Arquivo: Produtividade

As 10 melhores técnicas de estudo, segundo a ciência

Um estudo publicado em janeiro de 2013 na revista científica Psychological Science in the Public Interest avaliou dez técnicas de estudo comuns para classificar quais possuem de fato a melhor utilidade.

Técnicas de estudo bastante populares no Brasil, como resumir, grifar, utilizar mnemônicos, visualizar imagens para apreensão de textos e reler conteúdos foram classificadas como as de utilidade mais baixa.

Três técnicas de estudo foram encaradas como de utilidade moderada: interrogação elaborativa, auto-explicação e estudo intercalado.

E as duas que obtiveram o mais alto grau de utilidade na aprendizagem foram as técnicas de teste prático e prática distribuída.

É a ciência desaprovando boa parte das técnicas de estudo, principalmente as baseadas em resumos, grifos, mnemônicos e mapas mentais. Por outro lado, foi confirmada a impressão de que a realização de exercícios em doses cavalares é extremamente efetiva para o estudo para concursos públicos.

O ranking reflete os resultados da pesquisa, porém cada pessoa tem suas próprias técnicas de estudo e nada está escrito em pedra. Veja agora as técnicas tratadas no estudo, das menos às mais eficazes:

1. Grifar (baixa eficácia)

Fácil, porém ineficiente. O estudo aponta que a técnica de apenas grifar partes importantes de um texto é pouco efetiva pois praticamente não requer esforço. Ao grifar, seu cérebro não está organizando, criando ou conectando conhecimentos, portanto, só tem utilidade quando combinada com outras técnicas.

2. Releitura (baixa eficácia)

Reler um conteúdo, em regra, é menos efetivo do que as demais técnicas apresentadas. O estudo, no entanto, mostrou que determinados tipos de leitura podem ser melhores do que resumos ou grifos, se aplicados no mesmo período de tempo. A dica é reler imediatamente depois de ler, por diversas vezes.

3. Mnemônicos (baixa eficácia)

Segundo o dicionário Houaiss, mnemônico é algo relativo à memória; que serve para desenvolver a memória e facilitar a lembrança. Em apostilas e sites de concursos públicos, é muito comum ver o uso de mnemônicos com as primeiras letras ou sílabas, como o famoso SoCiDiVaPlu, usado para decorar os fundamentos da República Federativa do Brasil (artigo 1º da Constituição).

O estudo mostrou que os mnemônicos só são efetivos quando as palavras-chave são importantes e quando o material estudado inclui palavras fáceis de memorizar. Assuntos que não se adaptam bem às palavras não conseguem ser bem aprendidos com o uso de mnemônicos. Então, utilize-os em casos específicos e em pouco tempo antes do teste.

4. Visualização (baixa eficácia)

Os pesquisadores pediram que estudantes imaginassem figuras enquanto liam textos. O resultado positivo foi apenas em relação à memorização de frases. Em relação a textos mais longos, a técnica mostrou-se pouco efetiva. Surpreendentemente, a transformação das imagens mentais em desenhos também não demonstrou aumentar a aprendizagem.

5. Resumos (baixa eficácia)

Resumir os pontos mais importantes de um texto com as principais ideias sempre foi uma técnica quase intuitiva de aprendizagem. O estudo mostrou que os resumos são úteis para provas escritas, mas não para provas objetivas. Embora tenha sido classificado como de baixa eficácia, a técnica de resumir ainda é melhor do que grifar e reler textos.

6. Interrogação elaborativa (eficácia moderada)

A técnica de interrogação elaborativa consiste em criar explicações que justifiquem o porquê de determinados fatos apresentados no texto. O estudante devem concentrar-se em perguntas do tipo Por quê? em vez de O quê?.

Seguindo o exemplo da Constituição, o ideal seria perguntar-se por que o Brasil adota a dignidade da pessoa humana como fundamento da República? E buscar a resposta na origem do estado democrático de Direito e na adoção do princípio da dignidade da pessoa humana pelas principais democracias ocidentais após a Revolução Francesa.

Note que esse tipo de estudo requer um esforço maior do cérebro, pois concentra-se em compreender as causas de determinado fato, investigando suas origens.

Falando especificamente de concursos públicos, a interrogação elaborativa é um grande diferencial na hora de responder redações e questões discursivas.

7. Auto-explicação (eficácia moderada)

A auto-explicação mostrou-se ser uma técnica útil para aprendizagem de conteúdos mais abstratos. Na prática, trata-se de ler o conteúdo e explicá-lo com suas próprias palavras para você mesmo. O estudo mostrou que essa técnica é mais efetiva se utilizada durante o aprendizado, e não após o estudo.

8. Estudo intercalado (eficácia moderada)

O estudo intercalado é o que chamamos de rotação de matérias. A pesquisa procurou saber se era mais efetivo estudar tópicos de uma vez ou intercalando diferentes tipos de conteúdos de maneira aleatória. Os cientistas concluíram que a intercalação tem utilidade maior em aprendizados envolvendo movimentos físicos e tarefas cognitivas (como ciências exatas). O principal benefício da intercalação é permitir que a pessoa consiga estudar por mais tempo.

9. Teste prático (alta eficácia)

Realizar testes práticos sobre o que você está estudando é uma das duas melhores maneiras de aprendizagem. A pesquisa científica mostrou que realizar testes práticos é até duas vezes mais eficiente do que outras técnicas.

No caso específico de concursos públicos, a recomendação é fazer toneladas de exercícios de provas anteriores. Não apenas do cargo para o qual você está estudando, mas qualquer tipo de questão sobre os conteúdos que cairão na sua prova, o site Questões de Concursos possui vários exercícios que podem ser filtrados de diversas formas.

10. Prática distribuída (alta eficácia)

A prática distribuída consiste em distribuir o estudo ao longo do tempo, em vez de concentrar toda a aprendizagem em um dia só – o anterior à prova. Pesquisas mostram que o tempo ótimo de distribuição das sessões de estudo é de 10 a 20% do período que o conteúdo precisa ser lembrado. Por essa conta, se você quer lembrar algo por cinco anos, você deve estudá-lo por seis meses. Se quer lembrar por uma semana, deve estudar uma vez por dia.

A prática distribuída também pode ser interpretada como a distribuição do estudo em pequenos períodos ao longo do dia, intercalando com períodos de descanso.

E aí, quais as suas técnicas de estudo?

Artigo extraído e adaptado do site Mude.nu.

_____________________________

Conteúdo relacionado:
Como aprender mais compartilhando conhecimentos
slide-bookshop-1140x385

6 maneiras de treinar a mente para acelerar seu aprendizado

ss9

Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter

 

Curta nossas redes sociais:

A procrastinação é um distúrbio crônico e prejudicial. Tem cura?

Procrastinar, postergar, protelar, embromar é basicamente a mesma coisa. Aliás, deixar para depois é uma das maiores causas dos esquecimentos. No caso dos estudantes, deixar para fixar depois na memória o que aprendeu agora significa esquecer praticamente TUDO algumas horas depois. O psicólogo Alessandro Vianna fez um ótimo artigo sobre o problema da procrastinação e apresenta ótimas dicas de como evitar.

Separamos aqui partes do artigo:

Procrastinar é algo de que pouco se fala, mas que muito se faz. Embora “embromação” possa ser um de seus quase sinônimos populares, a procrastinação vai um pouco além disso. É um comportamento crônico nocivo.

É aquele hábito de deixar tudo para depois: uma tarefa “chata”, os estudos, o regime alimentar, as atividades físicas, o abandono de um vício. Coisas que sabemos que precisamos fazer, mas que, por inúmeras razões, ficamos adiando.

O procrastinador é alguém que faz várias coisas ao mesmo tempo, exatamente para não fazer aquilo que realmente deve ser feito. Quando pensa no que de fato tem de fazer, sente-se preso e sem reação.

As consequências são danosas, especialmente a longo prazo, quando se percebe quanto tempo foi jogado fora por falta de ação objetiva.

Ao deixar de cumprir certas obrigações, decepcionamos alguém e perdemos credibilidade e oportunidades. Isso se percebe claramente na vida conjugal, no convívio familiar e na carreira profissional. Depois ficamos observando a trajetória de outras pessoas, que entraram em forma, ganharam conhecimentos e avançaram profissionalmente.

Quando vejo pessoas querendo empreender grandes mudanças de imediato, sei que estou diante de um procrastinador, porque ele fica inativo por muito tempo e, depois que percebe nos outros o quanto não evoluiu, resolve mudar tudo de uma vez.

É óbvio que não vai conseguir, porque as nossas grandes realizações são conquistadas aos poucos.

Desse modo, novamente derrotada, essa pessoa tende a desanimar e voltar a procrastinar novamente, repetindo um ciclo fadado à infelicidade.

Enquanto procrastina, a pessoa vai absorvendo estresse por uma oculta sensação de culpa, sentindo a sua perda de produtividade e cultivando vergonha em relação aos demais, por não conseguir cumprir seus compromissos.

A formação de um “enrolador” muitas vezes começa na infância. Crianças podem tornar-se procrastinadoras no futuro por conta do tratamento que recebem dos adultos. Daí a conveniência de revermos constantemente as nossas crenças, para nos livrarmos de influências negativas que adquirimos ao longo da vida.

Duas das vertentes mais clássicas são:

– A criança extremamente protegida, condicionada a achar que sempre alguém fará por ela. Quando adulta, ela tenderá, inconscientemente, a sentir-se insegura para agir, por não ter alguém auxiliando-a.

– A criança que é exageradamente cobrada. Ela pode desenvolver a característica do perfeccionismo. Assim, ela tende à procrastinação por acreditar que, mesmo se dedicando, não conseguirá realizar as coisas de modo primoroso – e acaba postergando tudo o que acha importante.

Tratamento

A procrastinação crônica é quase sempre associada a alguma disfunção psicológica ou fisiológica. Portanto, é passível de tratamento.

Quando recebo pacientes procrastinadores, incluo no tratamento algumas recomendações que ajudam muito a livrá-los dessa anomalia. Eis algumas:

– Reconheça, quando está enrolando, que pode haver mais dor em procrastinar do que em realizar a tarefa. Muita coisa é menos complicada do que parece ser.

– Não deixe aquele afazer chato por último, para que ele não se torne urgente e o apavore ainda mais.

– Experimente a sensação de alívio e o fortalecimento da auto-estima após concluir uma tarefa e perceba que livrou-se dela de maneira positiva, enfrentando-a.

– Para encorajar-se, pense no que vai deixar de ganhar ou no que pode perder caso não realize essa atividade. Se puder escrevê-las e avaliá-las seriamente, melhor.

– Se a tarefa for muito trabalhosa, divida-a em partes e vá realizando uma a uma, com um pequeno intervalo entre elas, e comemorando (sim!) a última concluída.

– Abra-se para o novo, deixando de agarrar-se às velhas experiências e crenças. O passado não volta mais; o presente é continuamente feito de novos desafios e o futuro é construído passo a passo pelas ações do presente.

– Quando perceber que está querendo procrastinar de novo, proponha-se a atuar por apenas alguns minutos na ação que está tentando evitar. Pode ser que você perceba que não é tão desagradável quanto pensava e venha a vencê-la (touché!).

– Caso lhe seja por demais desagradável, dê-se uma pausa e passe a fazer algo útil (não pare de agir), mas determine quando voltará ao assunto pendente.

A principal vitória é vencer a procrastinação em si. Trata-se de uma vitória para a vida inteira, como a daquela criança que um dia perde o medo do escuro.

Artigo extraído e adaptado do site Renato Alves.

_____________________________

Conteúdo relacionado:
Distração: a maior vilã da nossa vida
procrastination6x4

5 dicas para um dia mais produtivo e feliz!

Equilíbrio e performance

Curta nossas redes sociais:
facebook2unnamedunnamednewsroom-linedin-logoSnapchat-logo-vector

Distração: a maior vilã da nossa vida

O primeiro passo para vencer a procrastinação é entender que procrastinar, ou adiar, é uma característica humana. Todo mundo procrastina alguma coisa em algum momento na vida. Pode ser uma coisa chata ou até o simples ato de apertar o botão soneca do seu despertador logo pela manhã. Aceite isso e preocupe-se apenas em combater a procrastinação prejudicial, pois a outra é natural.

O problema é quando a procrastinação começa a se tornar algo crônico, consome seu tempo sem necessidade e faz você perder qualidade de vida. Para vencê-la, existe uma série de técnicas. Abaixo há quatro dicas bem simples que podem te ajudar a fugir da procrastinação e finalizar logo uma tarefa:

  1. Em primeiro lugar, aloque um espaço de tempo na sua agenda para realizar a atividade longe de momentos de pico de trabalho (pode ser logo pela manhã, no fim do dia, almoço, etc).
  2. Temos a tendência a adiar coisas grandes, por isso, quebre a tarefa em atividades menores, com no máximo 30 minutos de duração e distribua em diversos dias.
  3. Peça ajuda, seja para fazer a atividade ou simplesmente para alguém ficar te cobrando.
  4. Remova todo e qualquer tipo possível de interrupção, principalmente no seu computador e celular. Feche o navegador, o e-mail e outros apps altamente distrativos. Deixe apenas a janela com a atividade que precisa ser feita.

Seguindo essas simples dicas é garantida a melhora imediata em sua produtividade e, obviamente, a redução da procrastinação.

Artigo extraído e adaptado do site Exame.com.

_____________________________

Gostou? Compartilhe:

botão newsletter
Curta nossas redes sociais:

 

 

Conteúdo relacionado:
Chega de procrastinar: 5 táticas infalíveis!

Procrastinação: um vício que pode custar caro

João era um funcionário muito inteligente, criativo, de ótimo relacionamento. Tinha um vício que o atrapalhava muito: sempre ia deixando as tarefas mais complexas ou difíceis para depois. Ele até que se esforçava, fazia uma lista no início do dia, com todas as coisas importantes que precisava fazer no dia. Frequentemente, no fim do dia, sobrava umas três ou quatro atividades que não tinha concluído, algumas delas ainda com prazo, e jogava para o dia seguinte. Assim, as coisas iam se acumulando, e todo o mês ele tinha que pedir prazos adicionais a seu gestor, ou entregava em cima da hora (algumas vezes nem tão bem feito como poderia). Com isso, a “moral” dele foi caindo, e apesar de ser um ótimo profissional, as oportunidades de promoções não lhe eram disponibilizadas. Com o tempo, sua a carreira estagnou e, consequentemente, sua renda.

O hábito de procrastinar é extremamente prejudicial à carreira. As pessoas gostam de quem se antecipa, de proatividade, de prestatividade. O profissional demonstra o seu comprometimento com o negócio, tem tempo hábil de melhorar e está sempre à frente dos demais.

Seja empregado ou empresário, risque a procrastinação da sua vida. Seja rápido. Faça bem feito. E faça logo. Pratique o Do it now (faça agora) e tenha sucesso e prosperidade em sua profissão!

Fica a dica!

Artigo extraído e adaptado do site Finanças na Prática.

_____________________________

Conteúdo relacionado:
10 Dicas comportamentais para alavancar sua carreira
Curta nossas redes sociais:
facebook2unnamedunnamednewsroom-linedin-logoSnapchat-logo-vector

Ser organizado é ser mais produtivo

Você é uma pessoa organizada? Essa habilidade pode até parecer um grande desafio para a maioria das pessoas, principalmente pelo fato de que é preciso abandonar alguns comportamentos negativos como: a preguiça e a procrastinação.

E o primeiro passo para superar tais comportamentos é ter motivação e foco para alcançar os benefícios que a organização proporciona.Você já parou para pensar nas vantagens de ser uma pessoa organizada?

Super Vantagens de ser Organizado:

I – Maior Produtividade

Existem diversos motivos que podem influenciar no aumento da produtividade, porém a organização é um dos principais, pois ser organizado tem relação com o bom planejamento do nosso dia, e isso resulta em estabelecer prioridade para as tarefas e fazer tudo aquilo que realmente precisa, evitando distrações e esquecimento.

II – Maior aproveitamento do tempo

Ser uma pessoa organizada é ser capaz de planejar bem o seu dia, dedicar mais tempo suficiente para cada tarefa a ser executada, além de evitar o desperdício de tempo à procura de objetos, e-mails ou documentos que podem ficar perdidos no meio da desorganização.

III – Maior facilidade

Ser uma pessoa organizada também pode facilitar bastante a sua vida. Como? Simples! Quando você sabe onde está tudo o que precisa ou o que necessita ser feito, isso quer dizer que você é uma pessoa organizada e consequentemente tem mais facilidade no seu dia a dia.

A importância da organização

Você é capaz de manter o foco no que realmente é importante e prioritário no seu dia? Se você não consegue se organizar, então não consegue definir os seus objetivos e estabelecer suas próprias prioridades. Dessa forma, você não realizará o que realmente importa.

Manter o foco fica ainda mais difícil quando existem outras coisas disputando a sua atenção como as redes sociais, o celular, as conversas supérfluas…

Pessoas produtivas são capazes de desligar todas as fontes desnecessárias, principalmente quando decidem focar em alguma coisa.

A influência da organização na inteligência emocional

Sabia que sua organização também tem um propósito muito importante na sua inteligência emocional? E tudo o que você precisa é saber gerenciá-las.

Então, antes de qualquer coisa, entenda que você não pode controlar tudo, mas se você se organizar melhor e com antecedência, vai evitar sentimentos de raiva e frustrações. Por isso, planeje-se e organize-se!

Quando você se prepara e antecede a possíveis imprevistos, fica mais fácil resolvê-los.

Dicas para te ajudar a organizar suas ideias

Confira algumas dicas para treinar o seu cérebro a lidar com a sobrecarga e organizar as informações de forma que você aproveite melhor as suas capacidades.

1. Transcreva dados

Evite sobrecarregar o seu cérebro. Para isso, faça uma lista com os seus afazeres ao invés de deixá-los na memória. Quando você coloca tudo no papel e fora de sua cabeça, isso te ajuda a pensar de forma objetiva e permite que você tome decisões mais acertadas.

2. Tome grandes decisões logo pela manhã

Se você tiver alguma decisão para tomar é preferível que seja pela manhã, começando pelas mais simples, pois quanto mais volume de decisões você tiver mais neuro-recursos utilizará. Ou seja, é como uma bateria, quanto mais você utiliza menos carga terá.

Quem trabalha o dia todo com pequenas decisões, na hora em que surgir uma grande decisão estará neurologicamente esgotado.

Por isso, programe suas tarefas de tomadas de decisões importantes no início do dia, dessa forma você vai maximizar os recursos do seu cérebro.

3. Seja organizado

Quando você consegue se organizar, a começar pelo seu ambiente físico, automaticamente diminui a carga em seu cérebro.

Que tal começar tendo um lugar designado para itens que é comum serem esquecidos, como chaves, óculos e celular? Assim, o seu ambiente físico servirá como lembrete, o que vai aliviar a tensão do seu cérebro e assim passará a se lembrar das coisas.

4. Ser multitarefa é um equívoco

É muito comum no dia a dia você se pegar verificando um e-mail enquanto conversa ao telefone, ou mesmo mandando uma mensagem durante uma reunião de trabalho. Ser multitarefa é um equívoco!

Quando você faz isso, na verdade está alternando rapidamente sua atenção de uma coisa para a outra. Essa rápida transição esgota o seu suprimento de glicose para o cérebro, e esse é o principal combustível para a comunicação dos neurônios.

Fazer esse tipo de coisa constantemente leva o seu cérebro a atingir um nível de fadiga muito mais cedo do que se você tivesse se concentrado em uma coisa de cada vez, sem contar que esse tipo de atitude pode reduzir o seu nível de inteligência (QI) em até 10 pontos, segundo pesquisas de Daniel Levitin, autor do livro “A mente organizada”.

Sendo assim, procure seguir essas dicas a fim de levar uma vida mais organizada a partir de hoje.

Artigo extraído e adaptado do site IBC Coaching.

_____________________________

Conteúdo relacionado:
O corpo humano dá dicas para ter boa produtividade
Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter

 

Curta nossas redes sociais:

7 exercícios para melhorar sua concentração

Concentração, que no trabalho também é chamada de foco, é uma habilidade necessária para nossa vida. Muitos profissionais sentem dificuldade para se concentrar – e se distraem a toa na internet, nas conversas paralelas ou com mensagens que chegam pelo smartphone – e, com isso, não sabem quais tarefas priorizar nem como organizá-las.

A boa notícia para quem tem dificuldade em se concentrar é que essa habilidade pode ser desenvolvida, como tantas outras. O especialista em motivação Samuel Edwards, em artigo publicado na Business Insider, dá sete dicas básicas para quem quer se “focar”.

1. Procure ambientes que oferecem menos distrações

Parece uma sugestão óbvia, mas você já tentou fazer isso? Tire um dia para avaliar como anda o seu foco, se ele tem flutuações durante o dia. Existe algum momento no dia em que você sente que sua concentração é maior? Quando ela é menor, será resultado de um processo que o deixou muito cansado naquele dia ou é mesmo comum? Logo após o almoço, tem dificuldade em engrenar o pensamento? Você é do tipo que se distrai muito com as mensagens no celular e sempre precisa responder naquele momento?

Para lidar com tantas possibilidades, inicialmente, tente dormir por mais horas e troque o almoço pesado por uma versão mais leve (fazendo intervalos curtos para comer algo). Desligue as notificações de redes sociais e estabeleça alguns intervalos no seu dia para responder ou interagir. Talvez você descubra, no processo, que alguns lugares permitem que você esteja mais focado e, nesse caso, faça bom uso deles.

2. Pratique meditação

Os benefícios da meditação são bastante conhecidos. Como uma prática, trata-se de permitir que sua mente retorne ao estado natural – livre de distrações, pensamentos e “ruídos”. Encontrar esse estado de mindfulness é difícil, pode demorar um pouco até que você consiga chegar lá. Toda vez que um pensamento, imagem ou som entrar em sua mente, procure visualizar a si mesmo liberando esse pensamento e mantendo sua mente o mais vazia possível. Fazendo isso regularmente, você aumentará sua habilidade de se desprender de distrações e manter a mente clara, mesmo em situações de estresse.

3. Faça exercícios físicos

Estudos científicos comprovam a relação existente entre atividade física e habilidade de concentração. Começar o dia com uma corrida ou aproveitar o horário de almoço para uma rotina de exercícios pode aumentar seu foco por algumas horas. Os benefícios, porém, não ficam por aí. Ao adotar uma atividade física de maneira regular, você tem a oportunidade de desestressar, além de manter sua saúde em alta e o corpo em melhor forma física.

4. Faça listas

Fazer listas com as tarefas do dia ajuda a se concentrar de várias maneiras. Em primeiro lugar, a lista deixa claro quais são as tarefas mais importantes do dia, você estabelece as prioridades e mantém o foco até que sejam finalizadas. Se o desafio é entregar um relatório, mas gostaria de pesquisar algumas informações, anote os pontos importantes para procurar e siga com a sua tarefa até o final – e, só então, faça a pesquisa. Essa tática evita que você perca o foco no que estava fazendo.

5. Use mais sua memória

Pratique regularmente o processo de memorização, começando por poemas, frases e citações. Além de ampliar seu vocabulário, você também ficará mais articulado. Para quem tem dificuldade em memorizar, comece uma vez por semana até chegar ao processo diário.

6. Divida tarefas grandes em várias partes

Se você é do tipo que entra em pânico diante de um grande projeto e se sente intimidado pelo desafio, desenvolva o hábito de quebrar o todo em partes menores. Com isso, você se concentra em tarefas menores e vai completando até chegar ao final. É muito mais fácil se concentrar em tarefas de cinco minutos do que tentar atacar algo gigantesco.

7. Estabeleça prazos para suas tarefas

Uma das melhores maneiras de aumentar seu foco é agrupar suas distrações e colocá-las em espera. Você pode estabelecer horários de alta concentração, intercalados por uma pausa ou intervalos em que você diminui o ritmo de trabalho, dependendo do seu perfil profissional. Digamos que você estabeleça um período de 45 minutos para a leitura de documentos e checagem, seguidos de 15 minutos de pausa ou tarefas mais fáceis. Por saber que você está terminando seu tempo de trabalho e logo terá sua pausa, a tendência é se concentrar no objetivo e não se distrair.

E uma última dica: não espere que sua habilidade de se concentrar cresça exponencialmente do dia para a noite. Como tudo na vida, é importante praticar para pegar o jeito antes de sentir os resultados. Em lugar de tentar medir se essas técnicas estão funcionando, concentre-se em incorporar tais atividades à sua rotina. Aí sim, você verá a diferença.

Artigo extraído e adaptado do site Época Negócios.

_____________________________

Conteúdo relacionado:
Como o chocolate afeta o seu cérebro
Gostou? Compartilhe:

 

botão newsletter

 

Curta nossas redes sociais:

Como ter um fim de semana divertido e produtivo

Depois de uma longa – e muitas vezes cansativa– semana de trabalho, chega o tão esperado fim de semana. Mas o que fazer com ele? Descansar e se desligar do mundo e do trabalho, ou fazer planos e estabelecer metas?

A escritora Laura Vanderkam, autora da série de livros “What The Most Successful People Do” (O que as pessoas mais bem sucedidas fazem, em tradução literal), tem algumas dicas.

Em um dos livros, ela revela o que as pessoas bem-sucedidas fazem durante os finais de semana, ela mostra como podemos tomar o controle desses dias para descansar o necessário e, ao mesmo tempo, usar a inatividade como um trampolim para uma semana produtiva.

Veja abaixo alguns conselhos dados pela escritora:

NÃO DEIXE DE DESCANSAR

Todo mundo precisa de um pouco de uma pausa para recarregar a bateria. A pausa não precisa ser feita durante todo o fim de semana, mas é necessária.

FAÇA PLANOS

Se você trabalha muitas horas todos os dias, não deixe os dias de descanso correrem de forma aleatória. “Pense antecipadamente em algumas coisas divertidas que você gostaria de fazer e tome providências para fazê-las acontecer”, afirma.

EXERCITE SEU CÉREBRO

Vanderkum afirma que entrevistou muitas pessoas que fazem algo para desenvolver habilidades úteis e bem diferentes do que o seu trabalho habitual.

“Um gerente pode treinar um time de esporte, o que aumenta a capacidade de liderança. Um presidente-executivo de uma empresa de artigos de papelaria trabalha em jardinagem, combinando as plantas de diferentes maneiras para estudar padrões e texturas.”

DIVIRTA-SE NO DOMINGO

Planeje algo divertido para domingo à noite para não se preocupar com o trabalho.

PENSE SOBRE A PRÓXIMA SEMANA

Em algum momento no fim de semana, pense sobre seus principais objetivos para a próxima semana: de três a cinco coisas pessoais e profissionais.

Fonte: Folha de São Paulo

Artigo extraído e adaptado do site do Senac.

_____________________________

Conteúdo relacionado:
Sexta-feira improdutiva? Fuja desse clichê!

Sexta-feira improdutiva? Fuja desse clichê!

Muitas pessoas passam a semana inteira pensando em apenas 1 dia dessa semana: a sexta.

A sexta é o dia mais comemorado e mais nostálgico da semana. As pessoas trabalham a semana inteira esperando o final da quinta. Com isso, a sexta acaba sendo o dia mais improdutivo da semana.

Pare por um segundo e pense: o que as pessoas mais compartilham na internet na sexta-feira? O que as pessoas mais esperam da sexta? O que as pessoas mais falam na sexta?

A resposta sempre é, e talvez, sempre será: diversão.

A maioria das pessoas não estão preocupadas com o trabalho, estão preocupadas em se divertir, em passar o final de semana descansando e torcer para que a segunda não chegue – como se ela fosse um castigo.

O velho dilema de fazer o que gosta versus o que precisa ser feito

Nós nascemos e crescemos envoltos por um dilema existencial. Enquanto ouvimos as pessoas dizendo que precisamos fazer o que gostamos, muitas vezes não gostamos nem um pouco do que fazemos.

A verdade é que nós nos forçamos a gostar de fazer o que precisa ser feito.

No meio disso tudo, algumas pessoas encontram suas verdadeiras paixões. Mas, por outro lado, outras pessoas simplesmente parecem que carregam um fardo em suas vidas.

A busca pela felicidade

A busca pela felicidade, realização, diversão, e sentido da nossa vida, é uma missão individual. Significa que nós temos que buscar o sentido para a nossa vida. E a má notícia é que não existe receita de bolo para isso, muito menos um caminho menos arriscado.

Se não encontrarmos o que nos faz felizes, passaremos anos e uma vida inteira fazendo aquilo que não tem sentido.

Ao levantar pela manhã, seja segunda, seja sexta, precisamos nos responder: estou saindo de casa e buscando a minha felicidade, os meus sonhos, as minhas metas e lutando por aquilo que eu acredito?

Se a resposta for não, estaremos desperdiçando nosso tempo e isso pode acabar virando um desperdício de vida.

É importante dar um propósito para nossa vida. Porque quando fazemos o que amamos, independentemente do dia, da hora, do momento, estaremos construindo uma estrada para a nossa felicidade.

Só seremos felizes quando encontrarmos algo que, ao invés de simplesmente nos ajudar a levantar da cama, nos faça esquecer de dormir, trabalhar domingos, sábados e até mesmo nos feriados, se possível – porque gostamos disso!

A única maneira de se encontrar a felicidade é fazendo o que gosta

Então o que importa é fazer o que gosta? Depende. Muitas vezes as pessoas gostam de ver um serviço bem feito. E acreditam que essa é sua vocação.

Existem vendedores profissionais que poderiam ficar a vida toda vendendo, tendo um bom rendimento e ganhando uma boa comissão. Esses são os vendedores de verdade – não as pessoas que estão atuando como vendedoras. Eles realmente sabem vender. Seguem os mandamentos das vendas e com isso, conseguem atingir resultados incríveis. Eles poderiam ser vendedores pela vida toda.

Voltando às sextas-feiras

O que podemos concluir é que o fato de amar a sexta e odiar a semana, é simplesmente um detalhe para compensar a falta de realização nos outros dias da semana.

Se um profissional está entediado no seu trabalho, ele simplesmente vai se sentir aliviado quando a semana acabar e ele tirar das costas todo aquele peso que o vem acompanhando durante a semana, mesmo que apenas por 1 ou 2 dias.

Isso funciona para todas as pessoas. Todos que estão longe de se sentirem realizados no trabalho, se frustram durante a semana, quando fazem coisas por obrigação e não por amor e sentem um alívio libertador na sexta, quando podem respirar pelo menos por poucos dias aliviadamente.

Sim. As pessoas estão terrivelmente insatisfeitas.

O gestor comercial está insatisfeito porque a sua equipe está muito longe de cumprir a meta de vendas pelo terceiro mês consecutivo. A equipe de vendas está insatisfeita porque os salários são insatisfatórios para eles.

E no meio disso tudo, todos saem perdendo tempo, porque a cada sexta-feira que passa, perdemos uma semana de vida.

Portanto, se você acha que a sexta-feira é a solução para os seus problemas, acredite, isso não é verdade. A solução para os seus problemas é repensar o propósito da sua vida.

Algumas pessoas estão no caminho certo

Do outro lado temos as pessoas que são extremamente felizes com o seu trabalho, com a sua vida, com a sua carreira, família, relacionamentos, autoestima, mas que se sentem tão cansadas durante a semana que tudo que conseguem fazer é comemorar o início do fim de semana.

Essas pessoas, geralmente estão cansadas por conta de uma rotina exigente e, mesmo sentindo-se renovadas ao iniciar um novo dia, precisam de mais tempo nos finais de semana para que o corpo recupere a energia perdida.

Muitas vezes elas já passaram o final de semana trabalhando. Emendaram feriado, madrugadas e viraram muitas noites envolvidas em seus trabalhos. Para essas pessoas, comemorar a sexta-feira é a expressão de que um período maior de descanso, renovação e inspiração começa.

Essas pessoas têm legitimidade para pedir por uma pausa merecida. Elas estão buscando sua felicidade. Elas estão lutando por seus sonhos, seus objetivos, sua vida.

Por isso, queremos dizer a essas pessoas para realmente comemorarem a sexta e usarem esse dia para rever a semana anterior e se preparar para a nova semana. Acredite, fazer uma faxina mental e jogar fora os pensamentos que deram errado é uma excelente maneira de entrar com o pé direito na nova semana.

E, pensando nessa renovação, nessa reenergização, elaboramos algumas dicas para que a sexta-feira seja um trampolim para o início de um final de semana de descanso.

Quais são os seus motivos para comemorar a sexta-feira?

Se a semana foi um porre, pense no que deu errado, no que você não conseguiu fazer, nas tarefas atrasadas, nos compromissos perdidos e, principalmente, de tudo o que conseguiu entregar para seus clientes.

Se a semana foi um sucesso, pense em tudo que deu certo, anote o que fez de bom para repetir na próxima semana e encha sua cabeça com os frutos da semana. Certamente a sensação de dever cumprido é um presente.

Comemore, não porque é sexta, mas porque a semana está chegando ao fim e com o fim de um novo ciclo, você está mais experiente, mais preparado e mais forte para os novos desafios. Celebre com sua equipe e colegas as conquistas, as metas conquistadas e os potenciais sucessos do futuro.

Uma das coisas que nos faz levantar cedo pela manhã no início da semana é a esperança de poder fazer melhor a cada dia. Por isso, toda vez que atingimos o nosso melhor precisamos comemorar, para mostrarmos a nos mesmos como somos capazes de superar os desafios.

Lembre-se que a semana é um ciclo

Você precisa viver todos os dias intensamente. Lembre-se que, quem vive apenas para a sexta-feira, desperdiçou a maior parte da vida, já que a semana é feita de 7 dias e você só aproveitou 1.

Com isso, finalmente quando a sexta, segunda, sábado, quarta ou domingo chegar, você terá motivos únicos para aproveitar o dia como nenhum outro.

Artigo extraído e adaptado do Agendor Blog.

_____________________________

Conteúdo relacionado:
Por que nos sentimos mais cansados depois do almoço?

Por que nos sentimos mais cansados depois do almoço?

Quantas vezes você chega ao trabalho de manhã, cheio de energia e muito animado, para, depois do almoço, ter uma queda abrupta em todo esse entusiasmo?

Os motivos são esses:

  • Oxigênio: com toda a energia do corpo voltada para a digestão do alimento, o sangue dá preferência para a barriga, deixando o cérebro de lado. Como é o sangue o responsável pelo tráfego de oxigênio, o cérebro arca com a diminuição ficando cansado e, logo, sonolento.
  • Suco Gástrico: a produção do suco gástrico gera bicarbonato de sódio que, por sua vez, aumenta o pH do sangue e gera a alcalose metabólica, que diminui o estado de alerta do cérebro.
  • Açúcar: a digestão, principalmente a de massas ou doces, libera glicose. Ela faz com que nosso sistema nervoso envie para o cérebro a informação de saciedade, baixando ainda mais o estado de alerta.

Assim fica difícil resistir. Os nutricionistas indicam um cochilo rápido de 15 a 20 minutos, tempo que auxilia o organismo a se focar mesmo na digestão e executá-la bem. Porém, se você quiser driblar o sono e o cansaço, veja as dicas de alguns experts em produtividade e nutricionistas:

Alimente-se com carboidratos complexos

Esse é o tipo de alimento que fornece energia por mais tempo. Os carboidratos complexos são lentamente absorvidos pelo organismo, dessa forma, fornecem combustível por mais tempo depois da refeição e auxiliam no seu ânimo para o final do expediente.

Alimentos integrais, legumes, feijão, frutas e alguns vegetais são fonte desse tipo de carboidrato. Uma refeição com altos índices de carboidratos simples, como um grande prato de macarronada, oferecerá uma grande quantidade de energia por pouco tempo, seguido por uma queda brusca que poderá deixá-lo sonolento.

O ideal é ter refeições que equilibrem carboidratos complexos e outros nutrientes, como gordura e proteína. Macarrão integral com vegetais e camarão, arroz integral com frango e brócolis, um sanduíche de peito de peru em pão integral com uma maçã de acompanhamento, são exemplos de alimentação balanceada para fornecer energia e entusiasmo durante todo seu expediente.

Evite as maquininhas de lanches, doces e bebidas

Aquelas vending machines recheadas de batatinhas fritas, refrigerantes, chocolates, docinhos, entre outras “tranqueiras”, com certeza podem ser encontradas em seu escritório ou redondezas. Os alimentos fornecidos nessas máquinas possuem carboidratos simples que serão rapidamente consumidos pelo seu organismo e te deixarão na mão quando você realmente precisar de energia.

Caso você não consiga se livrar da devastadora vontade de comer uma “besteirinha”, pelo menos inclua algum alimento que contenha gordura e proteína para desacelerar a absorção de açúcar pelo corpo. Coma aquele salgadinho com queijo ou guacamole para matar o desejo e não prejudicar o restante do seu dia.

Reduza o seu consumo de café

Normalmente, após o almoço, aquela xícara de café torna-se extremamente sedutora e seu consumo, teoricamente, deveria dar aquele impulso para aguentar a parte vespertina de seu expediente.

O problema é que poucas pessoas mantém-se corretamente hidratadas durante o dia e isso, aliado ao alto consumo de cafeína, geram desidratação. A falta de água no organismo faz com que o cérebro se encolha causando a perda da concentração e da clareza.

Substitua algumas generosas canecas de café por copos d’água que serão mais eficazes em manter o seu foco durante o dia.

Coma algo caso tenha fome

Se você não sentir-se saciado depois do almoço, coma algum lanchinho que possua proteína.

Amendoins e nozes são excelentes fontes de proteína e podem te ajudar com aquele empurrãozinho para finalizar seu expediente satisfeito e animado.

Movimente-se

Passar o dia inteiro sentado em sua estação de trabalho sem fazer nenhum tipo de atividade prejudica sua produtividade.

Faça algumas pausas para esticar as pernas, ir ao banheiro ou qualquer outra forma de atividade que exija movimento do corpo.

Artigo extraído e adaptado dos sites Muito interessante e Época Negócios.

_____________________________

Conteúdo relacionado:
Especialista aponta cinco dicas para organizar melhor o tempo no trabalho

Especialista aponta cinco dicas para organizar melhor o tempo no trabalho

A falta de planejamento e organização do tempo no trabalho comprometem o bom rendimento profissional. Por isso, saber organizar o tempo a seu favor – transformando-o em aliado e não em inimigo – é um grande diferencial.

Para Christian Barbosa, especialista em administração de tempo e produtividade, e CEO da Triad OS, um grande problema dos tempos atuais é que estamos trabalhando mal, em maior quantidade, com mais estresse e menos resultados.

“Isso tudo só ocorre porque estamos administrando o tempo de maneira incorreta”, afirma Barbosa.

Segundo o executivo, o profissional que estabelece uma boa relação com tempo vai conseguir produzir adequadamente dentro do seu horário de trabalho, evitando horas extras excessivas e alcançado retornos positivos.

“Definir prioridades, planejar ações e não esquecer que a sua vida pessoal tem um grande impacto no seu desempenho profissional, são bons indicadores de que você está usando o tempo de maneira correta”, disse.

Confira cinco dicas do especialista:

Defina prioridades

Aprenda a definir prioridades e classificar suas atividades em: importantes (atividades com tempo para serem realizadas que trazem resultados e prazer na execução); urgentes (atividades sem tempo ou com prazo estourado, geralmente carregam estresse e tensão na execução); e circunstanciais (atividades que você faz contra a vontade ou de forma desnecessária não trazem retorno para sua vida, desperdício de tempo). O ideal é buscar meios de dedicar-se mais à esfera da importância e diminuir o tempo das demais.

Faça um planejamento

Partindo dessa estratégia, planeje a sua semana ao menos três dias para frente. Lembrando que, se algo for opcional, deve ir para outro dia e essas prioridades não podem nunca lotar a sua agenda, ou você vai adiar e se frustrar.

Comece com a primeira prioridade da lista e enquanto estiver executando-a, deixe, por exemplo, o e-mail e o navegador fechados, mantenha o foco no que está fazendo. Quando terminar estará liberado para utilizar a Internet ou realizar outras tarefas. Se surgir algo novo e importante, transforme isso em prioridade e coloque na lista.

Isso é treino e disciplina. Você vai aprender a controlar não apenas o tempo, mas seus dedos, sua ansiedade, sua atenção. É no gerenciamento próprio que conseguimos não nos tornar escravos do que poderia ser nosso aliado.

Pare de procrastinar

Outro grande problema relacionado à produtividade é a procrastinação, o ato de deixar para depois a realização de determinadas tarefas. Não há nada de errado em adiar uma atividade uma vez ou outra, o problema é quando isso começa a ficar crônico e passamos a adiar frequentemente coisas que não poderiam ser adiadas. Isso resulta na perda de resultados e na qualidade do trabalho realizado.

Limite o uso das redes sociais

O uso excessivo das redes sociais pode roubar o tempo que você usaria para realizar atividades mais importantes. É preciso ter foco ao utilizar essas ferramentas. Definir limites é vital. Para aqueles que estão viciados nessas ferramentas, a sugestão é aprender a definir horários ou dias para atualizar e olhar as redes sociais. Se for acessar as redes durante o trabalho, tente ver no máximo três vezes ao dia, por exemplo.

Coloque você na agenda

Crie compromissos e tarefas relacionados a papéis e situações importantes da sua vida. Planeje ações que possam satisfazer o seu eu, coisas que você gosta, que vão fazer você se sentir bem e mais energizado. O equilíbrio entre pessoal e profissional está relacionado ao ato de viver seu tempo com sabedoria. Se ficar tempo demais em uma determinada área da vida, outras áreas ficarão deficientes.

Artigo extraído e adaptado do site Mundo Carreira.

_____________________________

Conteúdo relacionado:
10 coisas que você faz nos primeiros minutos do trabalho, mas que não deveria…