. “A motivação é a base emocional que provoca o comportamento”, diz. “O aumento da dopamina faz com que seu sistema seja guiado para a ação”.

Agora, se a paixão pelo trabalho não faz parte da sua história profissional, a dica da especialista é retardar a sua recompensa. Projete para o futuro algo que o motive e que depende do que você faz hoje para ser realizado.

5. Estabeleça metas possíveis

Todas as pessoas, em medidas diferentes, tem problemas e desafios. Quando conseguem encará-los e solucioná-los, “essas pessoas se tornam heróis das próprias vidas. Elas chegam em casa cansadas, mas recompensadas”, descreve Carla.

O problema está quando o desafio é maior do que sua capacidade de suportá-lo. A crise é ter problemas e não conseguir sair deles, é ser incapaz de, naquele momento, se adaptar às situações.

Nessas circunstâncias, o stress é a reação óbvia do organismo. “Quando um predador está por perto, o animal que sobrevive é o que consegue fugir ou lutar. Por isso, o sistema nervoso desenvolve esta resposta para que mais sangue seja direcionado para seus músculos e cérebro, para estimular seu corpo a responder àquela situação”, diz. A dica é negociar metas possíveis diante do seu contexto de trabalho.

6. Pratique exercícios físicos

“Os exercícios físicos desafiam seu corpo, estimulam a recuperação (você sente fome e sono). Eles ajudam até a aumentar a sua capacidade cognitiva, porque elevam o suprimento sanguíneo para o cérebro”, enumera a especialista. “Cada vez que você faz uma atividade física é como se você sinalizasse para o seu corpo que você dá conta dos próprios desafios”.

Artigo retirado e adaptado do site Exame.com.

_____________________________

Conteúdo relacionado:
Ciência explica porque reclamar altera negativamente o cérebro

science-happiness_synapses

9 maneiras de otimizar seu cérebro

techandbrain

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter

 

Curta nossas redes sociais:

Ciência explica porque reclamar altera negativamente o cérebro

Ouvir alguém reclamar, mesmo que seja você mesmo, nunca fez bem. Algumas pessoas dizem que reclamar pode agir como uma catarse, uma maneira de descarregar emoções e experiências negativas. Mas olhar com mais atenção ao que o ato de reclamar realmente faz para o cérebro nos dá motivos reais para lutar por um estado de espírito mais positivo e eliminar o mimimi de nossas vidas.

O cérebro é um órgão complexo que, de alguma forma, funciona em conjunto com a consciência para criar a personalidade de um ser humano, sempre aprendendo, sempre recriando e se regenerando. É ao mesmo tempo o produto da realidade e o criador da realidade, e a ciência está finalmente começando a entender como o cérebro cria a realidade.

Autor, cientista da computação e filósofo, Steven Parton, examinou como as emoções negativas na forma de reclamações, tanto expressas por você mesmo ou vindas de outros, afetam o cérebro e o corpo, nos ajudando a entender por que algumas pessoas parecem não conseguir sair de um estado negativo.

Sua teoria sugere que a negatividade e a reclamação realmente alteram fisicamente a estrutura e função da mente e do corpo.

“Sinapses que disparam juntas, se mantém juntas”, diz Donald Hebb, que é uma maneira concisa de compreender a essência da neuroplasticidade, a ciência de como o cérebro constrói suas conexões com base em tudo a que é repetidamente exposto. Negatividade e reclamações irão reproduzir mais do mesmo, como essa teoria destaca.

Donald Hebb explica ainda:

By Curtis Neveu - Own work, CC BY-SA 3.0,
By Curtis Neveu – Own work, CC BY-SA 3.0

“O princípio é simples: em todo o seu cérebro há uma coleção de sinapses (responsáveis por transmitir as informações de uma célula para outra) separadas por espaços vazios chamados de fenda sináptica. Sempre que você tem um pensamento, uma sinapse dispara uma reação química através da fenda para outra sinapse, construindo assim uma ponte por onde um sinal elétrico pode atravessar, carregando a informação relevante do seu pensamento durante a descarga.

… toda vez que essa descarga elétrica é acionada, as sinapses se aproximam mais, a fim de diminuir a distância que a descarga elétrica precisa percorrer… o cérebro irá refazer seus próprios circuitos, alterando-se fisicamente para facilitar que as sinapses adequadas compartilhem a reação química e, tornando mais fácil para o pensamento se propagar.“

Além disso, a compreensão desse processo inclui a ideia de que as ligações elétricas mais utilizadas pelo cérebro se tornarão mais curtas, portanto, escolhidas mais frequentemente pelo cérebro. Isso explica como a personalidade é alterada.

No entanto, como seres conscientes, temos o poder de modificar esse processo, simplesmente ao nos tornarmos conscientes de como o jogo universal da dualidade atua no momento em que surgem os pensamentos. Nós temos o poder de escolher criar pensamentos conscientes de amor e harmonia, garantindo, assim, que o cérebro e a personalidade sejam positivamente alterados.

A empatia e o efeito em grupo

Vamos além do efeito que a reclamação tem sobre o próprio indivíduo. Essa linha de raciocínio científico se estende até a dinâmica entre duas pessoas, explicando cientificamente como a reclamação joga outras pessoas para baixo.

Assim, quando alguém derrama um caminhão de fofocas, de negatividade e drama em cima de você, você pode ter certeza que está sendo afetado bioquimicamente, diminuindo as suas chances ser feliz. A exposição a esse tipo de explosão emocional realmente provoca stress. E já sabemos que o estresse mata. Portanto, reclamação e negatividade podem contribuir seriamente para a sua morte precoce.

Parton refere-se a essa perspectiva como “a ciência da felicidade”, e este comportamento de reclamação contínua oferece um estudo propício para a ligação entre o poder do pensamento e a capacidade de controle que uma pessoa pode ter sobre a criação de sua realidade tridimensional.

“… Se você está sempre reclamando e menospreza o seu próprio poder sobre a realidade, você não pensa que tem o poder de mudar. E assim, você nunca vai mudar. “

Artigo extraído do site Terapeutas Quânticos e Holísticos , adaptado por WaysUP.

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Conteúdo relacionado:

 

9 maneiras de otimizar seu cérebro

É obvio que nós usamos o cérebro o tempo todo, mas será que o utilizamos da maneira certa? Estudos científicos apontam diversas maneiras de melhorar o aproveitamento desse músculo que, assim como qualquer outro, precisa de estímulos para exercitar-se. Confira, a seguir, 9 dicas para melhorar o funcionamento do seu cérebro:

1 – Leia (e, de preferência, escreva também)

Muitos estudos mostram que ler e escrever são atos que ajudam a melhorar a capacidade cerebral. E nem precisa ser por horas a fio, caso você não tenha tempo: basta levar um livro na mochila e ler em intervalos de trabalho, filas, trânsito, transporte público…

2 – Estude

Tente estudar por conta própria. Caso você sinta necessidade ou goste do ambiente universitário, inscreva-se num curso de sua preferência.

3 – Aprenda coisas novas

Busque sempre aprender sobre novas áreas que despertem seu interesse. Sejam instrumentos musicais, artes, conteúdos teóricos – o que importa mesmo é levar conhecimento novo ao cérebro pra que ele não fique “enferrujado”.

4 – Dê uma pausa às vezes

Por mais coisas que tenhamos a fazer é sempre muito importante fazer pausas para “refrescar” a cabeça. Relaxar, ouvir músicas das quais gostamos e meditar são ótimas maneiras de descansar um pouco da correria cotidiana.

5 – Expresse-se

Buscar maneiras de expressar sentimentos do dia-a-dia, como escrever em blogs, diários ou conversar com amigos de confiança, pode ser, além de uma excelente válvula de escape, um ótimo jeito de exercitar sua capacidade de comunicação. Assim, você será melhor interpretado por quem convive ao seu redor.

6 – Não desista dos seus objetivos

Seja lá qual for. Quanto mais você se esforça para conquistar o que deseja, mais aprende ao longo do processo. E assim que você alcançar seu objetivo tenha outro em mente: nunca se satisfaça.

7 – Tenha disciplina

É claro que os resultados de todos os exercícios não virão em um dia ou dois, mas é importante ter constância e manter a frequência, só assim o cérebro terá seu potencial levado ao máximo.

8 – Inspire-se

Não é fácil manter o foco num objetivo a ser atingido em longo prazo, por isso é essencial que você busque inspiração, seja em filmes, pessoas que você admire ou qualquer coisa que te faça sentir vontade de seguir em frente.

9 – Conheça a si mesmo

Todos têm momentos de maior produtividade ao longo do dia. Descubra quais são esses momentos no seu cotidiano e construa sua rotina de modo a aproveitá-los ao máximo para fazer atividades que exijam mais de você.

Artigo retirado do site Universia Brasil.

_____________________________

Conteúdo relacionado:
10 hobbies que deixarão você mais inteligente

#WaysUpCoaching_Paris

10 músicas para começar bem um dia de trabalho

#WaysUpCoaching_Ouvir_musica

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter

 

Curta nossas redes sociais: